20 Ago, 2017

Lanterna de mineiro

Pedro NunesOutubro 1, 20165min0

Lanterna de mineiro

Pedro NunesOutubro 1, 20165min0

Cinco jornadas, cinco derrotas e o último lugar da tabela classificativa. É este o saldo do pior início de temporada de sempre do histórico Schalke 04. Nos mineiros, as perspectivas de sucesso de que se anteviam no início da época têm saído goradas. O que se passa com este Schalke?

Estava longe de passar pela cabeça de quem quer que fosse. À quinta jornada, estar no fundo da tabela não era, definitivamente, o que se previa para os knappen. A verdade é que em cinco jogos para a Bundesliga, o Schalke perdeu cinco vezes e só marcou por duas – uma das quais no último encontro frente ao Hoffenheim. A equipa até começou a ganhar mas depois foi-se abaixo deixando os achtzehn99 fazer a cambalhota no marcador. A Bundelisga parece reservar uma história deste género todos os anos. No ano passado havia sido o Gladbach a iniciar a sua campanha com cinco derrotas, o que levou a que Lucien Favre não visse outra solução despedisse do clube, com o seu sucessor Andre Schubert a acabar por levar o clube à Champions. Quanto a este Schalke, o futuro é uma incógnita.

Os mineiros são um dos maiores emblemas do panorama germânico. Têm dinheiro, uma falange de apoio gigante, uma academia que produz talentos atrás de talentos, no entanto, os últimos anos não têm sido proveitosos a nível de resultados. A hegemonia do Bayern, a (re)aparição do eterno rival Dortmund e uma boa dose de más decisões diretivas têm contribuído para este desfecho. Porém, este seria (será?) o ano. O malogrado diretor desportivo, Horst Heldt, saiu do clube e para esse posto foi trazido do Mainz, Christian Heidler, depois de um grande trabalho nos nullfunfer. Naquele clube, Heidel foi capaz de desnvolver um trabalho exemplar, erguendo-o do nada, assim como elevar uns tais de Klopp e Tuchel para a ribalta. Nascido e criado naquela cidade, foi em 92 que a história de sucesso começou e o Mainz deixou de ser um clube de divisões inferiores para se tornar num protótipo de clube moderno e passar a ser uma presença assídua na luta pelos lugares europeus da divisão principal.

A importância dos diretores desportivos tem aumentado de importância no futebol e a Bundesliga é o exemplo perfeito desta tese. Porém, se há parâmetro que foi decisivo para todo o sucesso do Mainz foi a escolha dos treinadores, naquela que é considerada por muitos numa das melhores escolas do mundo. E pode ser mesmo este aspecto que esteja a falhar para a máquina knappen não funcionar. Posto isto, o casamento em Gelsenkirchen foi feito para dar certo e ter um final feliz.

Foto: Bild
Foto: Bild

Olhar para o plantel do Schalke faz crescer água na boca a qualquer adepto visto que Weinzeirl tem opções para todos os gostos em todos os sectores. Apesar disso, o antigo treinador do Augsburgo ainda não conseguiu juntar as peças todas de modo a montar um puzzle compacto. Em cinco jogos apresentou cinco ‘onzes’ diferentes, com mudanças em várias posições. Fahrmann tem sido um dos únicos que não mexe e é nome certo para a baliza. Na defesa, o eficiente Howedes enverga a braçadeira e é outro dos que Weinzeirl só tem de confiar. No entanto, o resto dos elementos tem distribuído falhas de concentração que não podem simplesmente acontecer. Naldo e Nastasic têm lutado por um lugar no eixo da defesa, enquanto Baba, que foi treinado por Weinzierl no Augsburgo e voltou à Bundesliga por empréstimo do Chelsea, é o lateral esquerdo da equipa. No miolo, três pontos de interrogação. Visto que a equipa tem jogado em 4-3-3, quem seriam os médios? Já se experimentou quase tudo entre Geis, Bentaleb, Gortezka, Stambouli e Meyer. Muita oferta e muito variada, mas falta encontrar forma de juntar todos os ingredientes para a receita ficar completa. Já no que concerne aos homens da frente, Embolo ainda está verdinho depois de brilhar na liga suíça, Huntelaar têm sido o foco ofensivo escolhido e as alas têm sido divididas entre Choupo-Moting e Schopf.

Foto: Web DE
Foto: Web DE

Apesar de nos encontrarmos numa fase tão prematura da época, domingo, frente ao Gladbach, as coisas podem ficar ainda mais negras se o Schalke não vencer. A temporada só não tem sido uma razia em toda a linha devido à prestação europeia, onde o Schalke já conta com duas vitórias. É preciso dar tempo ao tempo. Se houve coisa que Heidel conseguiu mostrar no Mainz foi a sua capacidade para se reinventar e enfrentar os mais diversos problemas. Não faz sentido quando todas as peças parecem juntar-se mas o puzzle continua sem dar para concluir. O apelido de mineros que ostentam os seguidores do clube não podia estar mais em acordo ao sucedido. Venhas as pás e as picaretas, há uma saída lá do fundo para escavar.

Foto: Burgel Bunkentor
Foto: Burgel Bunkentor


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter