24 Nov, 2017

Maurício Copertino. “A 2ª divisão da China é um campeonato que está se qualificando muito a cada ano”

Romário IvoFevereiro 15, 201711min0

Maurício Copertino. “A 2ª divisão da China é um campeonato que está se qualificando muito a cada ano”

Romário IvoFevereiro 15, 201711min0

A segunda divisão do campeonato chinês tem evoluído consideravelmente nos últimos anos, assim como a Super Liga, e a evolução foi algo determinante para a ida de Maurício Copertino, ex-jogador que inicia a carreira como treinador, após 8 temporadas como auxiliar, para a China. Depois de em 2016 se apresentar ao serviço do Tianjin Quanjian FC juntamente com Vanderlei Luxemburgo, o técnico brasileiro assumiu o projecto do Zhejiang Yiteng FC, clube que busca o retorno à elite do futebol chinês. Leia a entrevista exclusiva do Fair Play a Maurício Copertino.

Perfil


Nome: Maurício de Almeida Copertino
Idade: 45
Nacionalidade: Brasileira
Naturalidade: Santos (São Paulo)
Histórico profissional (principais clubes):  Internacional-RS (2007), Atlético Mineiro (2008), Bahia (2009), Al Ain (2010), Seleção Brasileira Sub-20 (2013-2015), Tianjin Quanjian (2016), Zhejiang Yiteng FC (2017 até ao presente)


fpO que você espera desse seu retorno ao futebol chinês?

MC. Realizar uma grande temporada dentro e fora de campo, quero retribuir a confiança na qual o presidente Cui Yi e o clube Yiteng FC estão depositando no meu trabalho!

fpComo surgiu a oportunidade para poder desenvolver o seu trabalho na China?

MC. Em 2014 eu estava trabalhando na CBF e fomos convidados para um torneio na China chamado “Panda Cup” com a seleção Brasileira sub-20, Croácia, China e Nova Zelândia (que seria a sede da competição mundial da categoria sub-20 em 2015). Eu vim como treinador neste torneio pois o técnico Alexandre Gallo, com quem eu trabalhava nesta época, estava como auxiliar técnico do Felipão na Copa do Mundo no Brasil e me falou. Acabamos por fazer um ótimo torneio e fomos campeões. Depois desse acontecimento recebi alguns convites para vir trabalhar na China, ano passado fui procurado pelo Sr Sun Wang e Sra Janny Wang (que são meus empresários aqui na China) para eu ser auxiliar-técnico do Vanderlei Luxemburgo no Tianjin, na qual aceitei, e este ano houve um novo interesse de outro clube chinês, na qual fiquei satisfeito com a proposta e estou aqui realizando meu 1º trabalho como treinador profissional.

fpComo você avalia sua experiência no ano passado com o Tianjin Quanjian?

MC. Para mim foi uma experiência fantástica no Tianjin Quanjian, aprendi muito com o convívio com o professor Vanderlei Luxemburgo, que me passou muitas informações e ensinamentos que irei levar para o restante da minha carreira como técnico!

Mauricio Copertino ao lado de Vanderlei Luxemburgo. (Foto: mauríciocopertino.com.br)

fp: Como é a segunda divisão da China?

MC. A 2ª divisão da China é um campeonato que está se qualificando muito a cada ano com as contratações de grandes jogadores estrangeiros tornando-se muito disputado, e esse ano não será diferente, teremos bons adversários e na minha equipe tem alguns atletas que disputaram a Superliga, pois o Yiteng FC subiu no ano de 2013 para 1ª divisão e disputou por um ano a Superliga. Tenho bons jogadores chineses no meu plantel, além dos 3 estrangeiros.

fpO que você espera na sua primeira experiência como técnico?

MC. Espero conseguir colocar na prática tudo que aprendi nestes quase 30 anos no futebol, 20 anos como atleta e 8 anos que trabalhei como auxiliar-técnico dos profissionais (Nenê Belarmino, Alexandre Gallo e Vanderlei Luxemburgo), respectivamente ter passado por grandes clubes brasileiros e também ter ficado por 25 meses na CBF (base), junto com toda minha formação acadêmica de treinador que acabei de finalizar em 2016 na CBF (Licença PRO). Acho que isso me credencia para assumir o cargo que estou exercendo hoje.

fp: Como está sendo a sua adaptação ao futebol e vida na China?

MC. O clube tem me dado todo suporte necessário, estamos fazendo uma pré-temporada muito boa e todos estão ajudando muito no processo de entendimento do nosso trabalho. A adaptação tem sido tranquila, gosto muito da China e gostaria muito que o Brasil seguisse o mesmo caminho de desenvolvimento do país. Seria perfeito para nossa população!

Maurício Copertino em passagem pelo Henan Jianye em 2013. (Foto: Arquivo pessoal)

fpVocê em 2004 quando atuou pelo Henan Jianye projetava ou pelo menos pensou naquele momento que o futebol chinês teria essa evolução enorme dos dias atuais?

MC. Como jogador tive uma temporada maravilhosa na China atuando pelo Henan Jianye 03/04 na qual nos tornamos vice-campeões e tenho grandes amigos chineses desta época. Foi uma surpresa incrível para mim, não imaginava a China em todos os aspectos assim, na mudança do país para melhor em tão pouco tempo e no investimento forte e crescimento do futebol no país.

fpE outras experiência que você teve foi no mundo árabe como jogador e treinador, existe semelhança entre a China com o futebol do Oriente Médio?

MC. Dois lugares que tem suas particularidades, religião e costumes diferentes…a única semelhança e o amor que a população tem pelo futebol e por nós brasileiros que somos respeitados no mundo inteiro ainda…depois de ter vivido em 4 países (Arábia Saudita, Grécia, Emirados Árabes e China), na minha opinião, nosso país só é respeitado no mundo ainda pelo futebol e música onde temos uma história espetacular!

fpComo que você avalia sua passagem no Tianjin Quanjian? E existe manipulação de resultados no futebol chinês?

MC. Foi uma experiência única, na qual tirei muitas lições para o amadurecimento da minha carreira como treinador. Tivemos uma sequência de resultados que não foram bons e acabamos sendo demitidos. Eu nunca presenciei isso aqui na China.

fpComo é a estrutura do Zhejiang Yiteng FC?  

MC. Temos um estádio novo com capacidade para 30.000 mil pessoas (parecido com o do Atlético PR no Brasil, inclusive com o teto retrátil) e um centro de treinamento com uma academia (que ajudamos a equipar) e um campo com gramado novo, que pedi para o clube fazer, pois gosto que minha equipe tenha essa condição de treinar em um campo muito bom.

fp: Como é a cidade de Zhejiang, tem praticado o mandarim? O quanto facilita a presença de estrangeiros como os brasileiros Guto, Tinga e o holandês Romeo Castelen que chegarão em 2017 ao clube? 

MC. A cidade que irei morar chama-se Shaoxing, fui uma única vez na cidade e bem rápido. Estou aprendendo o mandarim, sim. Os estrangeiros fazem a diferença aqui na China, espero que eles possam construir sua história no clube, são bons jogadores e juntos com o Romeo e Hughes espero que façam uma grande temporada!

Com Sven-Göran Eriksson, treinador do Shenzhen FC, futuro adversário do Zhejiang Yiteng no campeonato. (Foto: Twitter @m_copertino)

fpO Zhejiang Yiteng FC entra com qual objetivo e perspectiva na Copa da China? Para vocês é um torneio de importância? 

MC. Sim, nos dois torneios, a Copa da China e a China League One, nós entraremos com intuito de fazer o nosso melhor dentro das condições do time!

fp: Qual a sua opinião sobre os extraordinários e astronômicos salários dos jogadores dos clubes da Superliga chinesa?

MC. Itália, Espanha, Alemanha, Inglaterra e outros países europeus fazem isso também há décadas com os jogadores sul-americanos e africanos além dos atletas da própria união européia. Paga quem pode e vende quem tem juízo, bom para o publico chinês que vai ver grandes craques no seu campeonato e bom para os atletas que iram ter seu futuro e de toda sua família garantidos. Afinal a carreira do atleta é muito curta, acho justo.

fp: Qual foi a situação mais inusitada que você viveu no futebol chinês?

MC. O futebol traz histórias hilárias, uma delas aconteceu comigo na semana retrasada aqui na minha pré temporada que estávamos realizando na cidade de Kunming. Pedi pra um jogador “sair” da linha de impedimento e voltei minhas atenções para o treinamento novamente, mas quando me dei por conta o jogador estava desamarrando as chuteiras sentado ao lado do campo (risos), ele achou que eu estava brigando com ele e achou que eu pedia para ele “sair” do treinamento. Fato superado (risos), e o mesmo retornou ao treinamento.

fpComo que você o trabalho do Marcello Lippi a frente da seleção chinesa, em que patamar você acha que ele pode chegar com a China? 

MC. Não conseguir ainda acompanhar o trabalho do Lippi a frente na seleção Chinesa, mas é um profissional muito gabaritado para realizar um grande trabalho. A China está evoluindo muito no futebol e o trabalho e experiência do Marcello Lippi irá com certeza trazer grandes resultados. Na minha opinião, a China indo para uma copa do mundo no futuro (próximas eliminatórias), conseguirá passar a primeira fase e isso será uma grande conquista para o futebol chinês!!

fpQuais são os planos para o futuro? Pensa em desenvolver o seu trabalho um dia no futebol brasileiro e já houve propostas? 

MC. Me preparei muito para ser treinador de futebol, vivo muito meu presente e quero ser o melhor e evoluir na minha profissão sempre. Hoje estou na China iniciando minha carreira como técnico e pretendo evoluir aqui dentro deste mercado. Esse é meu principal objetivo. Não houve nenhuma proposta de clubes profissionais do Brasil.

fpTem alguma mensagem final para nossos leitores do Fair Play? 

MC. Tem uma frase que gosto e acredito muito “falaram para a gente que não era possível, se começar foi fácil, difícil vai ser parar”, dado minha mensagem, acredite nos teus sonhos e trabalhe muito.

Foto: Twitter @m_copertino


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS




Newsletter


Categorias


newsletter