18 Dez, 2017

Portugal nos Paralímpicos – Ir ao Rio para bater Londres

Fair PlaySetembro 21, 20164min0

Portugal nos Paralímpicos – Ir ao Rio para bater Londres

Fair PlaySetembro 21, 20164min0

Terminado mais um ciclo paralímpico, o balanço da missão portuguesa no Rio de Janeiro 2016 só pode revelar-se bastante positivo! Os atletas lusos superaram a marca de Londres’2012 (3 medalhas), conquistando, em solo maravilhoso, 4 medalhas, todas elas de bronze. Com a presença de 37 atletas em 7 desportos, num total de 54 provas, o grande destaque vai para as duas modalidades que nos proporcionaram a subida ao pódio por 4 vezes: Atletismo e Boccia.

Atletismo

Luís Gonçalves protagonizou um dos momentos mais marcantes nesta competição, ao conquistar a primeira medalha para a comitiva portuguesa na prova dos 400m da classe T12 com 49.54 segundos, batendo assim o seu recorde pessoal. O atleta do Sporting Clube de Portugal já detinha o título de campeão do mundo nesta prova, conquistado em 2015 no Qatar.

Ainda no atletismo, Manuel Mendes surpreendeu ao repetir a proeza do bronze na Maratona da classe T46, com o tempo de 2:49:57 horas, naquela que foi a sua estreia em Jogos Paralímpicos. Portugal esteve representado por mais 15 atletas nas mais variadas disciplinas do Atletismo, desde o salto em comprimento ao lançamento do peso, tendo arrecadado 16 diplomas paralímpicos.

gonca
Luís Gonçalves em ação (Foto: O Jogo)

Boccia

À semelhança das edições anteriores, o Boccia continua a ser modalidade assídua no medalheiro de Portugal. Nas provas coletivas, a equipa BC1-BC2 constituída por Abílio Valente, António Marques, Cristina Gonçalves e Fernando Ferreira, conquistou o bronze frente à Argentina por 6-2 (nação com que havia perdido anteriormente na fase de grupos.)

Já os pares BC3 (Armando Costa, José Macedo e Mário Peixoto) e BC4 (Carla Oliveira, Domingos Vieira e Pedro da Clara) não conseguiram garantir a passagem às meias-finais, ocupando o 6º e 8º lugares na tabela, respetivamente.

A nível individual, os portugueses chegaram mais longe com quatro presenças nos quartos-de-final de cada classe – BC1, BC2, BC3 e BC4. Porém, apenas António Marques (BC1) e José Macedo (BC3) entraram na luta pelas medalhas. O atleta BC3 garantiu a vitória no parcial de desempate após um resultado de 5-5 contra o atual nº 2 do mundo, o coreano Han Soon Kim, arrecadando assim a sua sexta medalha em Jogos Paralímpicos.

A equipa equipa BC1-BC2 que conquistou o Bronze (Foto: Facebook do Comité Paralímpico de Portugal)

Outras Modalidades

Na natação, os resultados ficaram aquém das expectativas. Dos cinco representantes nacionais apenas David Grachat e Joana Calado nadaram as finais nas categorias de 400m livres da classe S9 e de 100m bruços da classe SB8, ocupando o 8º e o 5º lugares na tabela, respetivamente.

Ana Veiga, a única representante na equitação, realizou duas provas na classe grau 1A, posicionando-se fora dos primeiros 15 lugares.

O ciclismo de estrada teve dois representantes portugueses, Luís Costa na classe H5 que garantiu o 8º lugar nas duas finais que disputou e Telmo Pinão na classe C2.

A participação portuguesa nestes Jogos Paralímpicos contou ainda com duas novas modalidades, nunca antes representadas a este nível – o judo e o tiro desportivo. Miguel Vieira ficou afastado dos quartos-de-final ao perder o seu primeiro combate na categoria < 66kg, tal como Adelino Rocha que não conseguiu a qualificação para as finais nos 10, 25 e 50m na classe SH1.

Joana Calado em competição (Foto: Carlos Alberto Matos/IMAPRESS/CPP)

Tudo somado, Portugal conquistou o 73º lugar no quadro de medalhas dos Jogos Paralímpicos do Rio’2016. Começa agora a contagem decrescente para Tóquio’2020.

Artigo da autoria de Sara Coelho


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS




Posts recentes



Newsletter


Categorias


newsletter