19 Ago, 2017

Ricardo Pires e Ricardo Estevens, “O pior que nos podem fazer? Não nos deixarem treinar!”

João BastosDezembro 8, 201613min2

Ricardo Pires e Ricardo Estevens, “O pior que nos podem fazer? Não nos deixarem treinar!”

João BastosDezembro 8, 201613min2

Quarta-Feira, véspera de feriado e ante-véspera do início do Campeonato Nacional de Juniores e Seniores de Piscina Curta. A 30 mil pés de altitude, o FairPlay foi com a equipa do Clube de Instrução e Recreio do Laranjeiro (CIRL) em direcção ao Funchal (local dos campeonatos nacionais) e esteve à conversa com os nadadores Ricardo Pires e Ricardo Estevens.

Ricardo Pires (RP) tem 18 anos, estuda no Externato Gil Eanes, na área de Economia.

Iniciou-se na prática da natação aos 3 anos por insistência dos pais e é federado há 10. Nada, sobretudo, no estilo Costas e foi sempre atleta do Clube Lisnave até este encerrar portas.

Foto: Ricardo Pires (Arquivo Pessoal)

Ricardo Estevens (RE), 17 anos, estudante da área de ciências na Escola Anselmo de Andrade, compete há 7 anos mas a natação faz parte da sua vida desde sempre, muito pela insistência da mãe.

O seu principal estilo é crawl. Iniciou-se em competições pela Academia Almadense, passou também pelo Lisnave, representando actualmente o Laranjeiro.

Foto: Ricardo Estevens (Arquivo Pessoal)

Ambos treinam na Piscina Municipal do Feijó (nos treinos bi-diários) e no Jamor (segundas, quartas e quintas-feiras) e são treinados pelo Professor Alexandre Serrasqueiro, coadjuvado pelos técnicos Rui França, André Sargento e Diogo Fernandes.

fpO que sentes quando entras ou estás dentro da Piscina?

RP. Gosto muito… sinto alegria. Ir treinar é das melhores partes do meu dia. Tenho objectivos, estou focado em dar o melhor. É também lá que tenho a minha segunda família!

RE. É o escape da escola (risos). É na piscina que me sinto bem, estou onde gosto de estar! O convívio nos treinos também ajuda a sentir-me assim.

fpMaiores dificuldades do vosso dia-a-dia?

RP. Bem, quando treino e esforço-me com afinco e acabo por não conseguir atingir os objectivos traçados. As lesões também me frustram.

RE. O mesmo sentimento que o Ricardo Pires. As lesões são algo que me preocupam, apesar de nunca ter sofrido uma grave.

fpPorquê a natação?

RP. Inicialmente foi para aprender a nadar. A minha irmã, que é atleta do CIRL, começou primeiro e os meus pais acabaram por também me pôr na natação. Depois vi que tinha jeito e decidi arriscar na competição. O Professor Rui França tem-me acompanhado desde o 1º dia!

RE. Uma questão de sobrevivência (risos). Depois de aprender, houve uma professora que me convidou para experimentar a parte mais séria da competição e acabei por gostar.

fpContem-nos como é o vosso dia-a-dia?

Ambos. Nos dias de bi-diários acordamos às 05:40 e entramos na piscina às 06:30, no qual treinamos até às 8. É sair rápido e ir para a escola onde ficamos até às 13:00 (no 11º era bem pior). Descansamos até às 18/19 para depois irmos para o ginásio do CIRL. Voltamos à piscina das 20:30 até às 22:30.

Pronto, e daí é para casa. Nas 2ª, 4ªs e 6ªs os treinos de tarde são em Lisboa, no Estádio do Jamor. As horas são mais “complicadas”, mas lá nos (nós e os outros 13 atletas) arranjamos.

Ricardo Pires | Foto: Facebook Lfnunes

fpSe pudessem pedir algo à vossa escola o que seria?

Ambos. Gostávamos que houvesse um equilíbrio de horários e trabalhos para nos ajudar a vingar no desporto de competição. Não queremos sair prejudicados quer na escola ou nos treinos e achamos que a carga (especialmente no 10º e 11º) é excessiva. Os praticantes de futebol têm uma flexibilidade maior para conseguirem chegar mais longe na carreira.

fpAtletas que mais gostam de seguir a nível nacional e internacional?

RP. Português? O Alexis [Santos] por causa do estilo de natação dele. Assim como o Ryan Murphy!

RE. Sempre gostei do Nuno Quintanilha. É um atleta humilde, trabalhador e que vai chegar mais além. Tem uma técnica excepcional na mariposa. Lá de fora… será que preciso de dizer? Michael Phelps.

fpQual é a pior coisa que vos podem fazer na piscina?

Ambos. Não nos deixarem treinar! Há dois anos, tínhamos um treino combinado para um feriado, já que tínhamos competição nacional importante para nós. Chegámos à piscina e… estava fechada. Tinham posto cloro a mais e não podíamos treinar.

Ricardo Estevens | Foto: CIRL

fpDisseram que a Lisnave foi o vosso primeiro clube… que aconteceu?

Ambos. O clube fechou portas em 2012, no final da temporada. Foi um sufoco porque tínhamos até meados de Setembro para arranjar um clube novo.

Era isso… ou ficar sem competir. A Associação de Pais dos antigos atletas da Lisnave decidiram pôr as mãos ao trabalho e depois de muito tentarem, conseguimos que um clube abrisse as portas: o CIRL, pela muito boa vontade do seu grande presidente, o Sr. Farinha.

Entrámos na 4ª divisão, da qual subimos para a 3ª em 2014. Depois em 2016 conseguimos a subida para a 2ª, algo inédito para este grupo de jovens. Foi fantástico!

Nesse final de época, o bebaagua (blog nacional sobre natação), projectava que íamos ficar em 14º na 3ª divisão, entre 24 equipas. Conseguimos o 4º, contra todas as previsões. Vamos para a 2ª divisão pela primeira vez, estamos com muita vontade de fazer algo diferente!

Equipa do Laranjeiro nos CNC 3ª Divisão 2015 | Foto: Facebook Lfnunes

fpObjectivos em 2017?

RP. Conseguir uma medalha a nível nacional. Quero atingir esse patamar pela primeira vez… tenho ficado sempre em 4º, preciso de atingir o nível acima.

RE. Participar no Campeonato Nacional a nível individual e fazer bons tempos.

fpQual é o estilo que menos gostam?

Ambos. Sem dúvida alguma, bruços! Não conseguimos obter uma coordenação boa, ficamos algo desequilibrados…é terrível. Mas se nos pedirem para nadarmos nesse estilo, claro que o faremos!

fpSonhos que gostavam de atingir?

RP. Tóquio 2020! Conquistar medalhas e dar alegrias ao CIRL!

RE. Queria chegar ao topo, à selecção e ir a uns Jogos. Tudo é possível quando trabalhamos para isso!

fpEm algum momento se sentem cansados de fazer natação?

RP. Nunca. É verdade que o dia-a-dia nos esgota e sentimo-nos cansados, mas é lá, nos treinos e na competição que posso soltar a pressão.

RE. Nunca pensei dessa forma. Adoro a natação e é como se fosse parte do meu corpo. Nunca me senti cansado.

fpHá Fairplay na natação?

Ambos. Claro que sim! Reparem que estes adversários que temos, muitos são da nossa geração, crescemos e lutámos juntos. Há competição, sim, mas leal, conversamos uns com os outros há um grande sentido de empatia e amizade.

fpSe pudessem pedir algo à Federação Portuguesa de Natação, o que seria?

RP. Mais apoios, melhores horários e outro acompanhamento (que não deixa de ser bom, atenção!).

RE. Gostava que tivéssemos uma piscina mais “nossa”, mas havemos de lá chegar. O clube já tem mais de 50 atletas dos 8 aos 30 e vamos continuar a crescer.

fpExemplos para vocês no Mundo da Natação?

Ambos. Os mais “velhos” do CIRL. Desde o Fernando Rosado, que foi vice-campeão de infantis, o Bruno Meireles, Bruno Franco, que trabalha no IPO e marca sempre presença nos treinos. O Daniel Cazeiro, Cristina Ulpiano, Carolina Pires, Rui Horta, todos eles primam pelo excelente exemplo diariamente. Obrigado!

 

Ricardo Pires e Ricardo Estevens | Foto: Arquivo Pessoal

fpUm episódio da vossa vida como nadadores?

RP. A subida de divisão… lembro-me desse dia, ninguém esperava pelo nosso brilharete. Fizemos os nossos melhores tempos pessoais, superámo-nos e atingimos um nível que ninguém pensava ser possível, para além dos nossos treinadores. Lembro-me da festa intensa, de chorarmos, etc (risos).

RE. Infelizmente não estive nesse dia da subida, mas lembro-me de o acompanhar.  Porém, o meu melhor momento foi quando participei pela 1ª vez numa competição como atleta do Lisnave. Intenso, era uma “criança” comparado com alguns que estavam dentro da piscina comigo. Mas “sobrevivi” à pressão, aprendi muito apesar de termos descido de divisão nesse dia.

fpQuão a sério levam isto?

RP. Muito a sério, determinação total. Temos de ter nervos de “aço” para aguentar o cansaço, as dores, os treinos e tudo o que passa por nós. Não bebo, por opção. Tenho vida, claro, sem nunca prejudicar os treinos e a competição. Para mim a natação é uma parte de mim.

RE. É muito raro sair à noite ou jantar com amigos. Gosto muito, atenção, só que não posso falhar comigo ou com a equipa. Estão em primeiro lugar no meu dia-a-dia.

fp.  Deixem-nos uma mensagem para os adeptos da natação e para a Associação de pais do CIRL?

RP. Sigam a natação, é o melhor desporto de todos (risos). Esperem um campeonato intenso, recheado de emoção e com uma competição total. A piscina vai estar cheia e será endurecedor, venham à festa dos Campeonatos Nacionais! Obrigado à Associação de Pais por nos terem metido aqui, sem eles não havia clube, competição e 2ª divisão. Obrigado.

RE. Por tudo o que fizeram e fazem por nós, um grande obrigado. Para nós, enche-nos da alegria o vosso carinho e acompanhamento. Para quem gosta de modalidades, esta competição é perfeita para virem ver e acompanharem-na! Venham!

Ricardo Pires e Ricardo Estevens competirão nos Campeonatos Nacionais de Juniores e Seniores de Piscina Curta entre em 9 e 11 de Dezembro. Acompanhe os resultados em directo do Funchal e as provas dos nadadores do CIRL.

Ricardo Pires será o primeiro a entrar em acção, 6ª feira pelas 10:00 horas nos 200 metros costas. Ricardo Estevens nadará a estafeta júnior de 4×100 estilos no final da mesma sessão (pelas 12 horas).

No sábado, Ricardo Pires nada às 9:45 a prova de 50 metros costas e Ricardo Estevens às 11:10 na estafeta júnior dos 4×200 livres.

Na última jornada, Ricardo Pires nada a prova dos 100 metros costas, agendada para as 9:55. Nas três jornadas pode ainda nadar à tarde, caso consiga o acesso às respectivas finais.

Fonte: FPN

* Entrevista conduzida por Francisco Isaac


2 comments

  • Ricardo Nogueira Mendes

    Dezembro 8, 2016 at 2:34 pm

    É tal e qual isto que nos move como pais e dirigentes destes atletas… Obrigado ao João Bastos pela grande entrevista…
    Na próxima vez que tiver de me levantar
    às 5h45 para os levar ao treino não vai custar tanto…

    Reply

    • João Bastos

      Dezembro 8, 2016 at 2:51 pm

      Muito obrigado!
      Os créditos vão para o Francisco Isaac, o nosso editor do Rugby que teve a oportunidade de viajar com os Ricardos para a Madeira.
      No FairPlay entendemos que, para além de discutir o desporto, podemos ter um papel importante em valorizar o trabalho que os atletas, clubes, pais e treinadores desenvolvem por esse país com uma vontade e um espírito de sacrifício muitas vezes inversamente proporcional às condições e aos recursos que dispõem.
      Mais uma vez, muito obrigado pelas suas palavras e muita coragem nessas horas madrugadoras eheh
      Um abraço

      Reply

Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter