20 Ago, 2017

O Diário do Atleta: Diogo Cabral e Manuel Nunes ep. III

Francisco IsaacMarço 17, 20178min0

O Diário do Atleta: Diogo Cabral e Manuel Nunes ep. III

Francisco IsaacMarço 17, 20178min0

A pouco mais de três semanas da partida para França, os jovens lobos, Diogo Cabral e Manuel Nunes, voltaram a falar-nos do seu quotidiano e a preparação para o Campeonato da Europa de sub-18. O Diário do Atleta no Fair Play

Por fim, a Primavera começa a brotar por todos os cantos e recantos, permitindo aos relvados nacionais ganharem outra postura e disponibilidade para receber os pitons dos jogadores.

Em particular, os campos do Jamor têm recebido semana sim, semana não, os atletas da Selecção Nacional de sub-18, liderados pela equipa técnica de Rui Carvoeira, Francisco Branco e João Mirra.

Surpreender e lutar são dois dos princípios “impostos” pela equipa Nacional que ambiciona voltar a conquistar um lugar no pódio do Campeonato da Europa de sub-18.

Desde Setembro de 2016 que quase 45 jogadores lutaram por um lugar na convocatória e agora só 30 poderão ir a Quimper, na região da Bretanha francesa.

Sem tempo para Carnavais

Como sempre, conversámos com Diogo Cabral (centro dos CF “Os Belenenses”) e Manuel Nunes (asa do RC Montemor), os capitães desta nova “dose” geracional que promete fazer estragos e rasgos em terras gaulesas.

Perguntámos qual tinha sido a exigência física e psicológica dos treinos de Fevereiro, uma altura em que o staff técnico gosta de testar os seus jogadores. Diogo Cabral confidenciou que,

O último estágio que tivemos, o de Carnaval, foi muito positivo. Fizemos um trabalho específico de recuperação de bola, de defesa e também treinámos o nosso modelo de ataque. Foram treinos intensos, da parte de todos houve um empenho e “investimento”, tornando elevada a qualidade do treino e do trabalho que fizemos.“.

Estágio de Carnaval significa exigência ao máximo e pedimos a Manuel Nunes que explicasse do que se tratou esse “evento”,

A dar início à contagem decrescente para o campeonato da Europa em França, o grupo voltou a reunir-se em mais um estágio em épocas de Carnaval. Onde se realça o grande espírito de grupo, trabalho e empenho por parte dos jogadores e equipa técnica para a realização do estágio, que sem este esforço de todos e com algumas adversidades alheias ao grupo e staff, não se teria realizado.

Tudo isto culminou num grande estágio, onde todos os progressos e desenvolvimento têm um balanço bastante positivo, demonstrando assim que todo o esforço valeu a pena.

Diogo Cabral exprimiu ainda que o estágio foi,

Muito positivo. Fizemos um trabalho específico de recuperação de bola, de defesa e também treinámos o nosso modelo de ataque. Foram treinos intensos, da parte de todos houve um empenho e “investimento”, tornando elevada a qualidade do treino e do trabalho que fizemos.

No último dia de estágio fizemos jogo entre nós, o qual fez sobressair muito do trabalho realizado nos dias de treino anteriores. No entanto, também foi possível identificar algumas falhas técnicas, falhas estas que teremos mais em conta nos próximos momentos.“.

Foto: Fernando Vieira Dias

Ambição e Objectivos obrigam a trabalhar diariamente

Era visível que ambos estavam mais “duros” e calejados desde a 1ª vez que falámos com ambos em Dezembro de 2016 (ver a 1ª página do Diário em: goo.gl/ePYRLj), onde a vontade de provar que não são inferiores aos seus homólogos de 2016 é tão grande como a sua capacidade de evoluir.Manuel Nunes continuou a explicar qual é o sentimento do grupo e como estão focados nas missões que vão ter de “placar” nas próximas semanas,

A responsabilidade aumenta e a margem para erro diminui, com o estreitamento do grupo, pois sabemos que, infelizmente, não podemos ir todos. Isto dá-nos a obrigação de trabalharmos todos os dias ultrapassando os nossos limites demonstrando que merecemos continuar e respeitando todos aqueles que queriam, certamente, estar no nosso lugar.

É um nível exigente, é a alta competição e como jogadores de seleção temos que nos superar e transcender todas estas exigências, para que no coletivo nos tornemos um grupo forte e com bastante qualidade.

Há uma cumplicidade de sentimentos e de ideias, como fica patenteado com as palavras de Cabral perante a observação de Nunes,

Além do trabalho “mais físico”, também nos reunimos para delinear objetivos que nos caracterizem enquanto equipa. É importante reforçar que o Europeu está cada vez mais próximo, assim, devemos estar focados e reforçar o nosso trabalho.

É importante que todos percebam que isto são jogadores com apenas 17 anos de idade, que ainda têm os tempos universitários para chegar, o que faz deles “miúdos” para alguns… mas na verdade, pela forma como falam e ambicionam são homens com uma paixão sem igual.

É notório isto quando perguntámos a ambos qual tem sido o seu dia-a-dia ou a forma como trabalhavam diariamente para estarem prontos para as “batalhas” que se avizinham.

Manuel Nunes fez a sua “resenha” de como têm de trabalhar,

Exigindo o máximo de concentração e dedicação de nós em cada momento de trabalho juntos quer nos estágios, quer nos treinos a meio da semana. Para estarmos aptos para tudo isto é fundamental que sejamos disciplinados com o nosso trabalho individual, o ginásio e todo o trabalho tecnico e tatico pessoal tem que aspirar a perfeição para que possamos estar completamente aptos para ajudar a equipa e estarmos preparados para todas as adversidades que nos apareçam pela frente.

Foto: Inês Cabral

Diogo Cabral optou por explicar como têm sido postos à prova nos treinos do Jamor, com os jogos contra os sub-20 (selecção que também está prestes a “rumar” até Bucareste para o Campeonato da Europa local),

No último treino todos juntos, também realizámos três partes de jogo contra os sub20. Inicialmente a prestação não foi a melhor, mas a 2ª e a 3ª parte revelaram a qualidade defensiva que conseguimos ter jogando com adversários fisicamente maiores.”.

Adversários no Campeonato, colegas na Selecção

Com uma concentração muito “carregada” nas conversas a três, tentámos “mexer” com eles ao perguntar como ia a rivalidade (saudável) no Campeonato Nacional de Sub-18 (Belenenses segue em 1º e o Montemor em 2º).

Manuel Nunes revelou que,

A par de tudo isto, temos um campeonato nacional ao rubro, onde todos os fim de semanas disputam-se jogos de grande qualidade e alta intensidade.

Nota-se um elevado nível de rugby a ser praticado em todas as equipas tanto no grupo dos cinco primeiros, como nos cinco de baixo. Todo este despique jornadas após jornadas leva a grandes rivalidades ao sábado, mas que culminam em brincadeiras e picardias saudáveis quando nos encontramos como seleção à quarta.

Diogo Cabral com um “sorriso” estampado na cara, já que o seu Belenenses conquistou uma vitória importante frente ao Montemor, completou,

Relativamente ao meu clube, os treinos têm sido exigentes e a atitude da equipa tem permitido desenvolver um bom trabalho. As nossas duas últimas vitórias, frente ao Montemor e Direito, elevaram a nossa equipa, estamos muito coesos e com vontade de ficar no topo da classificação.

É imenso e incrível que dois colegas de Selecção e que são adversários a nível de clubes, tenham tamanha cumplicidade, amizade e partilha de ideias.

É isto o espírito do rugby, independentemente ser amador ou profissional, os princípios têm de existir e serem alvo de uma luta intensa todos os dias.

Manuel Nunes e Diogo Cabral, assim como os seus colegas, têm uma postura que nos deixa não são orgulhosos mas esperançosos para o futuro que se avizinha para todos eles.

A Selecção Nacional de sub-18 agora está a afinar os seus últimos pontos e erros para chegar ao jogo com os Estados Unidos da América (uma das equipas convidadas a participar no Torneio Europeu) com a capacidade de ir não só ao ensaio, mas também de mostrarem que Portugal é um dos futuros da comunidade oval mundial.

Segue-se um estágio nas Caldas para dar por terminado a fase de preparação para o Campeonato da Europa, que se inicia no dia 8 de Abril.


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter