22 Out, 2017

Sporting CP 2016/2017 – Antevisão

Ruben CardosoAgosto 13, 20166min1

Sporting CP 2016/2017 – Antevisão

Ruben CardosoAgosto 13, 20166min1

Depois da desilusão na época passada, com o campeonato a escapar por meros pontos, volta a estar no horizonte do Sporting a conquista do campeonato nacional, em 2016/2017. A incerteza reina ainda sobre as situações de João Mário e Slimani, e ainda sobram dúvidas acerca da capacidade da equipa a nível defensivo, para encarar o arranque da Liga NOS.

Transferências

Entradas: Alan Ruiz (Colón), Radosav Petrovic (Dínamo Kiev), Lukas Spalvis (Aalborg), Marcelo Meli (Boca Juniors), Beto (Sevilla), Iuri Medeiros (regresso de empréstimo – Moreirense), Wallyson (regresso de empréstimo – Nice), Daniel Podence (promovido da equipa B)

Saídas: André Carrillo (final de contrato – Benfica), André Martins (final de contrato – Olympiakos), Teófilo Gutiérrez (empréstimo – Rosario Central), Hernán Barcos (empréstimo – Vélez Sarsfield), João Palhinha (empréstimo – Belenenses), Tobias Figueiredo (empréstimo – Nacional da Madeira), Miguel Lopes (empréstimo – Akhisar Belediyespor)

Pré-época | Perfil

Como já analisado recentemente pelo Fairplay, a nível de resultados, a pré-temporada do Sporting deixou claramente a desejar, principalmente ao nível dos resultados obtidos. Foram escolhidos adversários de valia, equipas que militam habitualmente na Liga dos Campeões, e muitas delas já com mais andamento e outra preparação física. A equipa ressentiu-se demasiado da ausência dos campeões europeus, o que permitiu ver algumas lacunas graves existentes no plantel (por exemplo, a falta de uma alternativa válida a Rui Patrício, ou a inexistência de alguém capaz de substituir Slimani). Muitos golos sofridos, uma relativa inoperância ofensiva, fruto da chegada tardia do argelino, e reforços que ainda estão em fase de adaptação.

A equipa irá estruturar-se, como no ano passado, no tradicional 4x4x2 de Jorge Jesus, que já vem dos tempos do Belenenses. Um esquema onde a equipa está muito dependente da capacidade ofensiva dos laterais, sendo que os médios interiores exploram bastante a zona central, deixando as alas practicamente “vagas” para as investidas de Schelotto ou Zeegelaar. Nesta pré-época, também vimos uma abordagem diferente, principalmente para preparar a primeira jornada do campeonato, frente ao Marítimo. Islam Slimani vai cumprir castigo, e no entretanto, Teo saiu para a Argentina, e Barcos seguirá o mesmo caminho. Jesus encontrou em Alan e Bryan Ruiz uma possível dupla a ter em conta para a frente de ataque, pela mobilidade, criatividade e magia que emprestam ao jogo leonino. Aliado à força do meio-campo, será uma metodologia com pernas para andar, mas que ainda necessita de limar algumas arestas para funcionar em jogos mais competitivos.

Falta então saber se o trio de campeões europeus que faz a máquina funcionar – Adrien, William e João Mário -, se vai manter para 2016/2017. O assédio tem sido forte, principalmente a João Mário, e diz-se mesmo que a sua saída para o Inter de Milão estará por horas, e que fará hoje o seu último jogo de leão ao peito. Se vier a acontecer, a vaga deixada pelo virtuoso médio terá alguns concorrentes à espreita, todos com características diferentes entre si, e muito distintas das que João Mário emprestava à equipa. Elementos como Gelson Martins, Iuri Medeiros ou mesmo o recém-chegado Marcelo Meli, poderão ter uma palavra a dizer se o número 17 abandonar Alvalade.

Foto: Record
Foto: Record

Jogador-Chave

Neste Sporting, é difícil encontrar um jogador verdadeiramente acima de todos os outros, em termos de importância. Existem 6 casos que estão acima do resto da equipa, e que dividem entre si as despesas de carregarem a equipa para bom porto. Desde logo, Rui Patrício, a passar pelo seu melhor momento na carreira. Depois, o trio de meio-campo que se sagrou campeão europeu em Julho último, formado por Adrien Silva, João Mário e William Carvalho. Bryan Ruiz, o autêntico perfume de todo o futebol leonino, foi um dos melhores jogadores do campeonato transacto, e terá enorme influência na manobra da equipa. Todos estes jogadores, a trabalharem para criar oportunidades a Islam Slimani, o verdadeiro matador da equipa. Foram 31 os golos apontados em 2015/2016, mas o argelino quer mais. Não só golos, mas também títulos. A sua evolução com Jesus foi absolutamente incrível, a todos os níveis, e será sem dúvida uma das chaves do sucesso para o Sporting alcançar a conquista do campeonato nacional.

Jovem Jogador a seguir

Com o final da época, Jorge Jesus analisou os jogadores que tinha, e decidiu manter na equipa principal três elementos que, a nível de talento, podem ser grandes surpresas em 2016/2017 (não incluimos Gelson Martins, pois já realizou uma primeira época na equipa principal bastante agradável, e terá agora a sua temporada de afirmação). Desde logo, o regresso de Iuri Medeiros à equipa é uma lufada de ar fresnco, por todo o talento que o jovem leonino contém dentro de si. Uma época soberba ao serviço do Moreirense foi suficiente para convencer Jesus a dar-lhe uma oportunidade, que está disposto a trabalhar Iuri para ser uma opção a ter em conta. Também Matheus, apesar de também ter estado inserido na equipa principal na época passada, terá agora que mostrar serviço para não perder o “comboio” para os mais directos adversários. Por fim, poderá ser uma época de aprendizagem e de potenciação do talento de Daniel Podence. Durante a pré-época, Jesus apostou firmemente no pequeno avançado, para ser a ligação entre o meio-campo e o ponta-de-lança, com resultados muito satisfatórios.  Com a sua velocidade e a sua criatividade, poderá causar muitos estragos na Liga NOS, em parceria com Slimani.

Expectativas

Depois de em 2015/2016 o título ter escapado por escassos pontos, num campeonato disputado até ao último jogo, será de esperar que o Sporting volte novamente a estar dentro da luta. Este ano existe a agravante de uma participação na fase de grupos da Liga dos Campeões, e veremos qual vai ser a abordagem de Jesus perante a prova milionária. Com a Liga Europa, ficou a ideia que o técnico leonino se preocupou mais com o campeonato, e menos com as competições europeias. Mas a Champions é a verdadeira montra do futebol europeu e mundial. Deverá usar também a Taça da Liga para promover a utilização de jogadores com menos minutos, e dar oportunidade a alguns jovens para que se mostrem, mas o foco principal de toda a equipa será conquistar um título nacional que foge há quase 15 anos de Alvalade. E Bruno de Carvalho não exigirá menos que isto à sua equipa técnica e aos seus jogadores.

350563_galeria_sporting_x_nice_pre_epoca_2016_17_jogos_amigaveis_-320v781f834ghm61xoazuy
Foto: Record


One comment

Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter