18 Ago, 2017

Brasileirão 2017 – Antevisão

Rafael RibeiroMaio 13, 20179min0

Brasileirão 2017 – Antevisão

Rafael RibeiroMaio 13, 20179min0

O Brasileirão 2017 começa sem grandes certezas para a maioria dos clubes. Dos grandes, poucos tiveram nos estaduais um desempenho inquestionável. Os favoritos parecem ser os mesmos do ano passado, mas isso não garante o surgimento de um inesperado desafiante. Essa é a principal virtude do Campeonato Brasileiro, sua imprevisibilidade.

Palmeiras, Flamengo e as altas expectativas

O atual campeão brasileiro se preparou fortemente para defender o título em 2017. Porém, a eliminação no Campeonato Paulista (perdeu para a Ponte Preta nas semifinais) e a instabilidade nos jogos da Libertadores fizeram com que o técnico Eduardo Baptista deixasse o cargo e o retorno de Cuca aos trabalhos deverá atrasar o Palmeiras. Para seu alento, reforços também chegaram. Felipe Melo já se mostrou o símbolo de entrega nos campos. Guerra e Borja, que formaram a dupla sensação na Libertadores 2016 pelo Atlético Nacional (Colômbia), continuam juntos dessa vez no alviverde brasileiro. William, vindo do Cruzeiro, aumenta a briga no ataque, além de Michel Bastos, que revigorou-se após desgastes no São Paulo.

Assim como no ano passado, Cuca chega ao Palmeiras com altas expectativas (Foto: Tossiro Neto / GloboEsporte)

O saldo de tudo isso ainda é um sentimento de otimismo pelo que vem a seguir. Se sobra esperança ao torcedor, também sobra desconfiança por parte dos rivais e da imprensa. Afinal, o trabalho de Cuca pode ser considerado um recomeço, uma mudança que pode custar o campeonato se as engrenagens não se encaixarem rapidamente. A verdade é que o favoritismo continua, e o clube é sem dúvidas um forte candidato ao título.

O Flamengo, campeão carioca de 2017, manteve suas bases e promete briga dura. Zé Ricardo continua no comando do time, e os principais jogadores continuam desequilibrando. Pelas laterais, Rodinei desponta e conta com a chegada do companheiro Miguel Trauco. Diego e Conca, ao voltarem de lesão, irão comandar o meio de campo, para que o recém chegado Berrió possa marcar muitos gols ao lado de Leandro Damião e Guerrero.

Diego é um dos candidatos a craque do Campeonato (Foto: Gilvan de Souza / Flamengo)

É fato que o Brasileirão se mostra muito mais competitivo que o Campeonato Carioca, que não pode ser tomado 100% como mostra de potencial do rubro negro. Irá enfrentar desafios muito maiores, vindos de outros estados, e só assim saberá onde terá que melhorar. É importante ressaltar que a falta de critérios da CBF na construção da tabela beneficia o Fla: terá uma sequência de 11 jogos em casa e 1 fora, em dois períodos distintos de 12 rodadas ao longo do campeonato. Se souber administrar esta “vantagem”, inegavelmente o Fla estará na frente da tabela. Na teoria, é simples. Na prática, nem tanto.

Outros possíveis desafiantes ao título

Atlético Mineiro e Cruzeiro podem desafiar o poderio de Palmeiras e Flamengo. A dupla de Minas Gerais fez a final do Campeonato Mineiro e apesar do bom momento do Atlético, campeão estadual e com elenco de ponta, da queda de rendimento do Cruzeiro, após perder o título e ser eliminado da Sulamericana, ambos estão em pé de igualdade para brigar pelo título nacional ao final do ano.

Robinho é um dos destaques do Galo. (Bruno Cantini/Atlético-MG)

O técnico do Atlético Mineiro, Roger Machado, ganhou estabilidade e tirou a pressão do início da temporada ao fazer boa campanha em Minas e sagrar-se campeão. Mesmo perdendo Lucas Pratto para o São Paulo, Fred está dando conta do recado e a titularidade absoluta sempre faz dele um dos candidatos a artilharia da competição. A experiência do goleiro Victor, do volante Elias, de Robinho e Fred, aliado à juventude de Cazares e Otero são a mescla perfeita para uma campanha sólida.

Do lado do Cruzeiro, Mano Menezes começou muito bem o ano, aliando boas atuações no estadual com a sequência na Copa do Brasil e Sulamericana. Até que a final do estadual e logo em seguida a eliminação na competição continental tornaram o clima mais tenso. Nada que possa abalar o elenco em uma competição de pontos corridos e que pode trazer surpresas ao longo do ano. O Cruzeiro pode roubar a cena, e um ambiente mais tranquilo poderá mostrar isso em breve. Conta com um bom plantel liderado por Thiago Neves e Rafael Sóbis, dois jogadores acostumados com o Campeonato.

As novidades no banco

Se no ano passado, Jair Ventura e Zé Ricardo surpreenderam com o bom futebol apresentado por Botafogo e Flamengo, respectivamente, em 2017 é a vez de outros clubes se juntarem a eles na aposta em novas caras no banco de reservas.

Os treinadores da nova geração ganham espaço e terão a sua prova de fogo no equilibrado campeonato nacional. Em São Paulo, apesar de Eduardo Baptista não ter sobrevivido no Palmeiras, Corinthians e São Paulo continuam com seus treinadores de primeira viagem.

Jadson e Jô levaram o Paulistão. (Daniel Augusto Jr. / Ag. Corinthians)

Campeão Paulista, o Corinthians apostou em Fabio Carille, treinador da sua formação e antigo assistente de Tite, após a recusa de alguns nomes mais conhecidos. Carille, após alguns questionamentos iniciais, parece ganhar a confiança da torcida e diretoria com a evolução de uma equipe que segue os ensinamentos do treinador da Seleção Brasileira. Segurança em primeiro lugar, aproximação das linhas, time compacto, valente e pronto para agredir o adversário em contra-ataques. Com essa receita, levou o Campeonato Paulista, deu confiança a jogadores que estavam em baixa e revelou jovens com potencial para o primeiro time. Chega, agora, ao Brasileiro com confiança para tentar surpreender, num ano que começou com a imprensa apontando o clube como apenas a quarta força do estado.

No São Paulo, o cenário é outro. Rogério Ceni, maior ídolo da história do clube chegou cercado de expectativas e com direito a auxiliar importado do Liverpool. Começou o ano com um time ousado e ofensivo, mas que tomava muitos gols. Mesmo assim, parecia sair da mesmice tática dos outros clubes e atraia torcedores esperançados ao estádio. Uma sequência de mal resultados, culminando numa derrota para o Palmeiras, fez Rogério buscar o equilíbrio defensivo e o time nunca mais foi o mesmo. Eliminado no Paulista, Copa do Brasil e Sulamerica em menos de um mês, elenco e treinador chegam pressionados para o Brasileirão.

Rogério Ceni começa o campeonato sob pressão (Foto: Marcos Bezzera – Futura Press)

No Vitória, Petkovic, ídolo do clube e também do Flamengo, acumulou as funções de diretor técnico e treinador. Milton Mendes, no Vasco, apesar de ter mais experiência pode ser considerado uma aposta, em sua primeira passagem por um clube do eixo Rio-SP. Jair Ventura terá seu segundo ano à frente do Botafogo, Pachequinho começa pela primeira vez um campeonato nacional no comando do Coritiba e Marcelo Cabo é a novidade na primeira divisão, com o Atlético Goianiense.

Previsões Fair Play

Rafael Ribeiro:

“Flamengo e Palmeiras são os postulantes ao título. Atletico Mineiro e Cruzeiro podem quebrar este paradigma. Sem dúvidas teremos um dos campeonatos mais equilibrados dos últimos anos, característica dó Brasileirão. A briga pelas vagas na Libertadores está acirrada, podem ser oito ao fim do campeonato. Grêmio, Santos, São Paulo, até Corinthians brigam. Da mesma maneira, pelo menos seis times brigam para continuar na Série A.”

Victor Abussafi:

“Flamengo, Palmeiras e Atlético-MG brigarão até o final. O São Paulo, sem outras competições, pode ter tempo para se arrumar e brigar por Libertadores. Santos, muito forte no ano passado, deve perder jogadores importantes no meio do ano e não conseguirá mais do que o meio da tabela. Na parte de baixo é onde está a maior indefinição, mas acho que o Vasco escapa, mas o Coritiba não.”


O  Fair Play preparou uma série de artigos com curiosidades, histórias e o que esperar de um dos campeonatos mais disputados do mundo. Para saber mais:
Os maiores artilheiros do Campenato Brasileiro
Por onde andam os últimos craques do Brasileirão?
Balanço do Campeonato Brasileiro de 2016
Os melhores jogadores do Brasileirão 2016


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter