17 Ago, 2017

Arquivo de Futebol - Fair Play

aa-4.jpg?fit=1200%2C675
Tomás da CunhaAgosto 16, 201718min0

Não é um dado adquirido que todas estas equipas terminem na segunda metade da tabela (a Fiorentina, por exemplo, ganhou vida nos últimos dias), mas é garantido que muitas delas vão lutar pela manutenção. Na diversidade que a Serie A possui, há espaço para surpresas e autênticos milagres por parte de equipas com poucos argumentos. 

Fiorentina

O mercado não foi fácil em Florença, e a certa altura chegou a pensar-se que a época se preparava para ser um descalabro. Borja Valero, Vecino e Bernardeschi estavam de saída e Kalinic forçava a transferência, deixando o projecto da Fiore a abanar por todos os lados. As contratações sucediam-se, mas a maioria apresentava qualidade duvidosa. Entretanto, os dirigentes do clube ganharam consciência e decidiram dar algum ânimo aos adeptos viola. Benassi, um dos jovens médios com mais potencial do calcio, foi adquirido ao Torino, e Jordan Veretout, que errou ao transferir-se para o Aston Villa, chegou para colmatar a saída de Vecino. Dois reforços que deverão ter lugar garantido no onze base de Stefano Pioli, ficando a outra vaga em aberto. Cristóforo, Badelj e Sánchez são mais disponíveis para tarefas defensivas, mas Matias Fernández e Riccardo Saponara poderão dar um toque de criatividade. Mais à frente, o português Gil Dias foi o escolhido para assumir funções semelhantes às de Bernardeschi, partindo do flanco direito para zonas interiores. Uma decisão de carreira bastante interessante por parte do esquerdino, ainda que a titularidade não esteja garantida. Eysseric, contratado ao Nice, e Federico Chiesa (enorme expectativa para perceber a evolução do italiano) são outras opções de grande nível para os corredores, além do explosivo Rebic e dos irreverentes Zekhnini e Hagi. O eixo do ataque é que não tem tanta abundância, faltando claramente um substituto à altura de Kalinic. Se quiser lutar pelos lugares europeus, a Fiorentina terá de encontrar um goleador até final do mercado e, se possível, aumentar a qualidade do sector mais recuado, onde o português Bruno Gaspar figurará.

Gil Dias escolheu a Fiorentina para evoluir
[Foto: Facebook de Gil Dias]

Bolonha

O desafio de um clube como o Bolonha passa por manter a motivação até final, já que, depois de conseguida a manutenção, não há qualquer objectivo pelo qual lutar. Começou mal a temporada, com a eliminação da Coppa Italia na recepção ao Citadella, mas a equipa de Donadoni tem condições para realizar um campeonato tranquilo, embora não deva haver potencial para mais do que isso. Apesar de a última época não ter sido famosa, o plantel rossoblu – que é uma verdadeira sociedade das nações, contando com 15 nacionalidades diferentes – tem boas armas, sobretudo do meio campo para a frente. As opções para o sector intermédio já davam garantias, e a chegada de Andrea Poli, o reforço mais sonante, acrescenta valor e experiência a essa zona do campo. Mais jovem mas não menos talentoso, o húngaro Ádám Nagy deverá assumir um papel muito relevante na manobra do Bolonha, podendo dar o salto para um emblema com outras ambições. Tem muito futebol no corpo. Pulgar, Verdi, Taider e Crisetig, outro médio com bastante qualidade, também entrarão na rotação, dando dores de cabeça positivas a Donadoni. No ataque, Destro deverá manter-se como a principal referência no eixo, bem acompanhado pelo esquerdino Krejci (para seguir com atenção) e pelos jovens Petkovic e Di Francesco.

Sassuolo

Será um ano de mudança para os neroverdi. Depois da saída de Eusebio di Francesco, sobrou um vazio no clube, pois foi o técnico que fez a equipa subir a pulso nos últimos anos, tendo jogado a Liga Europa na passada temporada. Para Roma, o técnico levou consigo dois dos principais jogadores do plantel: Lorenzo Pellegrini e Grégoire Defrel, baixas de vulto e que deixam uma sensação de que este pode ser um ano zero para a equipa. É certo que a estrela do conjunto, Domenico Berardi, se vai mantendo (estranhamente, dada a qualidade) no clube, para bem da equipa, mas é certo que esta temporada não teremos um plantel tão forte. O Sassuolo apostou em jogadores jovens para esta temporada, com destaque para a contratação do médio centro Francesco Cassata à Juventus e a manutenção em definitivo de Federico Ricci, dois jovens craques que podem a vir dar muito que falar. De resto, ainda no que toca a reforços, destaque para a contratação do central Goldaniga ao despromovido Palermo e para o regresso do ponta de lança Diego Falcinelli, que, depois de um empréstimo produtivo ao Crotone, pode ocupar a vaga deixada por Defrel. O técnico Cristian Bucchi, que terá o desafio de manter o clube estável, deverá construir a equipa em torno de jogadores como Consigli, Francesco Acerbi, Alfred Duncan, Matteo Politano e a estrela Berardi, que, neste ano de transição, poderá ter ainda maiores responsabilidades. Um lugar a meio da tabela parece o destino mais provável para os neroverdi.

Génova

As últimas épocas não têm sido fáceis para o conjunto rossoblu. A equipa tem potencial para fazer mais do que tem feito nas últimas temporadas, sendo obrigatório garantir a manutenção com maior margem – no último ano, o emblema que joga no Luigi Ferraris ficou no 16º posto, com apenas 4 pontos de vantagem para os lugares de despromoção. O mercado de Verão trouxe algumas mexidas importantes no plantel, com a chegada de Lapadula e os regressos de Bertolacci (figura importante no passado) e de Ricardo Centurión, polémico mas talentoso argentino. Ivan Juric conta com um elenco bem apetrechado, diga-se, contribuindo para isso a manutenção em definitivo de Oscar Hiljemark e a entrada dos experientes centrais Spolli, do Chievo, e Zukanovic, por empréstimo da Roma. Estes reforços dão um maior grau de profundidade e obrigam o Génova a fazer muito mais, visto que, do plantel principal, apenas saíram Lucas Órban e Ezequiel Muñoz, além dos emprestados Ocampos, Cataldi, Pinilla e Ntcham. A baliza está assegurada por Mattia Perin, um dos melhores guarda-redes do calcio, que há vários anos é apontado a outras paragens. O meio campo, com Miguel Veloso, Hiljemark, Cofie e agora Bertolacci, também apresenta uma qualidade bastante razoável. Diego Laxalt, explosivo uruguaio, é um nome a ter em conta nas alas, bem como Darko Lazovic, Centurión e o regressado Gakpé. À partida, Lapadula será o líder do ataque, já que Giovanni Simeone deverá deixar Génova, podendo abrir espaço para a evolução do teenager Pellegri, de apenas 16 anos. Resumindo, Ivan Juric precisa de provar o porquê da sua contratação em Abril e está obrigado a superar o modesto 16º lugar da última temporada.

Pellegri, aos 16 anos, estreou-se a marcar na Serie A [Foto: Corriere della Sera]

Chievo

Ano após ano, o Chievo Verona tem partido com um dos plantéis menos apetrechados da Serie A. No entanto, está desde 08/09 na elite do futebol italiano e não parece com vontade de a abandonar. O segredo dos gialloblu parece estar na estabilidade: Rolando Maran vai para a quarta temporada no comando técnico da equipa e nunca esteve em apuros na fuga à despromoção (em 15/16 conseguiu, inclusive, um belíssimo nono lugar). O plantel também não costuma sofrer muitas mudanças, sendo, por esse motivo, um dos mais envelhecidos do Calcio. No sector defensivo, por exemplo, Cesar já leva 35 anos, tal como Gamberini, Frey tem 33 e Dainelli carrega 38 anos no corpo. É precisamente essa a idade de Sergio Pellissier, mais um caso que comprova que a experiência é mesmo um posto – pelo menos em Itália. Vai para a 17ª (!) época ao serviço do Chievo, é uma lenda para os adeptos do clube e ainda consegue manter intactas as qualidades de goleador. Com a idade avançada do capitão, Roberto Inglese, que apontou 10 golos no último ano, e Riccardo Meggiorini poderão ter de assumir mais vezes as despesas do ataque. No apoio estará Valter Birsa, médio criativo que tem sido um dos jogadores mais destacados do conjunto de Maran. Marcou 7 golos e fez 9 assistências, números extremamente relevantes num clube como o Chievo. Mais responsáveis pelas tarefas defensivas estarão Ivan Radovanovic e o argentino Lucas Castro, dando liberdade ao esloveno.

Udinese

Há uns anos, a Udinese era um dos melhores exemplos de prospecção no futebol europeu. Foi ali que despontaram nomes como Alexis Sánchez, Juan Cuadrado ou Allan, antes de rumarem aos grandes palcos do futebol europeu. Entretanto, o clube do Friuli travou o seu crescimento e não conseguiu cimentar a sua posição entre os melhores do Calcio. Aliás, não é exagerado catalogar os zebrette (zebras, em português) como uma das principais desilusões dos últimos anos. Para esta temporada, a expectativa passa apenas e só por conseguir a manutenção de forma tranquila, se possível valorizando alguns jogadores do plantel. Luigi Del Neri conta, desde logo, com uma das maiores promessas das balizas italianas. Simone Scuffet deverá aproveitar a previsível saída de Karnezis para finalmente conquistar o seu espaço. Meret, também ele com um talento enorme, vai rodar novamente no SPAL. Outra das posições mais interessantes é a lateral-esquerda, onde Ali Adnan terá a concorrência de Pezzella, que se destacou no último Mundial sub-20. Samir, central de origem, também poderá desempenhar este papel. O meio campo ganhou um reforço de peso com a chegada de Valon Behrami, que parece destinado a ocupar a posição 6, mas o principal motivo de interesse será o maestro Andrija Balic. Dono de um talento extraordinário, o jovem médio croata apareceu bem no final da última temporada e é expectável que conquiste o seu espaço na equipa. Seko Fofana, mais agressivo no transporte de bola, oferece outras características a um sector particularmente entusiasmante. Quem não deve ter ficado entusiasmado com a saída de Duván Zapata são os adeptos da Udinese, que viram uma das referências do ataque regressar a Nápoles. Para o seu lugar chegou Lasagna, mas Théréau deve manter-se como o principal goleador do conjunto bianconero. De Paul e Jankto serão os desequilibradores a partir das alas.

Sampdoria

Não sendo candidata a altos voos, a Sampdoria é uma das equipas que pode surpreender. O plantel sofreu uma espécie de revolução, com a saída de várias figuras fundamentais, mas o clube genovês tem demonstrado bastante astúcia na abordagem ao mercado. Ainda assim, não será fácil colmatar as baixas de Skriniar, central eslovaco que rumou ao Inter, de Bruno Fernandes ou de Luis Muriel, que saltou para Sevilha. Além destes, espera-se que a transferência de Patrik Schick se confirme (o negócio com a Juve falhou, mas não faltam interessados), o que significaria a perda da maior revelação do último campeonato. Um avançado que combina qualidade técnica, inteligência nas movimentações e uma capacidade extraordinária de utilizar o corpo. Talvez por isso o comparem com Zlatan. Marco Giampaolo deverá ter uma réstia de esperança na permanência do checo, mas a Samp precaveu-se e garantiu a contratação de Gianluca Caprari, que deu nas vistas ao serviço do Pescara, e do promissor David Kownacki, um dos mais talentosos da nova geração polaca. Não sendo talhado para jogar como referência, pode actuar nos flancos ou no apoio a um jogador que procure constantemente as zonas de finalização. O meio campo, indiscutivelmente o sector mais forte do emblema de Génova, conta com opções de luxo, entre as quais os promissores Lucas Torreira (junta a fibra uruguaia a uma qualidade no passe notável), Dennis Praet e Karol Linetty, ambos com potencial para mais do que o que demonstraram na última temporada. Gastón Ramírez foi contratado ao Boro e volta à Serie A, campeonato mais adequado às suas características, como uma das estrelas cintilantes dos bluecerchiati. Tem um pé esquerdo fantástico. Valerio Verre, embora possa ter dificuldades para jogar regularmente, é outro nome a ter em conta, bem como o experiente paraguaio Barreto. Djuricic e Ricky Álvarez, cuja explosão definitiva parece eternamente adiada, são duas incógnitas e nem sequer é possível afirmar que vão fazer parte do plantel. O excesso de opções para o sector intermediário vai certamente condicionar as escolhas de Marco Giampaolo, que não estará tão satisfeito com as alternativas para a linha defensiva. Murru, contratado ao Cagliari, é um lateral-esquerdo com potencial, mas parece faltar um líder que faça esquecer Milan Skriniar.

Ainda não há certezas sobre a permanência de Schick na Samp [Foto: around-j.com]

Cagliari

Em ano de regresso à Serie A, o emblema da Sardenha construiu um plantel com algumas individualidades de excelente nível e terminou no 11º lugar. O Cagliari foi uma das defesas mais batidas do campeonato, mas também conseguiu um registo assinalável de golos marcados. Esta temporada não deverá ser diferente, e o Comunale Sant’Elia poderá assistir a espectáculos bastante interessantes. As mudanças no plantel foram significativas, nomeadamente no sector mais recuado, que perdeu Bruno Alves, Isla e Murru. Apesar das chegadas de Andreolli e Romagna, promissor central italiano que deixou a Juve em definitivo, restam dúvidas sobre a capacidade de Massimo Rastelli formar uma defesa consistente. Como 6, embora possa jogar mais à frente, Nicolò Barella deverá assumir-se como o pensador e o principal construtor de jogo dos rossoblu. É um médio com uma qualidade técnica superior, distinguindo-se de Padoin e Dessena. João Pedro, criativo brasileiro, está encarregue de fazer a ligação com os dois avançados, que se complementam bastante bem. Sau, mais móvel, procura abrir espaços para o letal Borriello, que, aos 35 anos, ainda é uma ameaça constante para os adversários (16 golos no último campeonato). Duje Cop, caso não volte a ser emprestado, terá certamente uma palavra a dizer.

Crotone  

Parecia impossível, mas o estreante Crotone, depois de uma recuperação simplesmente notável, conseguiu a manutenção na última jornada. Esta época ninguém quererá sofrer tanto, por certo, mas o clube da Calábria dificilmente se livra de ter a corda ao pescoço. À excepção do talentoso médio Rolando Mandragora, cedido pela Juventus para ocupar a vaga deixada em aberto por Crisetig, o plantel não teve adições de valor significativo e Davide Nicola precisa de mais uma volta a Itália em bicicleta. Confuso? A explicação é simples: o técnico do Crotone, ciente de quão improvável era segurar o clube na primeira divisão, prometeu percorrer o país de bicicleta caso houvesse um milagre. E lá pedalou 1300 quilómetros. Diego Falcinelli, com 13 golos marcados, foi um dos principais responsáveis pela proeza, mas o Sassuolo, casa de origem, não prescindiu dos seus serviços para a nova temporada. Sem o seu goleador, os squali terão ainda mais problemas num ataque que anseia a chegada de reforços.

SPAL

Foi preciso esperar 49 anos para ver o SPAL 2013 (data da última refundação) de novo na elite do futebol italiano. O clube da cidade de Ferrara regressa como vencedor da Serie B, depois de uma campanha quase imaculada sob o comando do técnico Leonardo Semplici. A segurança defensiva foi uma das imagens de marca dos spallini, muito por culpa da serenidade transmitida pelo guarda-redes Alex Meret. O eixo defensivo também parece estar assegurado: a Gasparetto e Cremonesi juntam-se Felipe, proveniente da Udinese, e Oikonomou, cedido pelo Bolonha. O plantel do SPAL conta com vários emprestados, mas a grande maioria tem condições para dar uma contribuição importante. Alberto Grassi, que pertence aos quadros do Nápoles, é um dos médios com mais potencial da nova geração e tem no SPAL um óptimo espaço de afirmação. A seu lado deverão estar Federico Viviani e Luca Rizzo, emprestados pelo Hellas Verona e pelo Bolonha, respectivamente. No ataque, ao contrário do Crotone, rival na luta pela manutenção, o conjunto recém-promovido possui muitas e boas opções. Mirco Antenucci foi decisivo na subida, encontrando as redes contrárias em 18 ocasiões, e ainda há Alberto Paloschi (flop na Premier League, mas tem muita qualidade) e o experiente Sergio Floccari. Há razões para sonhar com a permanência.

Benevento

A estreia na Serie A é, por si só, um prémio simpático para o Benevento, clube que no ano passado disputou pela primeira vez a Serie B. Ainda assim, os stregoni não quererão desperdiçar a oportunidade de garantir o seu lugar no escalão máximo. A viver um autêntico conto de fadas, com duas promoções consecutivas, o elenco de Marco Baroni recebeu um upgrade significativo para tentar a manutenção. A Lazio cedeu Danilo Cataldi, médio com qualidade para se impor no meio campo da equipa, e poderá libertar também o talentoso (mas inconstante) Ricardo Kishna. Por empréstimo do Inter continua George Puscas, avançado romeno com nome de craque, decisivo na “finalíssima” frente ao Carpi. Venuti, lateral-direito que pertence aos quadros da Fiorentina, continuará a evoluir no Stadio Ciro Vigorito, onde o ganês Chibsah, fundamental na temporada anterior, permanecerá em definitivo depois de ter sido adquirido ao Sassuolo. Para acrescentar experiência ao plantel, o emblema recém-promovido “pescou” Panagiotis Kone na Udinese e Memushaj no despromovido Pescara. Percebe-se, portanto, que houve um esforço para compor um plantel de primeira divisão. Veremos se será suficiente para escrever mais uma página de glória em Benevento.

Hellas Verona

Ao colo de Pazzini. Foi assim na última temporada e será assim na época que se avizinha. O experiente goleador italiano marcou nada mais, nada menos do que 23 golos na Serie B e contribuiu de forma decisiva para o regresso do Hellas Verona à primeira divisão. Este ano terá a companhia de Alessio Cerci, que, depois de uma má experiência no Atlético e de sucessivos empréstimos, tem a ambição de recuperar o nível que demonstrou em Turim. O trio de ataque fica fechado com o promissor Daniele Verde, avançado rápido, desequilibrador e com golo. Está cedido pela Roma e tem potencial para eventualmente voltar ao Olímpico. As principais figuras do conjunto de Fabio Pecchia, jovem treinador de 43 anos, estarão na frente, mas haverá alguma qualidade à disposição nos restantes sectores. Bruno Zuculini, ainda à procura de atingir um patamar superior na carreira, é o nome mais sonante de um meio campo que conta com Daniel Bessa, Büchel, Marco Fossati e Mattia Valoti. O uruguaio Martin Cáceres foi contratado para ser o patrão do sector defensivo, mas a contratação de Heurtaux à Udinese também acrescenta valor a uma zona algo carente de qualidade. Em suma, teremos uma equipa bastante dependente dos seus avançados.

nike-ordem-v-serie-a-2017-2018-ball-2.jpg?fit=1200%2C900
Pedro CouñagoAgosto 15, 201724min0

Em Itália, mora um dos campeonatos mais notáveis em toda a Europa, com grandes equipas a comporem-no. Nos últimos anos, no que toca à luta pelo título, a equipa da Juventus tem tido sempre vantagem sobre os adversários, não lhes dando a mínima hipótese, partindo, portanto, como favorita para a época 17/18. No entanto, existem duas ou três equipas que pretendem subir o seu nível. Ao mesmo tempo, a luta pelas competições será longa e dura, não havendo espaço para muitos erros, existindo algumas hipóteses plausíveis sobre quem poderá ocupar essas posições. Como poderá ser a próxima época?

Juventus

Não existe maior candidato a liderar a Série A e a conquistar o campeonato de Itália do que a Vecchia Signora. Nos últimos seis anos, foram seis campeonatos ganhos pela Juventus, sem qualquer tipo de oposição minimamente tangível. Clubes como Roma e Nápoles ainda têm tentado ombrear com a Juventus, mas simplesmente não conseguem porque não têm os mesmos argumentos, principalmente financeiros.

Os adeptos da Juve estão mais que habituados a festejar, já vão no hexacampeonato (Foto: Jornal de Noticias)

A época de 2017/2018 será, ainda assim, certamente bastante interessante de seguir para os lados do clube de Turim, principalmente depois da saída de um dos ídolos do clube, como era Bonucci. A sua saída para o rival Milan foi uma surpresa para todos os tiffosi da Juve, resta ver se tem algum impacto dentro de campo na mística que a equipa apresentará. Deste lado, tal não se espera, pois a restante espinha dorsal do clube (Buffon, Chiellini, Marchisio, Barzagli) continua aí para as curvas. No entanto, tal não durará muito mais tempo, começando por Buffon, que fará o último ano da carreira de jogador esta temporada, e em 2018/2019 será, em princípio, substituído na titularidade por Sczeszny, chegado neste defeso ao clube.

Dani Alves saiu também do clube após uma época realizada, mas uma em que foi uma das estrelas da equipa e uma das melhores da sua carreira. Certamente fará falta, e será uma das poucas posições para as quais faria falta uma solução. Fala-se no português João Cancelo, que poderia ser uma boa solução para a equipa, mas já chegou De Sciglio, que certamente é também uma boa solução.

Pelo restante poderio individual (Higuain, Dybala, Mandzukic, Pjanic, Cuadrado, por exemplo), a Juventus acaba por se sobrepor às restantes equipas da Série A, ainda por cima quando tão bem estes jogadores jogam juntos. A estes cinco principais juntaram-se agora Douglas Costa e Federico Bernardeschi, duas “bombas” de mercado que prometem dar uma vasta panóplia de soluções ao ataque bianconeri. Só estes talentos já chegam para continuar a levar a Juventus aos títulos, não existe nenhuma equipa em Itália com esta profundidade no seu ataque.

A Juventus pode chegar a um histórico heptacampeonato, mas deve ter cuidado para não se desleixar com as restantes conquistas. Na passada época, chegou à final da Liga dos Campeões catorze anos depois da última, mas acabou por perder por 4-1 para o Real Madrid. Veremos se esse não poderá ter sido um momento de viragem para aquilo que será o futuro. A época não começou da melhor forma, depois de uma derrota por 3-2 diante da Lazio, que deixa algumas reticências sobre aquilo que pode ser o início da campanha, ainda por cima depois de uma má exibição da equipa, em que realmente se notaram as falhas defensivas. No entanto, foi o primeiro jogo da época, e a Juventus certamente consolidará melhor os seus processos e conseguirá recuperar.

O campeonato vem ficando cada vez mais competitivo, não só devido a Roma e Nápoles, já destacados, mas também graças ao possível renascimento dos clubes de Milão, que têm investido muito forte para a próxima temporada. Como tal, a Juventus deve-se precaver, dar sempre tudo dentro de campo e utilizar a sua mestria e inteligência a si associadas. Se tal acontecer, muito dificilmente não chegará ao sétimo campeonato consecutivo.

Possíveis candidatos a lutar com a Juventus

O Nápoles será, em teoria, a equipa mais capaz de poder lutar abertamente com a Juventus, ainda que a tarefa seja bem difícil. A nível individual, a equipa do Sul de Itália será, talvez, aquela que mais se aproxima dos valores individuais da Vecchia Signora (o Milan parece querer reduzir a distância). Com jogadores como Insigne, Hamsik, Callejón e, principalmente, Mertens, o espetáculo a nível técnico é garantido, tanto que a equipa napolitana tem sido recorrentemente considerada como aquela que melhor joga em Itália. Nos últimos anos, tem conseguido crescer de forma sustentável, com bons resultados todos os anos, mas não tem conseguido chegar ao nível da Juve.

