24 Nov, 2017

O Diário do Atleta – Maria Heitor Episódio VI

Francisco IsaacAbril 10, 20176min0

O Diário do Atleta – Maria Heitor Episódio VI

Francisco IsaacAbril 10, 20176min0

As Seis Nações femininas, a profissionalização do rugby, a preparação para a fase final do TOP8 foram alguns dos temas abordados por Maria Heitor, atleta do LMRCV. O Diário do Atleta de Maria Heitor no Fair Play

O torneio das 6 nações obrigou-nos a uma longa pausa no campeonato. Com a Inglaterra a dominar os dois torneios, especialmente o torneio feminino, onde não deixou dúvidas de ser a seleção favorita, a bater, e por muitos, todas as selecções, mostrando que uma aposta na profissionalização traz bons resultados. Deixem-me lembrar-vos que a seleção inglesa é a primeira seleção europeia a profissionalizar as suas jogadoras de rugby de XV.

Depois de uma grande aposta das principais potências do rugby feminino na vertente de 7s, chegou a hora de apostar no rugby de XV, com a aproximação do campeonato do mundo 2017, na Irlanda, a Inglaterra ofereceu 48 contratos profissionais às suas jogadoras.

A seleção francesa detentora do título de 2016, depois de se ver obrigada a mudar todo o seu staff no final de 2016, acabou por ter uma participação menos positiva nesta prova. A menos de 9 meses do campeonato do mundo, les Bleus vêm-se obrigadas a adaptar-se a novos métodos de trabalho, a criar novas rotinas, a testar novas posições, etc.

Apesar de já se ouvir falar duma profissionalização do XV, é ainda um sonho. Mas se a França quer continuar a fazer parte das melhores seleções do mundo tem de se despachar e apanhar o mesmo comboio que as outras potências. (só a seleção de 7s é profissional, as jogadoras de XV são completamente amadoras, apesar de terem um prémio diário em cada estágio e ou jogo/pré-jogo).

Bem… da seleção francesa até ao campeonato nacional, fomos ao longo destes 2 meses privadas das nossas 5 jogadoras internacionais. Mas a trabalhar duro para que, quando estas chegassem, a diferença de nível não se notasse, o que queria dizer que tínhamos que trabalhar o dobro, sem jogos, sem as nossas internacionais (que enfrentavam as grandes seleções europeias).

O nosso staff tratou de marcar jogos amigáveis, fazer oposições contra a equipa sénior masculina, oposições contra a nossa equipa reserva, enfim. Tudo o que estivesse ao seu alcance para que a seguir a esta interrupção entrássemos no campeonato «a abrir».

Com o nosso apuramento já garantido para a final a duas jornadas do final da fase regular, e com 3 lugares ainda em discussão entre 4 equipas (Saint Oraes, Montpellier, Stade Toulousain e Stade Rennais).

Foto: Arquivo de Maria Heitor

Temos pela frente dois jogos aparentemente calmos, enquanto as outras equipas vão-se enfrentar numa tentativa de garantir o seu lugar nas meias-finais. E entre o Caen e o Clermont-Romagnat lutam pela manutenção no top 8.

Antes de enfrentar o Romagnat, a equipa da Normandia (Caen) ia receber-nos em casa. O nosso objetivo era claro, apesar das deslocações à Normandia serem sempre complicadas queríamos ganhar fora e com ponto bónus ofensivo para continuarmos em 1º lugar do campeonato.

Do lado da equipa do Caen, se conseguissem a garantia do ponto bónus defensivo (perder por menos de 7 pontos), a manutenção estava garantida.

Com o efectivo completo tivemos apenas dois treinos para preparar o jogo. Na sexta feira ao final do dia, os treinadores anunciam a equipa e fico a saber que vou voltar a jogar na posição onde mais gosto, asa. No sábado encontramo-nos no clube e partimos em autocarro até à cidade de Caen.

Domingo de manhã, estava cheia de vontade de jogar! Mais do que era normal, acho que a excitação de voltar a jogar a asa era visível (nem consegui dormir bem)… além disso, há dois meses que não tínhamos um jogo oficial. Eu sentia-me bem fisicamente. Neste último mês tinha mudado os meus treinos de ginásio, adicionado alguns treinos de corrida e tinha perdido algum peso (depois do natal…. Enfim… as lutas de sempre).

Faltavam 5 jogos! 5 vitórias! Para esta aventura francesa acabar em beleza! Os dois jogos da fase regular, as duas meias finais e a final (dia 29 de Abril em Bordéus). Chegámos ao campo 1h40 antes do jogo, entre os preparativos de jogo, saímos para o aquecimento 40 minutos antes do jogo.

Um dia lindo para jogar rugby! Lembro-me que ao sair dos vestiários tive uma pequena sensação de estar a jogar em Portugal, com o céu limpo, uns 18 ou 19 graus… uma coisa rara nesta zona de França e em Lille para o mês de Março.

Um aquecimento bem duro para nos acordar! E uns 10 minutos de recuperação antes do jogo.

Nos primeiros minutos de jogo o Caen instalou-se no nosso campo. E ao longo de 10 minutos tivemos alguma dificuldade em sair de lá, sem perder a calma conseguimos progredir e instalar-nos no campo delas.

Uma primeira parte em que chegámos ao objetivo 3 vezes! Fomos para intervalo com o resultado em 17-00. Ao intervalo os treinadores pediram-nos para começarmos a introduzir as novas jogadas. Era o último jogo onde as podíamos testar.

O próximo jogo será transmitido em direto então não seria o melhor para as experimentar. Na segunda parte do jogo, a nossa equipa impôs-se fisicamente e mesmo a rodar a equipa toda conseguimos marcar 5 ensaios. Aos 45 minutos passei de asa para pilar e terminei o jogo a enfrentar a pilar da seleção francesa.

Apesar de tecnicamente ela me dar uma ratada, é nestes momentos que me sinto progredir nesta nova aventura. Neste jogo voltei a fazer os 80 minutos completos e voltei a marcar um ensaio o que me deixar super feliz porque eram os objetivos que tinha para esta época! Mais tempo de jogo, fazer um jogo completo e marcar ensaios!

Um resultado final de 44-00 que nos deu uma boa festa nas 5horas de autocarro de volta para casa. Esta semana preparamo-nos para enfrentar o Bobigny, o jogo será transmitido em direto pela Eurosport Francesa. É o último jogo da fase regular do campeonato. No próximo domingo os 4 jogos do nosso campeonato serão transmitidos em direto pela Eurosport.

Uma estreia para o rugby feminino:

LMRCV vs BOBIGNY

ASM Romagnat vs CAEN (decide a equipa que se mantem na divisão de honra do rugby feminino)

MONTPELLIER vs RENNES

BLAGNAC-ST-ORENS vs TOULOUSE

Foto: Arquivo de Maria Heitor

Para nós faltam 4 jogos! 4 vitórias!


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS




Newsletter


Categorias


newsletter