21 Nov, 2017

A segunda vinda do Wolfsburgo

Pedro NunesJaneiro 21, 20174min0

A segunda vinda do Wolfsburgo

Pedro NunesJaneiro 21, 20174min0

Treinador despedido, diretor desportivo pelo mesmo caminho e a maior estrela vendida. Na primeira metade da época, estes foram alguns dos momentos mais relevantes do Wolfsburgo. A três pontos da linha de água, contamos o que aconteceu e levantamos uma pontinha do véu, para percebermos o que poderá trazer o futuro dos Lobos.

Nesta primeira metade da época, houve pouca coisa a correr bem no Volkswagen Arena. Se em Maio do ano que passou a equipa se encontrava num grande momento – bateu o Real Madrid para a Liga dos Campeões em casa -, a partir daí o estado de graça do Wolfsburgo começou a cair a pique e entraram numa espiral de resultados negativa, quando nos primeiros 15 jogos do campeonato conseguiram apenas 10 pontos.

Dieter Hecking iniciou a temporada com apenas uma vitória em sete encontros, conseguida logo na jornada de abertura, contra o Augsburg. Sem espaço para manobra, o treinador acabou despedido e para o seu lugar foi chamado o treinador dos sub-23 e antigo jogador do Bayern, Valerien Ismael. Seguidamente, também o diretor desportivo do clube, acabou por deixar o seu cacifo livre. Klaus Allofs terminou a ligação com os Lobos depois de uma derrota por 5-0 contra o Bayern.

O ambiente não era, de facto, o melhor para trabalhar. O escândalo da Volkswagen que ainda ninguém sabe bem que implicações trará aos Lobos, as contratações falhadas, os jogadores com estatuto de estrela que não rendiam, o treinador trazido à pressão que não mostrava resultados. Tudo contribuiu para a saída do antigo avançado alemão, que em tempos tinha vencido uma DFB-Pokal e se tinha qualificado para a Champions.

Julian Draxler foi o expoente desta queda livre, com várias exibições aquém das expectativas, depois de rejeitada a proposta do PSG no verão. Se havia sido o melhor exemplo do futebol pobre e triste da equipa, foi também em Draxler que se iniciou a tentativa de reconstrução dos Lobos. Na abertura do mercado, o médio alemão acabou mesmo por ser transferido para o PSG que, à segunda tentativa, acabou por o contratar por uma quantia a rondar os 40M€.

Foto: The Sun

Com estes valores nos cofres, o Wolfsburgo iniciou um processo de recrutamento para melhorar os pontos fracos do seu plantel. Sem perder tempo, o avançaram para as contratações de Malli, Ntep e Bazoer.

Com 29 golos e 19 assistências em 129 golos, Malli foi sempre um dos homens-chave do Mainz. O médio ajudou o clube a chegar à Europa na época passada e é um dos melhores nomes que o Wolfsburgo poderia resgatar neste inverno. Ficará com a camisola de Draxler e será por ele que começará esta reformulação. Por detrás desta revolução quase total, está agora ao leme dos destinos do clube, está agora o novo diretor desportivo, Olaf Rebbe.

Foto: Sport DE

Não tem sido uma temporada muito proveitosa para os históricos emblemas alemães. Equipas como o Wolfsburgo, Werder Bremen e Gladbach – para não falar do Hamburgo, que se vê em mais um ano na mesma situação – têm tido épocas bastante fracas, cada um pelos seus motivos.

Das quatro mencionadas, a que parece estar com mais vontade de dar a volta por cima é o Wolfsburgo. Tal intenção ficou evidente nesta paragem no campeonato, com as mexidas no mercado de transferências e com a procura de renovar o estado de alma.

Os dois últimos jogos para a liga acabaram com vitórias (contra Gladbach e Werder Bremen) e as mexidas nas equipas foram feitas de forma a tirar a equipa da mó de baixo. Os adeptos dos Lobos ainda vão tendo esperanças na sua equipa. A primeira vitória em casa da temporada chegou tarde e questionou-se muitas vezes como é que uma equipa com jogadores como Benaglio, Ricardo Rodriguez, Luiz Gustavo e Goméz, podia ter performances tão más.

O Estugarda é um exemplo recente de quão mal podem correr as coisas para um histórico e esse espectro deverá agora pairar sobre os jogadores dos Lobos. Com a temporada a meio, e o abanão necessário ao intervalo dado, veremos se os jogadores respondem no que resta da temporada. Se é mudar o rumo dos acontecimentos que querem, parece uma boa altura para dar início a essa tarefa.

Foto: Trivela


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS




Newsletter


Categorias


newsletter