É uma equipa muitíssimo bem orientada por Maurizio Sarri, técnico elogiado principalmente por causa do futebol rendilhado e bonito que as suas equipas praticam, algo que se reflete no estilo de jogo implementado no San Paolo. A equipa pouco mudou em relação ao ano passado, destacando-se a chegada de Adam Ounas, mais uma excelente opção para os corredores, jovem e com grande margem de progressão. Também o lateral esquerdo português Mário Rui chegou ao clube, que é uma excelente alternativa a Ghoulam, que é muito pretendido mas que parece que irá ficar no San Paolo. Além disso, a equipa manteve Nikola Maksimovic e Marko Rog, dois jogadores que estavam emprestados ao clube na temporada passada e que ficam agora em definitivo.

Nenhum jogador relevante do plantel principal saiu do clube, algo que abona a favor da equipa, que assim ganha estabilidade e, com os novos reforços, ganha uma maior profundidade no plantel. Por aqui se verifica o maior poder poder que o clube tem nos dias de hoje. Veremos se Arek Milik consegue justificar a sua contratação feita no passado Verão e se faz esquecer Higuain, visto que esteve meia época lesionado na passada temporada. Talvez o que possa faltar ao clube seja um guarda-redes de maior valia, visto que Reina já não vai para novo.

De resto, se a equipa, até ao final de Agosto, resistir ao assédio que vem sido feito aos seus principais jogadores, como Insigne, Koulibaly e Ghoulam, parece-nos que o Nápoles tem tudo para não só se qualificar para a Liga dos Campeões, como também dar mais luta à Juventus na corrida pelo título. A segundo classificado, pelo menos, o Nápoles é forte candidato.

Quem também tem esperanças de poder subir um pouco mais é a Roma. O clube romano vem crescendo de rendimento nos últimos anos, mas nunca o suficiente para realmente perturbar a Juventus na corrida pelo título. Aliás, o seu último Scudetto chegou há já longínquos dezasseis anos, em 2000/2001. O clube romano tem poucos campeonatos para a sua real valia: apenas três.

Há muito tempo que o clube pretende dar o próximo passo, chegar finalmente ao cume da montanha, mas tem sido sistematicamente relegada, nos últimos anos, para uma luta com o Nápoles pelo segundo lugar. Face à descida de rendimento dos clubes de Milão, esta tarefa tem estado mais facilitada, e tem feito com que o clube esteja presente com frequência na Liga dos Campeões. O clube tem-se cimentado no pódio das equipas mais poderosas da Série A, mas tal não será tão fácil este ano, o campeonato está cada vez mais competitivo.

Vamos por partes. Esta época será a primeira da era Pós-Totti. O craque italiano representa um legado de vinte e cinco anos de uma das histórias mais bonitas de real amor a uma camisola. É certo que o jogador foi perdendo importância nas últimas temporadas, a idade não perdoa, mas continuava a ser o grande comandante no balneário romano. Será que a equipa conseguirá reagir à perda do seu comandante? Parece-nos que sim, principalmente através de Daniele De Rossi, outro dos jogadores mais carismáticos do clube.

O clube ficou ainda órfão de quatro dos seus principais pilares da passada temporada: Szczesny, Rudiger, Paredes e Salah. O último, principalmente, representa uma enorme perda para o conjunto romano, pois o egípcio era o principal motor do ataque da equipa, era sinónimo de golo ou assistência em quase qualquer jogo. Para o seu lugar, tem-se falado com frequência em Riyad Mahrez, que seria certamente uma boa alternativa, ainda que com menos capacidade de aceleração que Salah. Essa era uma das principais características do jogo da Roma, também muito por culpa de Luciano Spalletti, que é conhecido por privilegiar o ataque rápido.

No entanto, Spalletti saiu para o Inter, chegando para o seu lugar Eusebio di Francesco. Este será mais um dos motivos que gera curiosidade para a próxima época. Será interessante perceber se o jovem treinador consegue ter o mesmo sucesso que teve no Sassuolo e que estilo de jogo implementa na equipa. Tem todo o potencial para o conseguir, e, no que toca a reforços, até não se pode queixar. Do seu anterior clube, trouxe dois: Lorenzo Pellegrini e Grégoire Defrel. Além destes, alguns outros chegaram, muito por culpa de um homem.

Monchi, o emblemático diretor desportivo espanhol, chegou ao clube para esta nova época, e consigo chegaram os negócios “pechincha”. Assim, o clube contratou jogadores como Hector Moreno, Gonalons, Fazio (após empréstimo ao clube) e Kolarov por cerca de 19 milhões de euros. São quatro elementos que garantem qualidade e experiência à equipa. Monchi é ainda conhecido pela sua capacidade de scouting e de encontrar jogadores apetecíveis em territórios menos esperados. É nesse sentido que chegam Rick Karsdorp, Cengiz Under e também Rezan Corlu, provenientes de Feyenoord, Istambul Basaksehir e Brondby, respetivamente, sendo estes elementos mais wildcards face àquilo que podem oferecer à equipa, mas, se vêm com o selo de Monchi, só podem ter qualidade assegurada.

Monchi pode vir a ser o melhor reforço da Roma para as próximas temporadas, garantindo os melhores negócios (Foto: asroma.com)

De resto, todos os jogadores destacados, na companhia das estrelas como Manolas, Strootman, Nainggolan, Florenzi e Dzeko, podem dar cartas. O plantel é bastante completo, com excelentes soluções, estando preparado para, mais uma vez, chegar à Liga dos Campeões de forma direta. Será, no entanto, que o clube conseguirá alcançar o próximo nível e realmente lutar até ao fim pelo Scudetto? Sem Totti nem Salah e com Di Francesco, veremos o que nos reserva a próxima temporada.

Candidatos ao quarto lugar, se possível algo mais

Como quarto maior candidato, surge o Milan. O clube milanês será o grande wild-card da próxima edição da Série A. Tanto pode tudo correr tudo muito bem como muito mal, mas uma coisa é certa: há muito tempo que não se esperava tanto dos rossoneri e agora a equipa está sob real pressão de alcançar resultados no imediato.

Tem sido uma chuva de contratações por parte do clube, algo que se deve à compra do clube por Lin Yonghong em abril deste ano. O poderio financeiro da equipa subiu drasticamente, e com ele foi possível contratar os defesas Bonucci, Musacchio, Ricardo Rodriguez e Andrea Conti, os médios Biglia, Késsie e Çalhanoglu e os avançados André Silva e Fabio Borini. De todas as contratações, é obrigatório destacar a aquisição de Leonardo Bonucci à rival Juve, algo que se pensava impensável e que apenas foi possível não só devido ao maior poderio financeiro mas também ao projeto ambicioso que o clube tem para implementar no imediato. Outro dos “reforços” é Gianluigi Donnarumma, que pareceu com um pé fora do clube mas que viu a sua situação devidamente resolvida. Além disso, poderá estar ainda para chegar um ponta de lança, que ocupará a vaga de Carlos Bacca, que parece de saída.

É estranho ver Bonucci com a camisola dos rossoneri. Que impacto poderá ter o central no Milan? (Foto: Goal.com)

Todas estas contratações têm de levar o clube a resultados, não só na Série A como a nível europeu. O clube está de volta às competições europeias, participando na Liga Europa. Sendo apenas a segunda competição mais importante de clubes, a equipa tem obrigação de chegar longe na competição. Certamente menos que os quartos de final, no mínimo, será um fracasso.

Mais que isso, o clube tem de lutar pela qualificação para a Liga dos Campeões. Será algo ilusório poder afirmar que o clube lutará pelo título, existem muitos mecanismos táticos em fase de implementação, e o clube não pode ter ambições desmedidas depois das más épocas que tem feito. Demorará o seu tempo até tudo carburar a cem por cento, portanto a luta pela qualificação para a Liga dos Campeões parece um objetivo realista. Um quarto lugar, no mínimo, é a obrigação do Milan depois das contratações efetuadas. 

Foram dadas as melhores condições possíveis a Vincenzo Montella, que, se tudo correr bem, pode levar o clube a um nível que não alcançou nos últimos cinco anos. Tem feito um razoável trabalho, pode fazer bem melhor agora. Com as contratações efetuadas, mais a base de jogadores italianos como Donnarumma, Bonaventura, Abate, Calabria, Locatelli ou Montolivo e a permanência de jogadores decisivos como Suso, tudo parece poder correr bem para os pupilos do antigo avançado.

Quem não quer que tal aconteça é o rival do Milan, o Internazionale. A equipa nerazzurri, bem como o seu rival de Milão, tem feito investimentos significativos com vista a melhorar a performance da época 16/17, em que tudo correu mal, desde a eliminação da Liga Europa logo na fase de grupos, a chegada apenas aos quartos de final da Taça de Itália e o mau sétimo lugar no campeonato.

Afinal de contas, o Inter não joga nenhuma competição europeia esta temporada, algo que se pode revelar uma vantagem, na medida em que os jogadores estarão exclusivamente focados no campeonato e, assim, podem lutar pelos lugares de Champions, pelo menos o quarto lugar, portanto. Com uma Roma que poderá ser imprevisível este ano, veremos se o Inter, juntamente com Milan também, não poderá dar mais trabalho na luta pelo terceiro lugar, inclusivamente.

O Verão foi marcado pela contratação de Vecino e Borja Valero, excelentes opções para o meio campo da equipa, além das aquisições de Milan Skriniar e Dalbert, o lateral que, no Verão passado, saía de Portugal para França por 2 milhões de euros e agora sai por um valor dez vezes mais alto. Foram contratações sonantes para lugares certamente necessitados, em que se aumenta a quantidade e qualidade das opções da equipa. A lateral esquerda tem estado debilitada nos últimos anos e o meio campo teve performances bem abaixo do esperado no ano passado, com Kondogbia, principalmente, a ser candidato à saída, sendo assim contratações bastante cirúrgicas as feitas pelo clube. Com a contratação dos dois médios mencionados, João Mário pode ganhar mais preponderância como médio mais avançado. Skriniar vem substituir Gary Medel, que foi vendido de forma duvidosa (apenas 3 milhões de euros) para a Turquia.

É mais importante mencionar a chegada de Luciano Spalletti ao comando técnico do clube. É um treinador com muita pedalada nestas andanças, que tem capacidade de liderança e um mestre tático, com bastante sucesso ao longo da carreira. Certamente será um upgrade àquilo que vinha sendo uma “dança das cadeiras” na liderança da turma nerazurri. Com Spalletti, os primeiros resultados foram animadores, tendo a equipa feito uma boa pré-época. Se conseguir iniciar bem a liga, fazendo um bom trajeto até dezembro, em que a taça, aí, se intrometerá, o Inter pode estar destinado a uma grande melhoria face à temporada passada.

Com a manutenção de jogadores como Perisic, Candreva e o próprio João Mário, acrescentando-se a segurança que Handanovic e Miranda dão à defensiva, em conjunto com a juventude de Skriniar, a mestria no meio campo de Vecino, Borja Valero e outros como Brozovic e o nosso português João Mário, acrescentando-se o faro de golo de Icardi, bem secundado por Éder, a equipa tem tudo para fazer um bom desempenho na próxima edição da Série A.

A luta pela Liga Europa

Num patamar mais abaixo, candidata a uma presença na Liga Europa, chega a Atalanta. Será muito curioso ver o que pode fazer a equipa de Bérgamo na ressaca de uma das suas melhores épocas de sempre. A equipa conseguiu um brilhante quarto lugar, catapultando-se para um tão aguardado regresso às competições quase 30 anos depois, mas esse mesmo quarto lugar parece difícil este ano.

Muito se pode agradecer a Gian Piero Gasperini, que fez um fantástico trabalho na época passada, lançando jogadores como Kessié, Mattia Caldara, Andrea Conti ou Gagliardini, todos vendidos por valores acima dos 15 milhões de euros, depois de uma primeira época num nível mais elevado na Série A.

Gasperini, o grande obreiro da Atalanta que agora conhecemos (Foto: Goal.com)

No caso de Caldara, o negócio foi especialmente apetecível porque contará com o jogador até ao final da próxima temporada, rumando depois à Juventus com uma outra bagagem e experiência competitiva. A equipa perdeu também um dos pontas de lança, Alberto Paloschi, este emprestado com cláusula de compra obrigatória à SPAL. A equipa perdeu alguns elementos de extrema importância, algo que se aceita tendo em conta a salvaguarda financeira do clube para os próximos anos.

No entanto, o clube tem uma academia reconhecida tanto a nível nacional como internacional que lhe permite sempre gerar novos craques de qualidade inegável que podem jogar futuramente na primeira equipa. Além disso, desengane-se se pensa que a equipa não tem estado ativa no mercado.

Com efeito, a equipa tem feito movimentos magníficos no presente defeso. Além de segurar em definitivo o guarda-redes Berisha, a equipa já foi buscar João Schmidt a custo zero, Timothy Castagne, um potencial grande lateral direito, por 6 milhões de euros, Andreas Cornelius por 3.5 milhões, garantiu a jovem estrela Riccardo Orsolini por empréstimo, conseguiu o regresso de Marten de Roon por 13 milhões e, por último, garantiu o craque esloveno Josip Ilicic pela modesta quantia de 5.5 milhões de euros. Não parece que a equipa fique a perder, bem pelo contrário. Não só consegue estabilidade financeira, como vai buscar elementos que não garantem imensa qualidade no imediato e no futuro. A contratação de Ilicic não vem nessa filosofia mas sim numa de oferecer magia ao meio campo ofensivo da equipa.

Não será fácil a equipa repetir o quarto lugar da passada temporada quando as principais equipas do campeonato estão a fazer uma forte aposta. Além disso, o clube jogará a Liga Europa, algo que gerará mais cansaço nos jogadores. Ainda assim, com a chegada dos reforços e a manutenção dos restantes esteios da equipa, como Alejandro Gómez, Andrea Petagna, Leonardo Spinnazola, Jasmin Kurtic e Rafael Tolói, pode-se esperar mais uma boa época dos pupilos de Gasperini, possivelmente a lutar novamente pelas competições europeias. Talvez um sexto, sétimo lugar esteja mais ao alcance do clube.

A Lazio entra com vontade de passar à frente da Atalanta em 2017/2018. A equipa romana fez uma boa época em 16/17, conseguindo chegar ao quinto lugar da Série A e garantindo a Liga Europa. Era difícil exigir mais ao clube depois de tamanha boa época da Atalanta e a diferença de qualidade para Nápoles, Roma e Juventus. Foi uma época estável, com a equipa a chegar também aos oitavos de final na Liga Europa e chegando à final da Taça de Itália, perdendo para a Juventus. No entanto, já conseguiu a sua vingança, começando muito bem a época e conquistando a Supertaça italiana, vencendo por 3-2 frente à Vecchia Signora.

O clube contratou alguns jogadores importantes para a próxima temporada, com principal destaque para Adam Marusic e Lucas Leiva, dois jogadores que parecem ter garantida a entrada direta no onze da equipa. Lucas Leiva vem compensar a grande perda do clube neste defeso: Lucas Biglia, que saiu para o AC Milan.

Começou bem esta nova etapa de Lucas Leiva, com a conquista da Supertaça de Itália. Veremos que pujança traz o brasileiro ao meio-campo dos romanos (Foto: 101 Great Goals)

De resto, entraram ainda Davide de Gennaro a custo zero e Filipe Caicedo, que vai servir de cobertura à estrela Ciro Immobile. Destaque ainda para o regresso de empréstimo de Ricardo Kishna, que pode ser o substituto de Keita Baldé caso o jogador saia, ou poderá ser inclusivamente contratado outro jogador, como Brahimi.

Assim, o plantel não mexeu muito, sendo garantidas alternativas que podem dar mais profundidade a um plantel de qualidade, em que existem ainda jogadores como Marco Parolo e Felipe Anderson que fazem a diferença. Prevê-se mais uma época a lutar, pelo menos, pelo sexto lugar para a equipa romana. Simone Inzaghi tem condições para continuar o seu bom trabalho ao leme do clube.

Por fim, surge uma equipa que poderá tentar fazer uma gracinha na próxima edição da Série A: o Torino. Tem vindo sempre a fazer campeonatos estáveis, figurando na primeira metade da tabela. É um clube que tem vindo a recuperar, aos poucos, um pouco da mística daquilo que era o grande Torino de há 5 décadas atrás, tendo disputado a Liga Europa na passada temporada. Com essa experiência adquirida e sem a ter de jogar este ano, parece-nos possível que o Torino melhore o seu nono lugar e possa andar a disputar lugares superiores, intrometendo-se numa possível luta pela Liga Europa, dependendo também da possível vaga aberta ao sétimo lugar, dependendo dos finalistas da taça.

É certo que não será fácil, tendo em conta a cada vez maior competitividade do campeonato. Da equipa que acabou a temporada, saíram quatro jogadores mais importantes: os guarda-redes Joe Hart e Daniele Padelli, o defesa Gastón Silva e o médio Marco Benassi. O médio será, certamente, a saída mais notável, devido à sua preponderância no meio campo. Para as saídas, a equipa encontrou soluções, e bastante boas até.

Os centrais Lyanco e N´Koulou, este principalmente, são excelentes contratações da parte do Torino, traduzindo-se num claro upgrade no centro da defesa com a experiência competitiva do camaronês e o “sangue na guelra” de Lyanco. Para a saída de Benassi, o clube foi buscar Tomás Rincón à Juventus, não ficando, neste aspeto, a perder muito no imediato, a não ser num potencial encaixe futuro, porque Benassi ainda não está num nível acima de Rincón. E, para a baliza, chegaram Vanja Milinkovic-Savic, uma aposta de futuro, e Salvatore Sirigu, um excelente guardião que andou nos últimos dois anos perdido e que chega agora a custo zero a Torino, podendo voltar à seleção italiana e tendo hipótese de relançar a carreira.

O clube foi ainda buscar Álex Berenguer ao Osasuna, que pode ser um excelente backup de Adem Ljajic. O esloveno, em conjunto com Iago Falqué e, principalmente, Andrea Belotti, formam uma tripla de ataque possivelmente mortífera, que, com o upgrade da linha defensiva, pode significar a melhoria da equipa. Se Belotti permanecer no clube, será também uma grande vitória para Sinisa Mihajlovic, que não sendo um fantástico técnico, tem muito conhecimento do futebol italiano enquanto jogador e parece estar a assentar bem no clube de Turim. Ainda que não seja o candidato mais forte aos lugares europeus, o Torino tem uma boa hipótese de se tentar intrometer na luta, ainda para mais com uma Fiorentina que não parece destinada a tais voos.

Assim, ficam os dados lançados no que toca às equipas mais poderosas da Série A. Veremos se as previsões quanto à luta pelo título, Champions e Liga Europa se confirmam. Está lançada a luta pelos lugares cimeiros do campeonato italiano. 

2016-17-bundesliga-kits.jpg?fit=1200%2C615
Gonçalo MeloAgosto 13, 201727min0

Vem aí mais uma edição da Bundesliga e, como sempre, será altamente disputada e imprevisível. Será difícil alguma equipa conseguir chegar ao poderoso Bayern de Munique no que toca a chegar ao ceptro de campeão da Bundesliga, apenas uma parece poder estar em condições de discutir este objetivo, e mesmo este clube está alguns passos abaixo do que poderá fazer. Quais as previsões do FairPlay para 2017/2018?

O Bayern é o maior candidato a vencer a Bundesliga, todos os anos, pelas mais diversas razões. O maior poderio da equipa, o maior poderio financeiro, o maior número de sócios… poder-se-ia continuar a lista, mas, essencialmente, o Bayern é eterno candidato pelo domínio que vem exercendo desde sempre no campeonato alemão, com maior foco nos últimos cinco anos. O clube é pentacampeão alemão e não tem dado a mínima hipótese aos concorrentes.

Do plantel saíram dois elementos nucleares: Philipp Lahm e Xabi Alonso. Será interessante acompanhar como a equipa reagirá à sua ausência. Saiu ainda Douglas Costa, um elemento de pouca importância para Carlo Ancelotti, estranhamente. Entraram Rudy, Sule, Tolisso e James Rodriguez. Todos parecem poder ser elementos úteis, recaindo o maior ponto de interrogação sobre o colombiano, por ter mais holofotes recaídos sobre si e porque não tem estado na sua melhor forma. Curiosidade para ver o que elementos como Renato Sanches e Kimmich, como substituto de Lahm, podem oferecer esta época e ver se Robben e Ribéry conseguem ainda ser fiéis escudeiros da estrela Lewandowski. A idade não perdoa, mas o Bayern também não.

Veremos se Ancelotti recairá maior consenso junto dos adeptos, depois da eliminação nos quartos de final da Champions, de não ter ganho a Taça da Alemanha e de ter feito uma má pré-época. A conquista da Supertaça, no entanto, pode dar um necessário aumento de confiança ao plantel.

Resultado de imagem para bayern new players 2017
O andar calmo para mais um título?

A equipa do Borussia de Dortmund será a candidata a poder eventualmente disputar o título com o campeão. Depois de um terceiro lugar em 16/17, o Dortmund pretende escapar à ascensão do Leipzig e lutar afincadamente com o Bayern pelo título, algo que não fez na passada temporada.

Alguns acontecimentos marcantes têm vindo a marcar o defeso do Dortmund. Primeiro, e mais importante, a mudança de treinador. Peter Bosz, depois de alcançar a final da Liga Europa, foi recrutado para o clube, isto depois da saída de Thomas Tuchel em diferendo com a direção. Será certamente um futebol diferente aquele que veremos do Dortmund, mas o elenco pouco mudou, saindo dois jogadores (Matthias Ginter e Sven Bender), sendo substituídos por Omer Toprak e Mahmoud Dahoud, chegando ainda Maximilian Phillip e Dan-Axel Zagadou. Assim, o plantel parece ter mais uma ou outra opção de qualidade, destacando-se ainda a permanência do melhor marcador do último campeonato Pierre-Emerick Aubameyang e do crónico lesionado Marco Reus e a indefinição quanto a Ousmane Dembelé.

O Dortmund perdeu a Supertaça para o Bayern, num jogo em que talvez até merecesse outro resultado, mas mostrou que pode ombrear com a equipa bávara. Para tal, precisa de começar bem a liga, devendo por todas as fichas em recuperar os inúmeros lesionados que tem, pois fazem-lhe muita falta. Quanto mais rápido o conseguir, mais rápido conseguirá assumir-se como candidato. Fica a curiosidade de ver qual o cunho pessoal que Peter Bosz dará à equipa.

Peter Bosz traz novas ideias para Dortmund. Será capaz de destronar o todo poderoso Bayern?

A acesa luta pelos milhões!

A luta pelo 3º e 4º lugares da tabela é das lutas mais disputadas e mais difíceis de prever da atrativa Bundesliga. Nesta batalha, decidimos incluir 4 equipas. RB Leipzig, Hoffenheim, Bayer Leverkusen e Schalke 04. Os dois primeiros foram, no ano passado, 2º e 4º, respetivamente, e têm responsabilidade de fazer parecido ou melhor esta época. Os dois últimos tiveram campanhas medíocres na época passada, mas têm a história e o poderio financeiro/futebolístico para voltar a estar na mó de cima.

O Leipzig, grande surpresa da última edição da Bundesliga, vai, certamente, querer repetir a prestação, ou, pelo menos, aproximar-se dela. O plantel é muito semelhante ao da época transata, que apenas perdeu ate à data o avançado Davie Selke (Naby Keita ainda deve sair para o Liverpool) e ainda viu chegar o promissor avançado francês Jean-Kevin Augustin proveniente do PSG, o talentoso extremo português Bruma e o jovem guarda-redes suíço Yvon Mvogo.

O obreiro do excelente segundo lugar Ralph Hasenhüttl mantém-se no comando técnico, e vai apoiar-se nas estrelas Emil Forsberg (19 assistências na ultima edição da Bundesliga!), Marcel Sabitzer, Timo Werner e Diego Demme para realizar uma época a lutar pelos 4 primeiros lugares. Espera-se um ano mais difícil para a turma do Este da Alemanha, num ano em que o fator surpresa já não estará presente, a acrescentar à exigência de que a equipa estará sujeita na Liga dos Campeões.

Outra das surpresas o ano passado foi o Hoffenheim, juntamente com o seu timoneiro Julian Naggelsmann, o mais jovem do campeonato. Com o playoff da Champions League à porta a equipa tem garantido alguns reforços interessantes como o central/médio defensivo Havard Nordveit, o médio centro Florian Grillitsch e o talentoso extremo alemão Serge Gnabry, cedido pelo Bayern.

A equipa perdeu duas peças importantes, Rudy e Sule, mas manteve outras importantes figuras da campanha do ano passado, como os laterais Pavel Kaderábek e Jeremy Toljan, os criativos Nadiem Amiri e Kerin Demirbay, os homens-golo Sandro Wagner e Andrej Kramaric e o muro da baliza Oliver Baumann, o que deve garantir mais uma bela classificação para a turma da cidade de Sinsheim. A possível entrada na Liga Milionária será determinante para as aspirações da turma de Naggelsmann, pois, com a prova europeia, o desgaste será muito maior e poderá pôr em causa um lugar cimeiro na Bundesliga.

Resultado de imagem para hoffenheim julian nagelsmann
Julian Naggelsmann é uma das novas coqueluches do futebol alemão, e todos esperam mais um grande ano do seu Hoffenheim

O Bayer Leverkusen foi uma das desilusões da época passada, mas está apostado em fazer melhor este ano. Com um dos melhores plantéis da liga, que, apesar de ter visto sair Chicharito e Çalhanoglu, tem nomes como Karim Bellarabi, Charles Aránguiz, Kevin Kampl, Jonathan Tah, Wendell, Julian Brandt, Kevin Volland, Admir Mehmedi e os irmãos Bender, os “farmacêuticos” agora guiados por Heiko Herrlich vão lutar pelo quarto lugar novamente, beneficiando do facto de não terem competições europeias para se concentrarem no campeonato.

A equipa ainda deverá ir ao mercado por um atacante, pois Chicharito deixou a posição “9” entregue a Stefan Kissling e ao jovem finlandês Pojahnpalo, e o meio campo ofensivo ficou órfão da criatividade e qualidade de remate de Çalhanoglu, sendo necessária uma alternativa de qualidade, a menos que o adolescente Kai Havertz acabe por explodir definitivamente este ano.

Na luta pelos lugares de Champions League estará também o Schalke 04. Os mineiros vêm igualmente de uma época abaixo do esperado, onde ficaram em 10º (tal como o Leverkusen vão beneficiar da ausência das provas europeias), e vão certamente querer fazer melhor. A equipa mudou de treinador, estando agora entregue ao jovem Domenico Tedesco, e viu sair algumas figuras como Kolasinac, Choupo Moting e Huntelaar.

No entanto a base manteve-se, com Benedikt Howedes, Naldo, Johannes Geis, Leon Goretska, Nabil Bentaleb, Max Meyer e Guido Burgstaller a transitarem para esta época, aos quais se juntam as estrelas ainda por assumir Yevhen Konoplyanka e Breel Embolo (que no ano passado não deixaram a sua marca) e os interessantes reforços Bastian Oczipka, Pablo Insúa e Amine Harit, este último uma das novas coqueluches das seleções jovens francesas. O problema dos mineiros reside sobretudo no ataque, uma vez que na época passada faltou um goleador na ausência de Huntelaar, e Burgstaller não parece ser suficiente para uma época inteira, podendo o jovem campeão europeu sub21 Felix Platte ganhar algum protagonismo e ajudar na luta pelos lugares cimeiros da tabela. Esperemos que o novo técnico coloque de novo Max Meyer na sua posição de origem, ele que é um médio criativo e o ano passado foi obrigado a jogar muitas vezes na frente devido à ausência de opções de ataque.

Resultado de imagem para schalke 04 vs bayer leverkusen
Leverkusen e Schalke 04 têm uma imagem a repor nesta temporada, após o falhanço em 2016/2017

Na luta pelos lugares na Liga Europa (5º e 6º, possível 7º dependendo dos finalistas da Taça da Alemanha), vários clubes se podem incluir, incluindo alguns que terão como objetivo mais claro a chegada à Champions. Apenas existem 2 ou 3 lugares disponíveis, mas vários candidatos.

O Borussia Monchengladbach parte com aspirações bem reais à conquista de um lugar na Liga Europa, visto que tem um plantel que o merece jogar e tem capacidades para tal. Para a Champions, parece curto.

Andreas Christensen, Nico Schulz, André Hahn e, principalmente, Mahmoud Dahoud, saíram do clube, este último com uma importância acrescida, era realmente o destaque da equipa na temporada pesada. Veremos o que Denis Zakaria pode trazer à equipa, bem secundado por Christopher Kramer. Já Christensen é substituído por Matthias Ginter, uma opção de qualidade num setor recheado de talento (Kolodziejczak, Vestergaard, Elvedi).

O meio campo ofensivo e as alas são os setores mais fortes da equipa. Possuem uma profundidade bastante assinalável, com jogadores como Thorgan Hazard, Herrmann, Ibrahima Traoré, Fabian Johnson (pode também jogar a lateral, dos dois lados), Hofmann e ainda Vincenzo Grifo, contratado ao Friburgo por 6 milhões de euros e considerado uma autêntica pechincha face à sua qualidade demonstrada na temporada passada. Já no ataque, a base é a mesma, com a dupla StindlRaffael a fazer estragos. Não sendo dois pontas de lança, são dois avançados bastante móveis que se complementam bastante bem.

O clube possui alguns dos melhores adeptos da Alemanha e bem orientado pelo experiente técnico Dieter Hecking, que muito sabe sobre esta liga. Certamente que menos que a luta pela Liga Europa será também um fracasso.

Outra das equipas que pode sonhar é o Colónia. Depois do excelente quinto lugar em 16/17, a equipa parte para 17/18 com confiança face às suas capacidades de fazer boas performances. Assim, o clube parte com legítimas esperanças de alcançar novamente a Liga Europa na próxima temporada.

Face à temporada passada, saiu Anthony Modeste por 35 milhões de euros, um espetacular negócio depois do francês de 29 anos ter chegado ao clube por meros 4.5 milhões de euros. A sua saída era inevitável face aos 25 golos marcados pelo jogador na passada época, um marco incrível que lhe deu o pódio na lista dos melhores marcadores. Destacamos a contratação de jovens jogadores como Jorge Meré, central espanhol, Jannes Horn, lateral esquerdo, e João Queirós, central português, este contratado ao Braga, sem nenhum jogo pela equipa principal, por 3 milhões de euros, algo que mostra a força do scouting do clube. A principal contratação foi, no entanto, o ponta de lança Jhon Córdoba ao Mainz, tendo este a missão de substituir Modeste, tarefa aparentemente árdua.

O plantel base sai assim quase incólume, ainda que sem a sua maior estrela, mas com mais soluções para a próxima época. A equipa tem jogadores fortes em todas as posições, como Timo Horn, Dominique Heintz, Frederik Sorensen, Jonas Hector (o mais consagrado), Marco Höger, Leonardo Bittencourt, Marcel Risse e Yuya Osako, jogadores fundamentais numa equipa muitíssimo bem orientada por Peter Stöger há já quatro temporadas. O futuro parece risonho para o clube, e os seus fervorosos adeptos certamente guiarão o clube a mais uma boa temporada.

Resultado de imagem para colonia vs borussia monchengladbach
Borussia Monchengladbach e Colónia vão tentar tudo para chegar à Europa

O Hertha BSC é outra equipa que pode aspirar a uma presença na Liga Europa. Depois de duas qualificações consecutivas, é possível que tenhamos um caso de “não há 2 sem 3”. O clube é agora estável, bastante bem orientado por Pál Dardai e, não tendo um grande conjunto de estrelas, o plantel é equilibrado e tem profundidade.

O plantel tem um misto de juventude, jogadores em “ponto rebuçado” e jogadores mais experientes. Jogadores mais jovens como jogadores como Karim Rekik, Mitchell Weiser, Niklas Stark, Ondrej Duda e David Selke permitem a irreverência. Vejamos o que este último poderá trazer à equipa e o que tal poderá significar em termos de mudança de sistema de jogo ou de nuances na forma de jogar. Jogadores como Marvin Plattenhardt (muito pretendido), Fabian Lustenberger, Vladimir Darida, Valentin Stocker, Alexander Esswein e Haraguchi permitem que a equipa avance para o próximo nível, oferecendo-lhe maturidade e maior qualidade. Por fim, jogadores como Peter Pekarik, Skjelbred e os avançados Kalou e Ibisevic oferecem a sua experiência e capacidade de decisão à equipa. De saída da equipa, destaque-se apenas a venda de John Anthony Brooks, um antigo central talismã, devido aos seus decisivos golos.

Com as suas poucas alterações no plantel e com o aumento da profundidade do mesmo, com a chegada de Mathew Leckie, por exemplo, o Hertha promete batalhar por uma nova qualificação para a Liga Europa e continuar o seu processo de ganho de notoriedade, honrando o nome da mais importante cidade alemã.

A última equipa que poderá possivelmente lutar pela Liga Europa é o Wolfsburgo. Depois de uma desastrosa época em 16/17, em que a equipa lutou até à última para não descer de divisão (safou-se no Playoff, contra o Eintracht Braunschweig), a equipa está obrigada a fazer bem melhor esta época. Com os jogadores que tem, tudo menos que a luta pela Liga Europa e a respetiva qualificação será um fracasso, ainda para mais sem competições europeias na presente época.

Do plantel base, saíram três jogadores bastante importantes: Ricardo Rodriguez, Luiz Gustavo e Diego Benaglio. Maior destaque para a saída de Ricardo Rodriguez, que vinha sendo uma das principais figuras do clube e dos poucos jogadores que não teve um péssimo desempenho na temporada passada.

Contratações dispendiosas foram feitas: Ignacio Camacho (15 Milhões de euros), Nany Landra Dimata (10 milhões de euros), John Anthony Brooks (17 milhões de euros) e William (5 milhões de euros). Foram 47 milhões gastos em quatro jogadores com muito a provar, esperando-se muito deles e estando aqui refletida a ambição de fazer bem melhor esta época.

Com a defesa comandada pelo americano Brooks e por Jeffrey Bruma, jogadores nas laterais e nas alas como Yannick Gerhardt, Vieirinha, Blaszczykowski e Paul-George Ntep, craques no meio campo como Bazoer, Max Arnold, Yunus Malli e Daniel Didavi e um ataque comandado por Mario Gómez, secundado pelo jovem Dimata, que marcou 14 golos na sua primeira época como sénior e chega bem rotulado da Bélgica, muito se pode esperar dos lobos em 17/18. Veremos se a época anterior foi uma lição a não repetir.

Resultado de imagem para vieirinha wolfsburg
Na passada temporada, o português Vieirinha marcou um golo decisivo que ditou a permanência dos lobos na Bundesliga. Nesta temporada, ele e os restantes jogadores do plantel estão obrigados a um rendimento bem superior

 

Nem todos os clubes lutam por objetivos mais altos, como competições europeias, ou estão sujeitos a lutar pela despromoção. Existem determinados clubes que estão designados a figurar a meio da tabela, sendo que destacamos três clubes nessa situação: Eintracht Frankfurt, Friburgo e Werder Bremen.

Uma das equipas dificilmente conseguirá subir mais acima do que um nono/décimo lugar será o Werder Bremen. A equipa perdeu a sua maior estrela, Serge Gnabry, não a substituindo de forma adequada. Por outro lado, adquiriu duas opções de qualidade para a lateral esquerda e para a baliza, Ludwig Augustinsson e Jiri Pavlenka, respetivamente, que podem dar a segurança necessária à equipa na hora de defender as suas redes. Jiri Pavlenka será titular face às saídas de Felix Wiedwald e Raphael Wolf, enquanto que Augustinsson chega para substituir Santiago Garcia. De destacar também a saída dos históricos Claudio Pizarro e Clemens Fritz (este acabando a carreira) e ainda a ida a custo zero de Florian Grillitsch para o Hoffenheim.

Na passada temporada, o Werder Bremen conseguiu fazer uma temporada segura, ficando-se pelo oitavo lugar, mas não será fácil repetir o feito, pois a equipa perdeu mais jogadores que aqueles que contratou. Veremos o que pode dar a equipa do Norte da Alemanha, sendo que será agora Max Kruse a assumir o papel de estrela da equipa, certamente secundado pelo extremo Fin Bartels, pelo médio ofensivo Zlatko Junuzovic, pelo médio centro Thomas Delaney e bem protegidos na retaguarda pelo esteio defensivo Lamine Sané.

O seu jovem técnico Alexander Nouri já mostrou serviço, e espera-se mais uma época de sucesso para este promissor treinador, com um lugar tranquilo mas sem incomodar os mais endinheirados.

Quanto ao Eintracht Frankfurt, será curioso perceber o que poderá fazer na próxima temporada. Saíram nove jogadores e entraram outros nove, concretizando-se assim alterações profundas no plantel. Destaquem-se a entrada do lateral holandês Jetro Willems para colmatar a saída de Bastian Oczipka, de Sebastian Haller, para colmatar a saída de Seferovic para o Benfica, e ainda a chegada de outros jogadores importantes como Gelson Fernandes ou Jonathan de Guzmán, jogadores experientes que podem oferecer qualidade à equipa. Além das saídas já destacadas, saíram também jogadores como Jesús Vallejo, de regresso ao Real Madrid, Guillermo Varela e Ante Rebic, entre outros.

Em balanço, o plantel parece que fica a ganhar opções de maior qualidade e experiência, mas dificilmente será suficiente para garantir mais que o meio da tabela ao clube histórico, muito por culpa da subida de nível dos adversários que se poderiam considerar mais diretos.

Destaque-se ainda que a equipa é bem orientada por Niko Kóvac e que é tipicamente forte na Commerzbank Arena, o seu reduto, pelo que poderá causar muitas dificuldades às equipas mais acima na tabela.

Resultado de imagem para frankfurt fans
Ambiente tipicamente espetacular na Commerzbank Arena. O Eintracht muito beneficia do apoio dos seus adeptos, criando muitas dificuldades aos seus adversários quando lá jogam

Uma das surpresas da última época foi o Friburgo. A equipa do experiente Christian Streich inicia esta época com duas baixas de peso, uma vez que Vincenzo Grifo saiu para o Gladbach e Maximilian Philipp saiu para o Borussia de Dortmund. Ainda assim, a maior parte das figuras permanecem no sudoeste alemão, como por exemplo o recente campeão europeu sub21 Marc-Oliver Kempf, o ofensivo defesa esquerdo Christian Gunter, os influentes médios Nicolas Hofler, Amir Abrashi e Janik Haberer, e os avançados Nils Petersen e Florian Niederlechner.

A nível de reforços, a equipa mantém a mesma política de sempre, aquisições cirúrgicas e a baixo custo ou empréstimos de mais-valias reais com opção de compra, como sucedeu com Niederlechner e Pascal Stenzel já este verão. Este ano os destaque vão para Phillip Lienhart que chega do Real Madrid Castilla, Barkosz Kaputska cedido pelo Leicester e Marco Terrazino, extremo italiano que foi importante na ponta final da última época do Hoffenheim. Espera-se uma época traquila para os homens de Streich, que deverão manter a coesão e coletividade, características que o ano passado permitiram o 7º lugar.

 

A aflitiva luta pela continuação na mais competitiva liga da europa!

Na época passada a luta pela manutenção revelou-se muito pouco disputada, uma vez que cedo se verificou que Darmstadt e Ingolstadt não tinham capacidade para acompanhar as restantes equipas e o fosso ficou demasiado acentuado deste bem cedo. Este ano, contudo, deverá ser bem diferente. Os históricos Estugarda e Hannover estão de regresso ao convívio dos grandes, e não vão querer certamente abandoná-lo. Mas a tarefa não se afigura fácil, uma vez que Mainz, Ausburgo e Hamburgo também devem estar nesta luta, e nos últimos anos têm conseguido campanhas que lhes têm permitido a manutenção.

O Hamburgo é um caso estranho. A equipa da segunda cidade mais populosa da Alemanha insiste em safar-se sempre à última, ano após ano. Mas a verdade é que se vai mantendo, nunca tenho falhado uma edição da Bundesliga. O plantel este ano, tal como nos outros, é limitado para o que já se viu no Hamburgo, mas está longe de ser fraco. Uma defesa com elementos como Douglas Santos, Kyriakos Papadopoulos e Gotoku Sakai, um meio campo com o brasileiro Wallace, Lewis Holtby, Aaron Hunt e Albin Ekdal e um ataque com Filip Kostic, Nicolai Muller e Bobby Wood não pode estar sucessivamente na luta pela manutenção.

A juntar a estes a equipa garantiu alguns nomes interessantes, como o titular da seleção alemã de sub21 Julian Pollersbeck e o potente e veloz avançado Andre Hahn vindo do Gladbach. Apesar da saída do patrão da defesa Johann Djourou, prevemos uma época semelhante às últimas, onde o Hamburgo vai andar entre o 16º e o 13º lugar.

Resultado de imagem para hamburgo fc players
Bobby Wood vai tentar dar aos adeptos do Hamburgo uma época mais tranquila

O Mainz tem tido um decréscimo nas suas últimas prestações na Bundesliga. Há duas épocas garantiu o apuramento para a Europa, neste ultimo ano ficou-se pelo 15º lugar. Acreditamos que o plantel perdeu um pouco de qualidade, mas que ainda assim deverá ser superior aos concorrentes diretos, sendo por isso provável um lugar mais confortável na tabela do que os rivais, sem no entanto se livrar de alguns sustos.

O grupo é quase o mesmo que acabou a época passada, já sem a estrela Yunus Malli, também sem o ponta de lança colombiano Jhon Córdoba nem o criativo Bojan Krkic que estava emprestado. Ainda assim o novo técnico Sandro Schwarz viu chegar reforços para todos os setores, como o experiente internacional alemão René Adler para a baliza, o jovem francês Abdou Diallo para a defesa, o talentoso romeno Alexandru Maxim para o meio campo e Viktor Fischer e Kenan Kodro para o ataque, que chegam de Middlesbrough e Osasuna, respetivamente. Será por isso um ano em que o Mainz é candidato à luta pelos lugares da segunda metade da tabela, podendo sempre surpreender e realizar uma época semelhante à de 2015/2016.

O Augsburgo é sempre uma incógnita. A equipa tem muitos altos e baixos ao longo da época, mas o facto é que se vem mantendo na elite há alguns anos. O plantel perdeu apenas o capitão Paul Verhaegh, mantendo nomes como Marvin Hinteregger e Kostas Stayfilidis na defesa, Daniel Baier e o coreano Koo no meio-campo, os extremos Jonathan Schmid e Takashi Usami e os avançados Raul Bobadilla e Alfred Finbogasson.

A estes nomes, juntam-se ainda os interessantes reforços Rani Khedira, Marcel Heller e Michael Gregoritsch, que juntando à base da época passada vão tentar levar a formação de Manuel Baum a uma época descansada, tarefa que nos parece, ainda assim, bastante árdua.

O Estugarda e o Hannover estão de volta ao lugar que merecem, a primeira divisão. Depois de uma época em que dominaram a segunda liga, os dois históricos têm adotado a mesma medida para abordar a nova época. Manter o núcleo e juntar alguns reforços de qualidade.

O Estugarda do ex-Sporting Emiliano Insúa optou pela manutenção de grande parte das principais figuras, com Tim Baumgartl, o próprio Insúa e Benjamin Pavard na defesa, o experiente capitão Christian Gentner, e os jovens Ebenezer Ofori e Berkay Ozcan no meio campo e Carlos Mané, Julian Green, Takuma Asano e Simon Terodde no ataque.

A este núcleo juntaram-se alguns reforços interessantes, com destaque para o guarda-redes campeão do mundo pela Alemanha em 2014 Ron-Robert Zieler. Para além do ex-Leicester, chegaram para a defesa o brasileiro Ailton vindo do Estoril, o polivalente Dennis Aogo e o crónico lesionado Holger Badstuber, ambos internacionais alemães. Para o meio campo e ataque foram contratados o jovem promissor congolês Chadrac Akolo, o jovem belga Orel Mangala e o internacional grego Anastosis Donis, que estava ligado à Juventus.

O Hannover conseguiu manter todos os principais jogadores, verificando-se apenas as saídas dos centrais Andre Hoffman e Carlos Strandberg, do extremo Marius Wolf e do avançado polaco Artur Sobiech, nenhum deles titular regular a época passada. As principais figuras, como o gigante Salif Sané, Oliver Sorg, Manuel Schmiedebach, Felix Klaus, Martin Harnik, entre outros, mantêm-se no clube e vão ser certamente peças fundamentais para o timoneiro Andre Breitenreiter, que volta ao ativo após ter sido despedido do Schalke em 2015.

A estes nomes, o novo treinador junta algumas importantes adendas, como o keeper Michael Esser que não acompanha o Darmstadt à segunda divisão, os laterais Julian Korb e Matthias Ostrzolek e o médio defensivo Pirmin Schwelger, todos vindos de equipas que já estavam na Bundesliga. Será, ainda assim, um ano de muita luta e muitas dificuldades para este Hannover, que tem o plantel menos valioso do campeonato até à data, esperando-se ainda mais um ou outro ajuste até 31 de Agosto, tal como no Estugarda.

Resultado de imagem para hannover vs stuttgart
Hannover e Estugarda estão de volta ao convívio dos grandes, e vão lutar com unhas e dentes para não o deixar

Será certamente mais um ano fantástico no campeonato alemão, onde a probabilidade de lutar por um lugar de Liga dos Campeões é quase igual à probabilidade de se encontrar em lugares próximos da zona de aflição (Vieirinha que o diga). O titulo esse, parece estar entregue, podendo sempre aparecer um super Dortmund. Os candidatos a novo Leipzig são alguns, e quererão certamente agigantar-se e realizar épocas acima do normal. É já no próximo fim de semana que o campeonato mais imprevisível da Europa começa, seguindo-se fins de semana consecutivos agarrados ao apaixonante e atrativo futebol alemão.

pelota2.jpg?fit=1200%2C672
Diogo AlvesAgosto 11, 20178min0

Está prestes a ter inicio mais um campeonato argentino e, como não podia deixar de ser, o Fair-Play fará uma antevisão a preceito. Um campeonato que conta com algumas novidades. Além do regresso do Chacharita Juniors sete anos depois, há também o regresso do clube de Juan Román Riquelme e Diego Armando Maradona: Argentino Juniors. A Primera División agora terá a designação de Superliga, e, passará a contar com menos duas equipas. Passam das 30 equipas para 28. A redução será ano após ano até voltar a ter 20 equipas no máximo. Esta época também não haverá a jornada especial, aquela onde só havia os superclássicos; Boca vs River este ano só se jogará por uma ocasião. Uma liga recheada de talento individual e colectivo que está quase a começar e promete uma luta renhida entre os dois gigantes de Buenos Aires.

Boca Juniors e River Plate: Os crónicos candidatos ao título

O Boca Juniors reforçou-se muito bem para defender com unhas e dentes o campeonato conquistado em 2017. Os xeneize não terão durante uma grande parte da época azáfama da Libertadores (nem Sul-Americana), o que poderá ajudar – e muito – a ganhar vantagem sobre os rivais mais directos (River Plate à cabeça do pelotão).

Sem perdas significativas no plantel, Schelotto poderá assim somar os reforços que chegaram a uma equipa já muito bem oleada e com a máquina muito bem afinada. Os reforços mais sonantes vieram do México (exactamente como há 1 ano com Benedetto), com a vinda do defesa-central Pablo Goltz (América) e do médio-ofensivo Edwin Cardona (Monterrey) que vestirá a mítica camisola 10.

Os novos reforços do Boca Juniors [Foto:tn.com]
Vindo do Uruguai Nahitan Nández é o substituto de Ricardo Centurión, que envolto em polémica, acabou por não ficar no Bairro da Ribera. Para dar ainda mais potência ofensiva, chegou vindo do Villarreal, o extremo Cristian Espinoza por empréstimo de uma temporada.

O River Plate procura o tão almejado título, e, nesta próxima temporada tentará recuperar a hegemonia do futebol argentino. Naquela que poderá ser a última época de Gallardo, os milionários reforçaram-se a preceito para atacar campeonato e Libertadores.

Perderam o avançado Driussi para o Zenit, uma baixa de peso, mas, conseguiram – para já – segurar o extremo Pity Martínez que é muito pretendido na Europa (apontado a Sporting CP). Da Europa chegou o reforço com mais hierarquia do plantel, Enzo Pérez, o ex-Benfica conseguiu desvincular-se do Valência e somar-se assim ao plantel do River.

Enzo Pérez já às ordens de Marcelo Gallardo [foto: riverplate.com]
 

Também do velho-continente chegou Germán Lux, guarda-redes há muito desejado em Nuñez. Internamente contrataram Javier Pinola (Rosário Central) e Ignacio Scocco ao Newell’s Old Boys, jogadores experientes e de qualidade. O reforço mais jovem acaba por ser Santos Borré que chega emprestado pelo Atlético de Madrid. Maioritariamente o River Plate reforçou-se com jogadores experientes, conseguindo assim uma mescla entre juventude e experiência no seu plantel.

O trio perseguidor…

Estudiantes, Racing e San Lorenzo poderão desafiar o poderio dos gigantes de Buenos Aires. O conjunto Pincha agora orientada por Gustavo Matosas terminou em 3º na época anterior e promete dar luta para a nova época, tendo mantido grande parte do plantel, para já Foyth e Ascacibar vão começar a época no Ciudad La Plata. As incorporações do veterano Mariano Pavone e de Gastón Fernández ajudarão a garantir mais qualidade e profundidade ao elenco platense.

O Racing Avellaneda garantiu bastante estabilidade com a entrada de Darío Conca a meio da época passada. O último treinador campeão por La Academia poderá agora ter uma época inteira ao serviço do clube, e, assim preparar melhor a formação de Lisándro Lopez para o campeonato. A perda de Acuña foi colmatada com a entrada do virtuoso Andrés Ibarguen, o colombiano ex-Atlético Nacional. Egídio Arevalo Ríos e Augusto Solarí são outros dois reforços do conjunto azul y blanco.

Em Almagro o San Lorenzo não terminou bem a época, tendo findado em 7º, contudo será sempre uma das equipas a ter em conta. Perderam o seu capitão Nestor Ortigoza, mas voltaram a contar nos seus quadros com o defesa-central Gonzalo Rodríguez que vem da Fiorentina. Diego Aguirre mantém-se no cargo e o objectivo é voltar a colocar o San Lorenzo de novo na rota os títulos, algo que já foge desde 2014.

Gonzalo Rodriguez regressa à “casa-mãe” [Foto: diariopopular.com.ar]

Equipas com futebol de autor

Independiente de Avellaneda e o Lanús são as equipas que praticam o futebol mais atractivo e entusiasmante da Argentina. Com a chegada de Ariel Holan, os rojo y blanco, melhoraram substancialmente e conseguiram terminar a época num honroso 6º lugar e por muito pouco (2 pontos) que não acabavam em 4º lugar que lhes valia a Libertadores. Já o Lanús, que continua com Jorge Alimirón terminou no 8º lugar e evidentemente perdeu o estatuto de campeão para o Boca.

Para esta época o Independiente reforçou-se com um dos meninos bonitos de Holan dos tempos do Defensa Y Justicia, um grande guerreiro, Jonas Gutiérrez. O jogador que lutou contra o cancro há um par de anos, revitalizou-se e está de novo na alta-roda do futebol aos 34 anos. Além do ex-Defensa Y Justicia, chegou ainda Fernando Amoriebieta, o defesa-central basco vem dar outra segurança ao sector defensivo – que pode perder Tagliafico – e chegou também Gastón Silva, central italo-uruguaio de 23 anos vindo do Torino. Por fim, chegou Nicola Domingo, ex-River. Jogadores experientes e com passagens pelo velho continente. Plantel que ainda conta com os virtuosos Barco (18 anos, somente), Emiliago Rigoni e Martín Benítez que dinamitaram a frente de ataque no último campeonato.

[Foto: independiente.com]
 

Já o antigo campeão, o Lanús, não sofreu ainda qualquer alteração de relevo no plantel. Continuam em forma na Copa dos Libertadores – apurados para os Quartos-de-final – e a praticar um futebol harmonioso, vistoso e de muita organização. Espera-se ainda um ataque ao mercado agora que conseguiram o tão almejado apuramento para os 8 melhores da Libertadores.

O regresso do Argentinos Jrs. e do Chacarita Juniors

O Argentinos Juniors, clube que viu nascer Diego Armando Maradona, está de regresso ao escalão máximo do futebol argentino. Liderados por Gabriel Heinze, o antigo jogador argentino conseguiu montar um bom plantel, e, acima de tudo deu-lhes uma identidade e personalidade. Dominaram a Primera B e foram algo de rasgadíssimos elogios por toda a crítica desportiva especializada no país. Um futebol harmonioso, de toque, privilegiar a bola e alegre. 25 Vitórias, 13 empates e seis derrotas, terminando com 88 pontos em 46 jornadas, mais onze que o 2º classificado.

Para a nova época, o Argentinos perderam o seu timoneiro. El Gringo Heinze já avisou a navegação que não irá continuar ao serviço do clube. Assumindo agora Alfredo Berti os destinos do clube. Para já, chegou ao clube Leonardo Pisculichi vindo do Vitória da Bahia. O médio-ofensivo de 33 anos está de regresso ao futebol argentino onde brilhou ao serviço do River Plate.

O Chacarita Juniors acompanhou o Argentinos até a Primera División. O 2º classificado da Primera B conseguiu a promoção numa das últimas jornadas, acabando o campeonato com mais dois pontos que o Guillermo Brown, o 3º classificado.

Sete anos depois o pequeno clube dos arredores de Buenos Aires está de regresso ao escalão principal do futebol argentino. Uma autêntica odisseia pelo que este clube passou nos últimos anos. Felizmente para o emblema El Funebrero, e seus apoiantes estão de regresso ao convívio entre os grandes. German Ré e Diego Rivero são os jogadores com mais destaque do plantel, o defesa alinhou durante vários anos no Estudiantes e no Newell’s Old Boys, enquanto Diego Rivero – médio – teve passagens pelo Pachuca, Cruz Azul, San Lorenzo, Boca e está agora de regresso ao clube de formação. Walter Coyette é o timoneiro da subida e permanecerá ao leme do clube tentando que o pequeno clube se mantenha no convívio entre os grandes durante as próximas épocas.

Para finalizar, um compacto dos 30 melhores golos do último campeonato.

 

DGoVAAXW0AAG7sn.jpg?fit=1200%2C800
Diogo AlvesAgosto 10, 201716min0

Os portistas depositam bastante confiança no novo timoneiro dos Dragões, Sérgio Conceição. Com um plantel construído com base na época passada, o ex-Nantes, Braga e Vitória SC, quer voltar a dar ao Dragão a alma de outros tempos.

Artigo feito em parceria com Francisco Isaac

COMPRAR OU NÃO COMPRAR, EIS A QUESTÃO…

Dos verões menos animados que existiram para o Reino do Dragão, com a realização de apenas uma entrada: Vaná (CD Feirense). O guarda-redes brasileiro, que deu várias “dores de cabeça” no empate a zeros na época passada, foi o único reforço fora-de-portas para o FC Porto. Porém, desenganem-se quem pensa que isto é sinal de fraqueza, fragilidade ou “morte anunciada” dos portistas… os “novos” reforços estavam nos empréstimos de anos anteriores.

Depois de várias épocas a esbanjar euros em jogadores que pouco ou nunca jogaram no Dragão, o FC Porto de Sérgio Conceição recuperou uma série de activos que podem dar outra profundidade ao plantel, não gastando qualquer valor no processo.

Vejamos: Aboubakar, Diego Reyes, Hernâni, Ricardo Pereira, Sérgio Oliveira, Bruno Indi (por esta altura a negociar uma hipotética saída para Inglaterra) e Marega. Ou seja, ao todo foram sete os retornos à equipa principal do FC Porto com duas a ganhar uma dimensão bem relevante para o 11 dos Dragões.

Falamos de Ricardo Pereira e Vincent Aboubakar. O lateral/extremo português regressou ao FC Porto após dois anos no Nice e tem sido uma das grandes surpresas durante a pré-época, dando outra profundidade ao corredor direito, apetrechado de um belo poder de cruzamento, boa visão de jogo e um ritmo bem mais alto do que Maxi proporcionava.

Aboubakar foi um autêntico matador na pré-época, com 7 golos, munindo-se de uma grande confiança, poder de choque e capacidade de moer a defesa a cada investida. Depois de um empréstimo ao Besiktas e de problemas com a anterior equipa técnica do FC Porto, o camaronês mereceu confiança de Sérgio Conceição e tem respondido com golos, golos e golos. Mas será só pólvora de pré-época?

Por outro lado, as saídas de André Silva e Rúben Neves poderão fazer-se sentir a médio prazo. O avançado, que deixou quase 40M€ nos cofres dos azuis-e-brancos, dava outras “armas” ao ataque, naquela que poderia ser uma época de total afirmação.

Já Rúben Neves poderia ter encaixado com qualidade no 4-4-2 de Sérgio Conceição, mas os quase 20M€ do Wolves parecem ter convencido a SAD do FC Porto a desfazer-se do médio. E se a saída de Danilo Pereira ainda se verificar, ficará um “buraco” por tapar no meio-campo… problemas antes do início da época?

Outras saídas a destacar foram os empréstimos de Boly (Wolves) e Mikel Agu (Bursaspor) e as vendas de Laurent Depoitre (Huddersfield), Andrés Fernández (Villareal) e potencialmente Josué (em negociações com o SC Braga). Ao todo o FC Porto somou 63M€ em transferências, apresentando um saldo positivo que agradará à Troika da UEFA, uma vez que o FC Porto está sob avaliação do Fair Play financeiro até 2020 (se considerarmos que a transferências de Óliver Torres só entra nas despesas de 2017/2018, o FC Porto conseguiu 43M€ positivos em transferências, não mencionando aqui os salários).

Vendo bem o FC Porto suprimiu a vaga de Boly com a inclusão de Indi e Reyes, a posição de lateral direito com Ricardo (com Layun a ficar o suplente directo de Telles), Sérgio Oliveira por Neves (não sendo uma troca directa, mas garante mais um “cérebro” para o miolo do terreno), Aboubakar, Marega e Hernâni por André Silva e Depoitre (o belga quase nunca foi opção nos Dragões) acrescentando mais uma opção para a frente de ataque ou extremidades do campo, o que perfaz um plantel mais audacioso, com mais escolhas e com outras soluções para os momentos mais intensos da época.

Todavia, um aviso aos mais esperançosos… a inclusão de Diogo Dalot (o lateral direito pode estar na calha para substituir Maxi ou Layun no plantel principal) e Rui Pedro não serão sinais que há alguma falta de recursos para ter opções mais experientes no plantel principal? Não faltará um ponta-de-lança suplente para entrar por Soares e Aboubakar? E não teria sido proveitoso chamar de volta Quintero, tendo um 10 “puro” como solução a Brahimi?

Vaná Alves a única contratação do FC Porto 2017/18 [Foto: fcporto.pt]

QUEM SAI NA FRENTE

A Pré-época é aquele período de trabalho das equipas que proporciona uma reviravolta na carreira de alguns jogadores… que o diga Vincent Aboubakar ou Ricardo Pereira, dois dos melhores jogadores do FC Porto durante todos os jogos da pré-época.

Ricardo Pereira encantou por completo as bancadas, com um futebol de classe, bem pautado, onde as investidas no ataque fizeram-se sentir, apresentando uma assertividade bem superior a Alex Telles no apoio aos extremos ou avançados dos Dragões. Para além disso, Ricardo traz velocidade, ritmo e resistência, ficando agora por confirmar a sua capacidade emocional para aguentar com o Tribunal do Dragão.

Aboubakar teve com Sérgio Conceição uma espécie de renovação aos olhos dos adeptos dos azuis-e-brancos… se os golos não foram os suficientes para agradar, o futebol aguerrido polvilhado com algum perfume (a fazer lembrar os primeiros tempos com a camisola do FC Porto) e raça na entrega acabaram por sanar o conflito com as bancadas, entrando numa nova reconciliação.

Sérgio Oliveira não tendo sido fantástico, fez o suficiente para agradar tanto o treinador como uma boa parte dos adeptos, denotando-se a capacidade para lançar jogo ao passe, comunicação intensa e boa capacidade de colocação (a velocidade e ritmo de jogo continuam a ser problemas no internacional sub-21 português).

Não deu para observar Diego Reyes com os “olhos” que todos queriam, mas o central mexicano parece ter amadurecido após dois anos de empréstimo na La Liga. Mais confiante, “raçudo” e competente, o central pode ser a solução para Marcano ou Felipe e durante os poucos jogos que fez cumpriu sempre com as suas obrigações.

Depois Soares voltou a deixar a sua marca com golos e entrega (continua a faltar visão de jogo mas já tem outra capacidade de ajuda na defesa). Brahimi com a classe do costume e sempre sob um bom certame, dominando bem as ingressões no meio-campo adversário, aplicando-se isto também a Corona.

Contudo, também houve lugar para desencantos com alguns jogadores nomeadamente com Hector Herrera (cada vez mais longe do jogador que foi em 2014/2015), Maxi Pereira e Miguel Layún.

O mexicano nunca demonstrou o porquê de ser um dos capitães no FC Porto durante os jogos de pré-época, realizando apenas um bom jogo em toda a pré-época (Cruz Azul). Falta de posicionamento, o ritmo nunca foi ideal e a sua participação no ataque foi longe da que Sérgio Conceição aprecia… para além disso, está atrás de Otávio e André André para opções no meio-campo. Estará o tempo do mexicano a terminar?

Maxi Pereira já não tem a intensidade de outrora e a perda de lugar para Ricardo Pereira prova, em parte, essa teoria. Para além disso, quando entrou em campo o lateral nunca foi a unidade mais competente, comprometendo o ataque em alguns momentos e a ter dificuldades em aguentar com adversários mais exímios a explorar as suas costas (pela qualidade mais baixa dos adversários, o FC Porto nunca teve um teste de fogo durante este início de época).

Por fim, Miguel Layún está definitivamente relegado para o banco de suplentes ou para a “equipa de reservas”, já que só pela sua polivalência irá convencer Sérgio Conceição a inclui-lo nos 18 convocados de cada semana. Layún está longe do lateral de 2015/2016 e uma hipotética transferência poderá estar para acontecer num futuro próximo.

Estes foram os jogadores a destacar por cima e por baixo da pré-época do FC Porto, com os retornados a ganhar um papel de destaque nos convocados do novo treinador dos Dragões.

Regressou, viu e venceu. A estrela da pré-época, Vincent Aboubakar [Foto: noticiasaominuto.com]

«Ardente voz»

Sérgio Conceição espelha na perfeição uma das frases marcantes do hino do FC Porto, com uma voz ardente e flamejante. Um homem íntegro, honesto, directo e frontal, sem medo de assumir riscos e de dizer o que lhe vem à alma no preciso momento. Transparente e igual a si mesmo em todas as conferências de imprensa ou flash-interview. Não deixa passar nada, não deixará nada por dizer.

Do discurso melancólico, monótono e monossilábico, os dragões agora têm um treinador com um discurso inflamado, directo e com imenso conteúdo. Conteúdo que deixou bem claro desde o primeiro dia, avisando desde logo toda a navegação que com ele sentirão pressão desde o dia 1, com processos de treino de qualidade e não esperem paninhos quentes nas horas mais duras.

Emocionado pela chegada ao seu lugar, à sua cadeira e ao seu Dragão, Sérgio Conceição tem sempre uma ponta emocional em todos os momentos. De lágrima no olho e voz algo embargada, procura fugir à emoção, até porque, como o próprio diz, a emoção retira-lhe a razão e no banco do Dragão a razão tem de estar acima de qualquer emoção.

Falou sempre do jogo, dos aspectos do jogo, do que pretende e do que não gostou e quer “afinar”. Não procurou os lugares comuns ou chavões da praxe em época onde tudo é treino, tudo é uma questão física. Não se refugia nos 20 remates conseguidos, não aponta a ineficácia como o mal para o empate ou derrota. Procura logo focar-se no que esteve menos bem, os 15’ minutos finais, do que os 75’ onde a equipa esteve realmente bem. Perfeccionista vai ao detalhe e não deixa escapar nada.

No banco de suplentes já vimos alguma da sua azia e da sua ginástica habitual. Não para nunca, gesticula, assobia, chama pelo jogador e se for preciso mandar um berro ele fá-lo. De garrafa de água na mão e com a mirada atenta no relvado, não deixa escapar um detalhe que seja, pede para a linha defensiva subir mais ou menos, questiona o jogador porque não deu cobertura ou porque “fugiu” da jogada. Nem os auxiliares e árbitro escapam ao novo timoneiro do Dragão.

Foi visível no jogo de apresentação, diante do Deportivo La Coruña, questionando Jorge Sousa (de forma respeitosa) se não havia um penalti. «Jorge, mão ali, não?». No México não deixou que o árbitro fizesse farinha com ele e ordenou que os jogadores não batessem as grandes penalidades, saindo assim de campo após o apito final.

[Foto: noticiasaominuto.com]

Porto à Porto

Na vertente mais técnica e táctica, o novo timoneiro prometeu um Porto diferente, nem melhor, nem pior mas diferente dos últimos 4 antecessores. Quer um Porto mais à imagem dos bons velhos tempos, agressivo, a jogar com bola, a sufocar o adversário desde o apito inicial até o final. Sem medo de assumir riscos para obter o resultado pretendido, procura um Porto mais à imagem do Porto. Determinado, ambicioso e de vertigem.

Em campo já se vê a imagem do treinador, a forma como ele quer que o Porto jogue, ainda não ao máximo, mas os jogos de pré-época deram para limpar a vista e elevar as expectativas, até mesmo dos mais pessimistas. Agressivos com bola e sem bola, a querer procurar baliza desde o primeiro instante, assim que há perda de bola o objectivo é logo recuperá-la com uma pressão muito sui generis e que não se via há algum tempo no Dragão. Alta, sufocante e até por vezes desordenada. O objectivo é atacar quando se tem bola, sem bola passa por recuperá-la para voltar atacar.

Ainda que do ponto de vista mais da organização o processo defensivo ainda terá de sofrer ajustes, de forma a torna-lo mais efectivo, já vemos coisas interessantes, e que, dentro de portas poderão funcionar muito bem. O Porto ainda sofre quando a 1ª linha de pressão é batida e quando começa a defender no seu próprio meio-campo, faltando melhores ligações entre sector médio e defensivo. Ainda assim é visível a melhoria de jogo após jogo durante a pré-época, sinais do perfeccionista Conceição.

Rasgar com o passado

Sérgio Conceição marca um fim de uma era, a era do 1-4-3-3, sistema muito utilizado desde os anos 80 no Porto. Desde Pedroto, passando por Mourinho e acabando em Lopetegui. O sistema que fez escola, marcou décadas e que deu títulos, vê agora o seu fim, pelo menos para já. O 1-4-3-3 era como uma pele para os portistas. Quem se atrevia a chegar e mudar com o seu sistema era logo olhando com desconfiança.

Que o digo Paulo Fonseca que tentou de uma forma tímida implementar um 1-4-2-3-1, e acabou engolido pelo Tribunal do Dragão. Mourinho é o único caso de sucesso com títulos, o seu 1-4-4-2 usando nas competições europeias, nomeadamente na Liga dos Campeões em 2004, foi essencial para a conquista de Gelsenkirchen.

Nuno Espírito Santo plantou a semente e agora cabe a Sérgio Conceição dar as dinâmicas de acordo com o clube. O 1-4-4-2 desta época é diferente do ponto de partida da época passada, desde logo porque as dinâmicas de jogo são muito diferentes. O calculismo e pragmatismo, deu a lugar à verticalidade e ao risco.

Afinal como joga este Porto de Sérgio Conceição

Dispostos em campo em 1-4-4-2, como já referido, o FC Porto procura agora um tipo de jogo mais posicional e menos anárquico, usando a ordem para desordenar o adversário, elaborando sempre com posse de bola como um meio e não um fim. Procurando provocar o adversário, chamando-o para zonas interiores – onde há desde logo mais unidades – para libertar os corredores.

Laterais a garantir amplitude e profundidade, com Alex Telles e Ricardo, os vaivém nos corredores estão garantidos e desde logo com boa variabilidade na forma de atacar. Sobretudo com Ricardo quem evidencia uma boa capacidade de atacar a profundidade para cruzar, ou diagonais interiores para chegar a zonas de finalização. Os centrais terão também um papel fundamental na manobra ofensiva, sendo eles com Casillas, os primeiros construir com bola.

Dois médios-interiores, com papéis distintos mas de complementaridade. Um médio mais posicional, mas de construção e menos de destruição. Danilo será esse jogador, mas tem mostrado muitas dificuldades com bola, o que poderá obrigar a uma adaptação de André André à posição. À sua frente jogará um médio com maior raio de acção e que será o cérebro do jogo, o processador, Óliver Torres. Com os dois extremos – Brahimi e Corona – metidos bem por dentro para libertar os corredores para os laterais, mais entrelinhas para participarem em criação nas zonas de decisão.

Na frente dois homens de área – Aboubakar e Tiquinho – mas que têm a missão de à vez irem baixando para dar suporte aos médios, e assim existirem uma maior ligação entre todos. Com dois avançados “puros” o Porto terá mais força dentro da área e aumentado assim a percentagem de sucesso em zonas de finalização. Algo que na época passada foi muito debatido.

A defender haverá uma pressão imediata sobre o recuperador da bola, aumentado assim o sucesso de recuperação em zonas mais adiantadas. Pressionar logo que possível para roubar a bola ao adversário e voltar atacar. Sempre com 6 unidades no meio-campo alheio, formando muitas vezes um losango com os médios para dificultar as tarefas de construção ao adversário.

Em suma, teremos um Porto mais à sua imagem, onde irá imperar a sua força e vontade de querer muito vencer e dominar os jogos. Voltará o Porto de maior posse de bola, mas com a diferença de ser uma posse de mais qualidade e menos estéril. Havendo espaço ataca-se, não havendo provoca-se esse espaço. O futebol Rock N’Roll parece estar de volta ao Dragão depois de vários anos de ausência.


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS