18 Ago, 2017

FP Scouting – Rodrigo Dourado

Bruno DiasMarço 18, 20176min0

FP Scouting – Rodrigo Dourado

Bruno DiasMarço 18, 20176min0

O Sport Club Internacional escreveu recentemente uma das mais tristes páginas da sua história, tendo sido despromovido do Brasileirão pela primeira vez na sua história. No entanto, o clube de Porto Alegre possui nas suas fileiras vários jogadores de elevado talento e potencial, e o Fairplay, com o apoio da Talent Spy, dá-lhe aqui a conhecer um dos mais talentosos: Rodrigo Dourado.

A tendência brasileira para a formação de jogadores criativos, fantasistas e com uma relação praticamente perfeita e harmoniosa com a bola é já algo do senso comum para qualquer aficionado de futebol. É uma matriz cultural futebolística de que o próprio país se orgulha, de resto. O jogador brasileiro é conhecido no mundo pela sua qualidade técnica, pela facilidade que possui em criar e recriar-se com a bola nos pés. Por oposição, quando surge um jogador brasileiro que apresenta limitações técnicas e que se destaca mais pela sua capacidade física e/ou atlética, é até costume dizer-se de tal jogador que “nem parece brasileiro”.

Em parte, é esse o caso de Rodrigo Dourado. Formado nas categorias de base do Internacional – único clube que conheceu na carreira até ao momento –, caracteriza-se por fugir um pouco ao perfil do típico jogador criado no Brasil. Um aspecto justificado talvez pela sua posição no terreno de jogo, dado que Dourado é um médio defensivo, que actua à frente da linha defensiva e que sobressai à primeira vista pela sua capacidade física (1,86m e bastante forte no choque e na capacidade de equilíbrio) e atlética (é um jogador relativamente ágil para a altura que tem, com bom poder de impulsão e que consegue alargar a passada quando necessário).

No entanto, estamos na presença de um jogador bem mais evoluído do que aquilo que essa primeira impressão deixa antever. Dourado destaca-se por ser um médio globalmente inteligente e muito forte na leitura e interpretação do jogo, e alia a esses aspectos uma excelente capacidade de desarme (de notar que utiliza muitas vezes o “carrinho” como meio para o desarme), baseada no timing (a sua procura pela antecipação é evidente) e na execução técnica. É um recuperador de bolas de alto nível, e neste campo necessita apenas de apurar a agressividade com que aborda cada lance, pois por vezes exagera e, em patamares competitivos mais elevados, isso pode facilmente tornar-se numa lacuna grave.

Também no jogo aéreo Dourado se destaca, ganhando regularmente duelos aéreos em todas as zonas do terreno e sendo especialmente útil nas bolas paradas. Mas é com a bola rente à relva, nos pés, que o menino de 22 anos nascido em Pelotas realmente brilha. Dourado está longe de ser o clássico médio defensivo que apenas destrói e não constrói, vulgo “trinco”. Uma das suas principais acções é precisamente a recuperação de bola através da antecipação, seguida de um passe vertical ou do transporte de bola. A sua qualidade de passe, seja curto, médio ou longo, é acima da média, e o jogador também se sente confortável na condução de bola em drible. Possui um primeiro toque apurado, e recorre ocasionalmente a recepções orientadas para facilitar o passe. Faz respirar a equipa através do passe, gerindo bem o ritmo da circulação de bola e conferindo-lhe fluidez.

É ainda um médio com uma chegada à área muito boa, o que por vezes lhe providencia boas oportunidades para finalizar, e possui uma meia distância que é apenas razoável no presente, mas que parece ter alguma margem de progressão caso o jogador seja incentivado a trabalhar e a apostar mais nesse aspecto do seu jogo. Dependendo do contexto e da situação do jogo, poderá também ser utilizado em zonas ligeiramente mais adiantadas, como “8”/”box-to-box”, pois possui um perfil indicado para esse tipo de funções.

Fonte: Soccerway

Rodrigo Dourado actuou pela primeira vez na equipa sénior do Internacional a 16 de Setembro de 2012, frente ao Sport, e foi promovido definitivamente ao plantel sénior em 2015. Conta já com quase 100 jogos pelo clube. Também nas selecções brasileiras, Dourado tem já histórias para contar. Em 2016, foi um dos jogadores que fez parte da selecção brasileira que se sagrou campeã olímpica, nos Jogos Olímpicos disputados no Rio de Janeiro, tendo actuado 11 minutos diante da Dinamarca, num dos encontros da fase de grupos da competição.

BOA OPÇÃO PARA…

Sporting CP – Com a cada vez mais provável saída de William Carvalho no final da temporada, o Sporting certamente necessitará de ir ao mercado para colmatar essa perda. Para além disso, Jorge Jesus quererá certamente encontrar um médio defensivo que se enquadre mais naquilo que ele preconiza para aquela posição, dentro do seu modelo de jogo. Nesse sentido, Rodrigo Dourado apresenta-se como uma excelente solução, pela forma como se enquadraria dentro do perfil procurado por Jesus no que ao momento defensivo e ao jogo sem bola diz respeito, ao mesmo tempo que manteria em patamares elevados a qualidade com bola que sempre caracterizou o jogo de William Carvalho.

Sevilha FCMatías Kranevitter encontra-se emprestado pelo Atlético Madrid, e Steven N’Zonzi está a realizar a melhor temporada da sua carreira, tendo já atraído o interesse de vários “tubarões” europeus. É, pois, expectável que a formação comandada por Jorge Sampaoli pense em reforçar a posição mais defensiva do sector intermédio na próxima temporada, seja para conseguir uma alternativa válida a N’Zonzi, seja mesmo para o substituir. Dourado, pelas suas características, é um jogador que se pode aproximar do nível do jogador francês a médio/longo prazo, e que pode servir já como uma excelente alternativa ao mesmo, sendo também um jogador que não parece correr o risco de vir a sofrer com uma futura adaptação ao ritmo do futebol europeu, pelo perfil que possui.


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter