21 Out, 2017

Ken Doherty. “O Ronaldo foi das melhores visões que já tive no desporto”

Xavier OliveiraAgosto 13, 201718min0

Ken Doherty. “O Ronaldo foi das melhores visões que já tive no desporto”

Xavier OliveiraAgosto 13, 201718min0
Ken Doherty, 47 anos, jogador profissional de snooker. Campeão mundial em 1997, surpreendeu tudo e todos ao bater Stephen Hendry na final, no Crucible Theatre. É um fã assumido do Manchester United e deu uma entrevista em exclusivo ao Fair Play onde fala sobre o passado e o presente do snooker, entre outros temas.

Para saberem mais sobre Ken Doherty e acompanhar todas as novidades sigam-no no Twitter

O Ken é um jogador profissional desde 1990. Nota algumas diferenças desde então até agora na maneira como o snooker é jogado?

KD: Não vejo qualquer diferença no jogo ao nível dos melhores do mundo. Penso que a principal diferença está nos jogadores abaixo do top 32, o nível standard do snooker como existia antes cresceu muito. Há muito mais torneios e com isso aparecem muito mais entradas acima de cem pontos.

Como jogador, joguei frente aos melhores de sempre, como Steve Davis (ele ainda joga bom snooker), Jimmy White e Stephen Hendry, claro. Nos anos 90 apareceram os jovens dourados como os casos de John Higgins, Ronnie O’Sullivan e Mark Williams, que como se sabe ainda jogam a um excelente nível.

O snooker está agora um nível acima, não só no top 16, mas também nos jogadores mais abaixo do ranking, o que é uma grande diferença relativamente ao passado. Nessa altura olhava-se para os quadros dos torneios e pensava-se logo nas rondas seguintes, não nas primeiras. Mas agora temos de pensar desde o nosso primeiro encontro porque todos os jogos são difíceis.

Quão incrível foi vencer o Stephen Hendry naquela mítica final do Campeonato do Mundo em 1997? A sua vitória naquela altura foi uma grande surpresa?

KD: Acho que a minha vitória foi uma grande surpresa, porque o Stephen Hendry vinha de seis títulos de campeão do mundo consecutivamente. Eu era um outsider e não estava a jogar propriamente bem nessa altura. Defrontei o Mark Davis na primeira ronda, e pensei, ele é a minha final basicamente, se conseguir ganhar a primeira ronda, consigo assegurar a presença no top 16. Quando venci esse encontro e assegurei o lugar no top 16, pensei ‘vamos ver o que vai acontecer agora’, essa foi mesmo a minha abordagem ao Campeonato do Mundo de 1997.

Nas rondas seguintes venci o Steve Davis, o John Higgins, o Alain Robidoux e claro o Stephen, na final. Senti um grande crescimento da minha confiança nesse torneio, mas o mais engraçado é que estava mais preocupado com o confronto frente ao Mark Davis na primeira ronda, do que estava quando fui jogar com o Stephen Hendry na final, e isto pode parecer estanho mas é a verdade.

Venci quatro encontros antes da final, sentia-me confiante, já tinha vencido o Stephen Hendry noutras ocasiões, não em finais, portanto é estranho mas estava realmente mais preocupado com a minha primeira ronda do que com a final.

Ken Doherty em ação (Fonte: World Snooker)

Esteve presente na meia-final do Riga Masters e qualificou-se para os próximos majors, portanto podemos assumir que tem sido uma grande temporada até agora? Recebeu algum tipo de poder mágico com aquele wild card de 2 anos no Crucible Theatre?

KD: Se fosse verdade que esse ‘wild card’ tivesse trazido algum tipo de poder com ele, gostava de já o ter recebido há alguns anos. Penso que ao receber este ‘wild card’ que tem a duração de dois anos, consegui encontrar o foco e a atitude que preciso para mais estes dois anos enquanto profissional. Prometo que vou trabalhar muito e dar cem por cento pelo jogo. Depois, se já não sentir forças, irei então dizer ‘muito bem, eu desisto’.

Neste momento está tudo a correr bem, mas ainda é cedo para retirar grandes conclusões. Estar na meia-final em Riga foi excelente, e trouxe-me boas memórias daquela final do Campeonato do Mundo de 1997. Como já disse, estou a dar tudo ao snooker, consegui vencer todos os jogos das qualificações até agora, no entanto a temporada ainda agora começou e não quero perder o controlo. A minha confiança está alta, e o nível de jogo está onde sempre quis!

O próximo torneio que irá jogar é o China Championship, quais são as suas expetativas? Veremos um Ken Doherty muito forte frente ao “The Magician” Shaun Murphy na primeira ronda?

KD: Não vou fazer nenhum esforço em especial frente ao Shaun Murphy na primeira ronda. Já o defrontei em outras ocasiões antes, ele é uma pessoa estável, ex-campeão do mundo, um dos melhores jogadores do mundo e um dos melhores com o taco em acção. A minha abordagem para esse encontro será como se fosse jogar uma final, só pretendo jogar ao meu melhor nível, dar tudo o que tenho, lutar como um tigre e ver o que acontece. Se perder, irei pensar ‘okay, ele é um jogador melhor’ , mas se ganhar será algo muito especial para mim. Será com certeza um encontro difícil, mas vou jogá-lo como se fosse realmente uma final.

Ken Doherty na mesa (Fonte: World Snooker)

O Ken é um dos três jogadores irlandeses profissionais de snooker. As pessoas reconhecem-no facilmente no seu país? Existe uma grande paixão pelo snooker na Irlanda?

KD: Em 1997 eles reconheciam-me, mas agora vinte anos depois, não tenho a certeza que isso seja assim. Ranelagh, na Irlanda, é uma pequena localidade e sinto-me um sortudo por viver lá. A Irlanda é um lindo país, as pessoas são fantásticas, elas não me deixam sentir o melhor do mundo, mas se for abaixo elas colocam-me novamente de volta com os pés na Terra.

Ao mesmo tempo que isso acontece, elas vêm ter comigo e dizem ‘Lembro-me onde estava quando o vi sagrar-se campeão do mundo’ ou ‘Lembro-me onde estava quando o vi falhar a bola preta para fazer uma entrada de 147 pontos na final’, e na verdade nunca sei muito bem o que dizer quando elas me abordam a falar sobre isso. Há muitas pessoas que ainda se lembram desse Campeonato do Mundo, não tanto os mais novos mas sim as pessoas mais velhas.

É um grande fã do Manchester United, e do José Mourinho e Cristiano Ronaldo também, espero. Pensa que seria importante para os clubes, não só em Inglaterra mas em geral, associarem-se ao snooker? Quão importante seria criar um género de Liga dos Campeões do snooker?

KD: Penso que isso seria uma excelente ideia, eles têm neste momento um género de Championship League como no passado.

Eu amo o Manchester United, vi o Cristiano Ronaldo correr o flanco do estádio Old Trafford de cima abaixo, e ele é uma das melhores visões que já vi em qualquer desporto e quando o vi jogar no United foi incrível. Espero que ele volte ao Manchester United depois de deixar o Real Madrid, penso que isso seja possível, mas não sei o que irá acontecer. Acho que ele é um grande embaixador de Portugal, e o facto de Portugal se ter sagrado campeão europeu foi excelente para ele e para o vosso país.

Sobre a criação da Liga dos Campeões, gostaria de ver algo desse género, não só em Inglaterra mas por toda a Europa, a ser jogada em diferentes cidades do continente, isso seria realmente algo muito especial.

Ken Doherty analisando o jogo (Fonte: World Snooker)

Falando um pouco do Manchester United, eles venceram a Liga Europa a época passada e irão jogar a SuperTaça Europeia dentro de alguns minutos. Quais são as suas expetativas para esta temporada no que toca ao Manchester United?

KD: Acho que o Mourinho não fez um trabalho brilhante na temporada passada, ele não fez um bom trabalho na liga inglesa, no entanto ter ganho a Liga Europa e com isso ter oportunidade de jogar a Liga dos Campeões esta temporada será fantástico. Ele fez grandes contratações para o plantel, tais como o Matic, Pogba a época passada, Lukaku e Lindelof. Eles não são tão bons jogadores como ter o Ronaldo numa ala e o Bale na outra, mas penso que isso será o suficiente para lutarmos pelo título.

Não esteve presente no Lisbon Open 2014, aqui em Portugal. Que opiniões ouviu sobre esse torneio e o que pensa sobre a possibilidade real de haver um major no próximo ano em Portugal?

KD: Penso que isso é uma notícia fantástica, Lisboa é uma cidade linda e estou triste por não ter estado presente essa última vez lá, mas desejo sinceramente que eles tragam de volta o snooker a Lisboa. É muito bom espalhar este desporto por todo lado, o snooker é uma modalidade jogada em todo mundo, por isso quanto mais países jogarem snooker, melhor será para a modalidade e a sua própria popularidade.

Desejo mesmo que o snooker esteja de regresso a Portugal, porque de todas as vezes que estive em Lisboa foi sempre muito bom. É uma cidade espectacular, um lugar muito histórico e cultural. Espero sinceramente que a World Snooker consiga um bom acordo com as entidades locais e traga de volta o snooker a Portugal.

Fair Play agradece ao Ken Doherty, pela disponibilidade e simpatia demonstrada em todo o processo da entrevista. Desejando as maiores felicidades e o maior sucesso a este grande profissional. Um agradecimento especial ao Vasco Simões, que em representação do Eurosport Portugal, tornou possível esta entrevista.

Ken Doherty no Estádio Old Trafford (Fonte: Twitter Ken Doherty)

ENGLISH VERSION | VERSÃO INGLESA

To keep update with everything about Ken Doherty follow him on Twitter

Ken Doherty, 47 years, professional snooker player. World Champion in 1997, surprised everyone beating Stephen Hendry in the final, at Crucible Theatre. He is a Manchester United fan and gave an exclusive interview to Fair Play, where talks about the past and the present of snooker, among other things.

You are a professional snooker player since 1990. Did you notice some differences between then and now in the way snooker is played?

KD: I don’t see any difference at the top of the game. I think the main difference it’s down to the top 32, the standard snooker as we knew increased. There’s a lot more tournaments, a lot more century breaks. As a player, I played against the best ever, like Steve Davis (he is still playing snooker), Jimmy White and Stephen Hendry, of course.

Then appeared the young golds in the 90’s like John Higgins, Ronnie O’Sullivan and Mark Williams who, as you know, are still around. The snooker is now a level up, not only in the top 16, but in the bottom rankings and that’s a big difference.

In the past you look at the draw and you thought about the next rounds, not the first ones. But now you have to think since your first match because every match is tough match.

How incredible for you was winning Stephen Hendry in that mythic final of the World Championship in 1997? Was your victory a big surprise in that time?

KD: I think my victory was a big surprise, because Stephen Hendry was coming from Six World Championship titles in a row. And I was an outsider as I wasn’t playing very good by that time. I had Mark Davis in the first round, and I was thinking, he was my final basically, if I can win the first round, it can guarantee me the presence in the top-16. When I won that match and I ensure my top-16 spot, I thought ‘let’s see what’s going to happen now’, that was really my approach to the 1997 World Championship.

In the next rounds I beat Steve Davis, John Higgins, Alain Robidoux and of course Stephen, in the final. I saw a grow up of confidence in that tournament, but the funniest thing is that I was more afraid to play against Mark Davis in the first round than I was to play against Stephen Hendry in the final, and it can sound strange to hear it but it’s truth.

I won four matches before that final, I was feeling confident, I beat Stephen Hendry in other matches before it, not in finals, so it’s strange but I really was more afraid about my first round than about final.

Ken Doherty in action (Source: World Snooker)

You were present in the Riga Masters semi-final and you qualified for the next majors, so can we assume that it has been a big season until now? Was the 2-year card tour a kind of magic power you received that day in the Crucible Theatre?

KD: I wish it was a kind of power with it and if it was truth, I wish received it some years ago. I think to get the wild card for two years, I found the focus and the attitude that I need for this two more years as professional, I’m going to work a lot harder and give one hundred percent to the game and after these two years or then if I don’t feel it, I will say ‘very well, I give up’.

At the moment it’s all being okay, but it’s still the early days. To be in semi-final in Riga was great, it brought me good memories of the World Championship final. I’m giving everything to the game, I won every qualifying games until now, It’s early in the season and I don’t want to get carried away, my confidence is up, my game is now where I wanted to be!

The next tournament you will play is China Championship, what are your expectations for it?  Will we see a big Ken Doherty against “The Magician” Shaun Murphy in the first round?

KD: I’m not looking any effort against Shaun in the first round. I played other times against Shaun Murphy before, he is well established, a world champion, one of the best players in the world and one of the best with the cue in action. My approach for that match it would be like a final, I just want to play my best and perform well, giving one hundred percent, fighting like a tiger and see what happens. If I lose, I will think ‘okay, he is a better player’ and if I win it will be very special for me. It will be a very tough match, but I’m going to play like it was a final.

Ken Doherty on the table (Source: World Snooker)

You are one of the three actual Irish professional snooker players. Do people recognize you easily in your country? Is there a big passion of snooker in Ireland?

KD: In 1997 they did, but now 20 years later I’m not so sure about it. Ranelagh, in Ireland, is a very small place and I’m very lucky to live there. Ireland is a beautiful country, people are fantastic, they don’t let you feel very big, and if you go down that path they will put you back on earth.

But at the same time, they come to me and say ‘I remember what I was when I saw you being World Champion’ or ‘I remember where I was when you missed the black pot for the 147 break in the final’ and I never know what to say when they come to me talking about it. A lot of people mind it, not so much the kids but the older ones yes.

You are a big fan of Manchester United, and of Jose Mourinho and Cristiano Ronaldo too, I hope. So do you think it would be important that the clubs, not only in England but in general, associate to snooker? How important would it be to create a kind of snooker Champions League?

KD: I think it’s a good idea, they have a kind of Championship League now like in the past.

I love Manchester United, I saw Ronaldo run up and down the wing in Old Trafford, and he was one of the greatest sights I had ever seen in any sport and when I saw him playing in United was incredible. I hope he comes back to Manchester United after he leaves Real Madrid, I think it’s possible, but I don’t know what’s going to happen. I think he is a big ambassador for Portugal too, and Portugal being European Champion was great for him and for your country.

About Champions League I would like to see some kind of it, just not in England but around Europe, playing in different cities of the continent, it would be very special.

Ken Doherty analyzing the game (Source: World Snooker)

Speaking of Manchester United, they won the Europa League last season and they will play European Super Cup in minutes. What are your expectations for this season concerning Manchester United?

KD: I think Mourinho wasn’t top brilliant last season, he wasn’t good in the league but won Europa League and to be able to play on Champions League this season is going to be fantastic. He made great additions to the squad, like Matic, Pogba last year, Lukaku and Lindelof. They are not so good as having Ronaldo in a wing and Bale in the other but I think it will be enough to challenge the league.

You weren’t present in Lisbon Open 2014, here in Portugal. What opinions did you hear about that tournament and what do you think about the possibility of having a major next year in Portugal?

KD: I think it’s fantastic, it’s a beautiful city and I’m sorry I missed last time there but definitely I hope they will come back to Lisbon. I think it’s great to spread this sport, snooker is a world game, so the more countries play snooker, it will be better for the sport in that country and the popularity of it.

I really hope it comes a reality that snooker will come back to Portugal. Every time I was in Lisbon was always very good. It’s a great city, very historic and cultural place. I hope that World Snooker can get a good deal with them and bring back snooker to Portugal.

Fair Play thanks Ken Doherty, for the availability and sympathy shown throughout the interview process. Wishing all the best and greatest success to this big professional. A special thanks to Vasco Simões, who represented Eurosport Portugal and made this interview possible.

Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter