21 Ago, 2017

FP Scouting – Omar Abdulrahman

Ricardo LestreMaio 20, 20176min0

FP Scouting – Omar Abdulrahman

Ricardo LestreMaio 20, 20176min0

O futebol nos Emirados Árabes Unidos é visto como pouco competitivo pelas quantidades gigantescas de capital que movimenta. Mas, por outro lado, é precisamente no país dos Leões de Zayed que reside um talento nunca antes visto e que hoje simboliza uma nação inteira. O seu nome é Omar Abdulrahman. Conheça o perfil do jogador asiático mais talentoso de sempre através do ‘FP Scouting’, rubrica desenvolvida em colaboração com a Talent Spy.

Não é de agora. O boom do futebol asiático no que toca ao desenvolvimento e projecção de jogadores tem sido notório desde há vários atrás. No entanto, o rótulo de retirement leagues sempre acompanhou o futebol no continente – veja-se que mesmo com todo o investimento canalizado para as academias jovens, a República Popular da China continua a ser vista como tal – e a área ocidental não foge a essa tendência.

A história de Omar, assim como a dos seus dois irmãos e actuais companheiros de equipa, Khalid e Mohammed, iniciou-se nos arredores Riade, capital da Arábia Saudita. E desde uma idade bem tenra que ninguém conseguia ficar indiferente ao seu puro talento de rua. Foi então que, já depois de disputar vários torneios juvenis sob a recomendação de um olheiro, Amoory, como é carinhosamente reconhecido no país, entrou para um período de testes no gigante Al Hilal. Encantou a direcção, mas a decisão do clube em não conceder a nacionalidade saudita a toda a família não foi aceite pelo seu pai que imediatamente rejeitou a oferta. Assim, e aberta a oportunidade, Omar, juntamente com os seus outros dois irmãos, rumou à academia do Al Ain, conjunto que representa nos dias de hoje.

Fonte: Soccerway

Foram várias e sucessivas as épocas que Omar brilhou nos escalões mais jovens. A sua estreia oficial na equipa principal do gigante emblema dos Emirados Árabes Unidos, que prontamente se disponibilizou a garantir a nacionalidade emiradense a todos os seus familiares, ocorreu a 24 de Janeiro de 2009 na primeira edição da Taça da Liga, troféu onde competem somente clubes da primeira divisão. Amoory contava apenas com 17 anos de idade e, por sua vez, com um dom quase surreal. No entanto, o processo que marcou a sua posição no plantel principal foi bem árduo muito por culpa da fragilidade física que motivou algumas lesões graves ao longo do tempo. Na temporada 2010-2011, tornou-se presença regular na equipa principal e o resto… é história.

25 anos, mas com um palmarés colectivo/individual invejável. Ao serviço do Al Ain, venceu 3 campeonatos, 3 Supertaças, uma Taça da Liga e 2 duas Taças do Presidente. A nível internacional, uma Gulf Cup of Nations e atingiu um surpreendente 3º posto na AFC Asian Cup de 2015 formando uma dupla temível com Ahmed Khalil, o avançado de eleição da selecção nacional. Na verdade, a lista de troféus individuais é bem mais longa. Dentro das muitas distinções, destacam-se a atribuição de MVP da Liga dos Campeões Asiáticos 2015, lugar na Dream Team da Liga dos Campeões de 2014 e na AFC Asian Cup 2015, Jovem Jogador do Ano do campeonato em 2009 e 2011 e Futebolista Asiático do ano em 2016. Fenomenal.

Dentro do campo, funciona basicamente como algo que os italianos apelidam de Trequartista ou Fantasista. Um playmaker que assume o espaço entre-linhas. Cérebro da equipa nos mais diversos momentos do jogo. Que cria, que distribui, que finaliza, que pauta. É um regalo ver a maneira delicada e refinada com que Omar Abdulrahman trata o esférico que se encontra sempre colado ao um pé esquerdo extraordinário fazendo com que o seu drible se assemelhe muito ao de Lionel Messi. Tem uma percepção táctica ao alcance de poucos, fruto da inteligência e da antecipação com que aborda cada lance. Omar, depois de um, já está a pensar no seguinte. E isso, mais do que a elevada qualidade técnica que abarca, é o que o torna um jogador diferente, genial. No entanto, mesmo analisando a fundo a actualidade futebolística, é justo referir que são pouquíssimos os jogadores tecnicamente superiores a Amoory.

Outros dos seus pontos fortes são a execução de bolas paradas assim como qualidade de passe curto, médio e sobretudo longo. É um assistente de excelência. Coloca a bola ao milímetro para o colega finalizar quando nada nem ninguém o fazia prever.

Obviamente que para apontar algum defeito a Omar Abdulrahman, e não incluindo um certo individualismo exagerado, é necessário focar a componente física. Não é um jogador talhado para confrontos físicos, duelos aéreos ou mesmo para o processo defensivo. Algo perfeitamente normal dadas as suas características.

O ‘Messi árabe’, como é reconhecido internacionalmente, rejeitou, inclusive, propostas de Arsenal e Benfica e esteve perto de rumar ao Manchester City, onde chegou a entrar em período de testes. O sonho e a vontade perduram para que Omar Abdulrahman um dia triunfe no futebol europeu, mas a verdade é pura e dura. O mundo do futebol assistiu e continua a assistir ao reinado do mais talentoso príncipe asiático de todos os tempos.

BOA OPÇÃO PARA…

Fenerbahçe; Galatasaray – Para uma primeira experiência na Europa, porque não experimentar a primeira divisão turca em dois clubes de topo? A situação de ambas as instituições não é a ideal e um jogador icónico e com a qualidade de Omar seria um enorme upgrade em todos os sentidos. Abria-se uma porta interessante para que pudesse demonstrar toda a sua qualidade sob os holofotes dos grandes clubes europeus.

Manchester United – Se quisermos apontar o capitão dos Emirados Árabes Unidos a patamares superiores, o Manchester United talvez seja a equipa que melhor se adequa. Isto porque funcionaria na perfeição como elemento criativo, uma vez que o elenco de José Mourinho carece e muito de um jogador com essas particularidades.


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter