20 Set, 2017

Arquivo de FP Scouting - Fair Play

xtassis.jpg?fit=1200%2C817
Diogo AlvesAgosto 7, 20174min0

Produto da formação do Vélez Sarsfield, Gino Peruzzi é, actualmente, lateral direito do Boca Juniors e um dos bons valores actuar no mercado sul-americano. Não sendo um wonderkid, é um jogador de (apenas) 25 anos e num estado de maturação bom para voltar à Europa onde já actuou ao serviço o Catania Calcio. Acompanhe este artigo, feito em parceria com a Talent Spy, para conhecer este jogador que, em breve, poderá figurar no velho continente.

Gino Peruzzi fez parte das categorias base do Vélez Sarsfield, e foi lá onde nasceu para o mundo do futebol. O lateral-direito estreou-se na equipa principal na época de 2010/11 com apenas 18 anos de idade. O jovem jogador na altura realizou apenas 2 jogos e ambos vindo do banco de suplentes.

Uma subida ascendente e metódico até que afirmou-se com exactidão no onze titular do clube de Buenos Aires. Em 2012/13 foi quando deu o boom na sua performance e também a época onde o brilho na Primera División valeu-lhe o bilhete para jogar em Itália. Nomeadamente no Catania Calcio, onde esteve duas épocas. A descida à Serie B do clube italiano precipitou a sua saída e o regresso ao campeonato argentino, agora, para defender as cores amarelas e azuis do Boca. Onde já está há 3 épocas.

Somente com 25 anos é já um jogador que pode gabar-se de ter alguns títulos na sua vitrine. Foi campeão argentino por cinco ocasiões entre 2010/11 e 2016/17. Três das quais pelo Vélez e duas ao serviço do Boca. Ao serviço dos bosteros também já arrecadou uma Taça da Argentina.

[Foto: Soccerway.com]
 

Lateral com bastante propensão ofensiva e com bastante chegada ao último terço ofensivo. Sem bola (e em ataque) posiciona-se como fosse um extremo, garantindo amplitude e profundidade ao corredor direito, permitindo que o extremo pise terrenos interiores se assim o quiser. Estando o extremo mais perto de zonas exteriores, Peruzzi não se incorpora por dentro, opta por realizar um overlap sobre o extremo dando uma linha de passe vertical ao portador da bola. Com bola opta por um estilo mais pausado e de passe, ligando muitas vezes com os médios que estão em zonas interiores. Não é propriamente um jogador tecnicamente forte, e, tendo adversários pela frente, opta pelo passe e não pelo drible.

Defensivamente é um jogador que prime pela segurança e não pelo risco, realizando muita contenção em duelos defensivos. Garante cobertura ao lateral do seu lado quando bola está do lado contrário, fechando bem por dentro e optando por uma marcação zonal e não ao homem. Com bola no seu corredor, opta por uma maior contenção em 1×1. Por vezes exagera nessa contenção, o que permite que o portador da bola tenha tempo e espaço para decidir. Não sendo um jogador agressivo, opta pelo bom posicionamento para realizar os devidos desarmes. Revela uma boa colocação nos apoios defensivos.

Boa opção para…

Sporting CP: Sabendo-se da procura que o Sporting tem feito por um novo lateral direito, Peruzzi poderia ser uma boa opção para Jorge Jesus. Só Piccini não chega, e Schelotto já é carta fora do barulho. Os leões têm alguns argentinos no plantel e isso favoreceria a sua adaptação, além do mais, residualmente poderia formar a dupla de laterais da época passada do Boca. Peruzzi e Jonathan Silva.

SL Benfica: Os encarnados estão em busca do substituto perfeito (se é que o há) para colmatar a venda de Nélson Semedo. Sabendo que o antigo lateral dava uma enorme projecção ao corredor direito, com Peruzzi o Benfica também teria um jogador da mesma espécie, ainda que, com menos capacidade técnica para os duelos de 1×1 ou 1×2 no último terço ofensivo. Em suma, seria um bom reforço e não fica em nada a dever a Douglas que tem sido apontado às águias.

Guilherme_Arana_capa2_Daniel-Augusto-Jr-Ag.-Corinthians.jpg?fit=1024%2C576
Rafael RibeiroJulho 25, 20173min0

Cria das categorias de base do Corinthians, não é pela falta de laterais com bom rendimento que Guilherme Arana se destaca. A sólida campanha do jogador junto ao plantel corintiano nesse Campeonato Brasileiro de 2017 faz com que diversos grandes europeus voltem seus olhares para este jovem promissor. Acompanhe este artigo, feito em parceria com a Talent Spy, para conhecer este jogador que, em breve, poderá figurar no velho continente.

Guilherme Antonio Arana Lopes, nascido em 14 de Abril de 1997 (20 anos), está chamando a atenção por suas excelentes apresentações com o Corinthians nesse Campeonato Brasileiro. O que pode-se afirmar é que o lateral esquerdo possui um rendimento ascendente desde que se tornou profissional. A conquista da Copa São Paulo de Futebol Júnior em 2015 foi o pontapé desta caminhada, que continua nos tempos atuais com o jogador sendo um dos destaques do Brasileirão, após ser eleito o melhor lateral esquerdo do Campeonato Paulista de 2017, vencido pelo próprio Corinthians.

As primeiras chances com os profissionais já tinha acontecido em 2014, quando Mano Menezes o chamou para completar o banco de reservas em jogos da Copa do Brasil e do Brasileirão do ano. No ano seguinte é que, com a conquista da “Copinha” pelos juniores, ganhou novas chances na fase final do Paulista. Depois disso, uma rápida passagem por empréstimo no Atlético Paranaense até que, com a venda do lateral titular Fábio Santos ao México (hoje já jogando no Atlético-MG), retornou antecipadamente para começar sua escalada no Timão.

soccerway

Arana está longe de ser um lateral completo, ofensiva e defensivamente falando, porém pela idade é compreensível. O destaque é pela via ofensiva, característica principal e que permite ao jovem demonstrar suas principais habilidades: o um contra um, a arrancada, a boa chegada ao fundo para encontrar atacantes na grande área. O toque refinado e a visão de jogo ampliada fazem com que o jogador tenha uma boa leitura de jogo, apesar de abusar de jogadas individuais em certos momentos. Fato é que o iminente crescimento do jogador ao longo desta época tornam o jogador um dos mais visados nesta janela de transferências, mesmo que a diretoria do clube paulista diga constantemente que não vai liberá-lo tão facilmente.

BOA OPÇÃO PARA…

Sevilla – As últimas notícias dão conta de que o time espanhol pode acenar com esta contratação, que vem a calhar tanto para o time quanto para o jogador, que já disse abertamente sonhar em jogar na Europa, e que acha ter qualidades parecidas com o estilo de jogo espanhol. Os próprios jornais espanhóis já chegaram a comparar o jovem com o experiente e bem sucedido Marcelo, multi-campeão pelo Real Madrid.

Bordeaux – Especulações sobre a compra em definitivo do zagueiro Pablo pelo Corinthians fazem com que parte dos direitos econômicos do lateral Arana sejam envolvidos na negociação. O time brasileiro tenta segurar o lateral até o fim do ano, mas sabem do desejo dos franceses em contar com o futebol de Guilherme. Fato é que ele tem talento para completar a equipa francesa.

1.jpg?fit=1024%2C576
Diogo AlvesJulho 17, 20173min0

Santiago Ascacíbar de apenas 20 anos é um dos nomes que mais se destacaram nas duas últimas épocas. O pequeno jovem subiu à equipa sénior do Estudiantes em 2016, somente com 18 anos, e, agarrou o lugar na equipa principal. Este médio-defensivo é apelidado como o novo Mascherano, mas de quem tem recebido muitas lições é do seu presiente, Brujita Verón. Sabe tudo sobre este jogador argentino com ajuda da Talent Spy.

Formado nas categorias base do Estudiantes La Plata, Ascacíbar é visto como uma das grandes referências por todos os escalões por onde passou. O argentino formou-se no clube Pincha e é tido como uma das grandes promessas do clube. Capitão em várias escalões jovens, a sua qualidade aliada a uma grande determinação e resiliência levaram a que, em 2016, com apenas 18 anos de idade, fosse lançado por Gabriel Milito na equipa principal.

Desde a sua estreia até aos dias de hoje, Ascacíbar não mais baixou de escalão. Manteve-se na equipa principal, e, ganhou o seu espaço entre os maiores. Assumiu a titularidade e aos poucos como líder num meio-campo que contava com a experiência do veterano Israel Damonte.

É já uma das peças fundamentais no meio-campo da selecção Argentina de Sub-20. Esteve presente no Sul-Americano (em Fevereiro) e mais recentemente no Mundial de Sub-20. A sua primeira grande competição internacional foi os Jogos Olímpicos de 2016, onde defrontou Portugal na fase de grupos.

[Foto: soccerway.com]
El Ruso apresenta-se como um médio de características defensivas, actuando como 6 num sistema táctico de apenas um médio de contenção, e pode também jogar com um companheiro ao lado num esquema de 4x2x3x1, por exemplo. Em duplo-pivô.

Agressivo com e sem bola, boa capacidade de desarme e de intercepção. Utiliza bastante a antecipação (como efeito surpresa) para roubar bola ao adversário, seja em terrenos do rival ou em meio-campo próprio. Muito intenso em todos os momentos de jogo, mesmo sendo um jogador de baixa estatura – apenas 1,70cm – não sai fragilizado nos duelos físicos. Capacidade de choque e de pressionar alto.

Nota-se ainda alguma falta de criatividade do ponto de vista ofensivo e posicionalmente ainda comete alguns erros de leitura. Terá de tornar-se num jogador mais fixo se quiser fazer carreira a 6 numa grande equipa europeia. Compensa com a velocidade de deslocamento e com a facilidade que tem em desarmar os adversários.

Boa opção para…

Atlético de Madrid – É um jogador muito à imagem de Diego Simeone, e, seguramente que encaixaria muito bem no meio-campo colchonero. A capacidade de desarme aliada à velocidade e grande intensidade no seu jogo, seriam muito empregues no jogo do Atlético de Madrid.

Sporting CP – Tem-se falado imenso na saída e William Carvalho e dúvidas há se Petrovic poderá ser, ou não ser, a opção de Jorge Jesus para 6 e suplantar a saída do internacional português. O Sporting mostra-se atento ao mercado argentino e Ascacíbar seria mais uma contratação com atestado de qualidade. Certamente que iria dar um salto qualitativo com Jorge Jesus. A única entrave, seria a sua baixa estatura de 1,70cm, Jorge Jesus gosta mais de jogadores fisicamente mais poderosos.

david-accam-chicago-fire-mls-08142016_koyrixqipkfb14d8e6yxp8vbd-e1498766738217.jpg?fit=1200%2C540
António Pereira RibeiroJunho 29, 20174min0

Aos 12 anos, David Accam foi descoberto por um observador arguto, enquanto desfilava o seu talento futebolístico cru nos campos de Accra, capital do Gana. Agarrou a oportunidade, e trilhou um caminho ascendente primeiro em Inglaterra e mais tarde na Suécia, que lhe valeu a presença na selecção nacional. Hoje, o avançado ganês assume-se como um dos jogadores mais empolgantes da Major League Soccer, e pode muito bem retornar à Europa já este Verão. Sabe tudo sobre esta figura em ascensão, com a ajuda da Talent Spy.

Fundada em 1999, a Right to Dream Academy tem vindo a cumprir a sua missão de recrutar jovens talentos africanos nas ruas, e oferecer-lhes as condições para se tornarem futebolistas profissionais. Na sua lista de graduados podemos encontrar o ganês David Accam, que começou o seu percurso nas divisões inferiores britânicas, ao mesmo tempo que concluía a sua licenciatura. Com 22 anos, mudou-se para o terceiro escalão sueco, onde causou impacto imediato na época inaugural. Surgiu o interesse do campeão nacional em título Helsingborg, que se disponibilizou a pagar dois milhões de euros pela transferência de Accam, valor recorde para futebolistas da terceira divisão sueca.

O registo frutífero de 30 golos em 62 partidas acabou por ser recompensado com a primeira internacionalização pelo Gana, em Novembro de 2014, frente ao Uganda. Vários emblemas europeus disputaram a compra do seu passe, mas Accam decidiu assinar pelos norte-americanos Chicago Fire. Desde a sua chegada em 2015 que o veloz avançado se tornou a principal figura do clube orientado actualmente por Veljko Paunovic, só que em 2017, após o evidente fortalecimento do plantel (Nemanja Nikolic, Bastian Schweinsteiger…), o rendimento de Accam conseguiu disparar para níveis ainda mais elevados. Dez tentos e seis assistências em 16 encontros fizeram despertar o interesse do outro lado do Atlântico, sendo que os candidatos mais fortes à sua contratação, por enquanto, são os turcos do Bursaspor.

Soccerway

Não é exagero nenhum afirmar que David Accam é um dos futebolistas mais rápidos do mundo. Aos mais cépticos, lanço o desafio de comprovarem essa velocidade supersónica com os seus próprios olhos. Mas cuidado, é fácil perdê-lo de vista no sprint. Combina a ligeireza com uma boa capacidade de drible, aliança fatal para qualquer defesa contrário. Outra das suas grandes valências é o remate portentoso que utiliza, eficaz em 29 ocasiões, nos 64 jogos realizados envergando a camisola dos Fire. Tradicionalmente podemos vê-lo no flanco esquerdo, a atacar o espaço nas costas da defesa, embora já tenha sido colocado no centro do ataque. As suas características aconselham sobretudo a faixa, algo que Paunovic percebeu, e continua a utilizar a seu favor.

Contudo, todos os jogadores têm as suas debilidades, e apesar da descrição enfática gizada no parágrafo anterior, Accam não é excepção. Para começar, apresenta fragilidades evidentes no jogo aéreo. Por outro lado, a velocidade extrema característica, acima de qualquer limite, retira-lhe frequentemente a clarividência na hora do passe. Finalmente, a sua principal função dentro de campo, a de explorar adversários descompensados com incursões rápidas, tem forte influência na disponibilidade defensiva, que se dilui rapidamente ao longo da partida.

BOA OPÇÃO PARA…

Légia Varsóvia – O bicampeão polaco precisa de sangue novo no ataque para tentar o terceiro título consecutivo, sobretudo após as saídas de Nemanja Nikolic e Ondrej Duda. Neste contexto, David Accam seria a opção certa, e os lugares cimeiros da lista de artilheiros da Ekstraklasa estariam certamente reservados para o ganês.

CS Marítimo – A eliminatória de qualificação da Liga Europa está aí à porta, e se os insulares quiserem fazer boa figura na competição europeia, e não vacilar internamente, precisam de garantir algumas figuras de valia adicional. A contratação de um extremo rapidíssimo como Accam, especialista em capitalizar os contragolpes, seria excepcional.

 

Ian-Semar-2-13.2-e1498405479576.jpg?fit=1050%2C399
António Pereira RibeiroJunho 25, 20174min0

Nos meandros incógnitos do segundo escalão do futebol colombiano, os olheiros do Sporting Kansas City conseguiram encontrar um jovem Jimmy Medranda. Anos mais tarde, converteram o lateral em extremo, e estão agora a colher os frutos sumarentos da sua aposta certeira. Conhece melhor este ala colombiano que se tem destacado na MLS, num artigo desenvolvido em parceria com a Talent Spy.

Os primeiros passos de Jimmy Medranda no futebol foram dados no Deportivo Pereira, emblema que milita na segunda divisão da Colômbia. Por lá manteve-se até completar 19 anos. O seu estatuto de desconhecido iria provavelmente prolongar-se por mais algum tempo, só que um acaso chamado Octavio Zambrano concedeu-lhe uma oportunidade inesperada. O técnico equatoriano tinha concluído uma ligação de três anos como assistente no Sporting KC quando chegou ao Deportivo Pereira, e, ao testemunhar o potencial de Medranda, decidiu referenciá-lo aos seus ex-patrões. Este networking deu a origem a um empréstimo em 2013, que convenceu os responsáveis norte-americanos a assegurarem o jogador em definitivo um ano mais tarde.

Os minutos não apareceram de imediato, e foi preciso esperar até 2016, para vermos Jimmy Medranda de forma regular no lado canhoto da defesa do Sporting KC. A sua vocação ofensiva deu tanto nas vistas ao longo da época, que o técnico Peter Vermes achou por bem adiantar o seu posicionamento no corredor. O rendimento e a influência de Medranda cresceram substancialmente no 4x3x3 da equipa, contribuindo de forma decisiva para o sucesso colectivo evidenciado na primeira metade de 2017.

Soccerway

O colombiano também chegou a ser testado no meio-campo, onde deu uso à sua leitura de jogo acima da média, mas é mesmo na ala que exprime melhor o seu futebol. Apesar da sua posição mais avançada no terreno, Medranda não convence pelas estatísticas ofensivas. Medranda assume-se como um extremo combativo, capaz de proteger todo o corredor, como poucos o fazem na MLS. Combina a velocidade com a resistência e a agressividade, tornando-se um obstáculo difícil de ultrapassar, mesmo para os laterais mais afoitos. Sabe fazer incursões rápidas e soltar colegas quando é necessário, da mesma forma que recua e bloqueia as investidas dos adversários com bravura.

Nos aspectos a melhorar, devemos apontar o seu jogo aéreo deficitário, e o pouco esclarecimento que demonstra muitas vezes na hora de rematar à baliza. Outra questão que se tem colocado prende-se com a condição física do jovem lateral, sempre um assunto sensível desde a sua chegada aos Estados Unidos. Contudo, a partir do momento em que começou a jogar regularmente, as maleitas físicas dissiparam-se. Veremos até quando.

BOA OPÇÃO PARA…

Grêmio Porto AlegrenseApesar de apresentar o melhor futebol do Brasileirão neste arranque de temporada, a Máquina Tricolor ainda não conseguiu dar o salto até à liderança da tabela classificativa. A contratação de um polivalente como Medranda, capaz de ocupar qualquer espaço na faixa esquerda, e até no centro do terreno, poderia ser a peça que faltava.

GD Estoril Praia – O técnico Pedro Emanuel está a acertar agulhas no seu plantel para a época que se avizinha, e Medranda seria, sem dúvida, uma opção interessantíssima, não só para 2016/17, mas sobretudo considerando uma perspectiva a longo-prazo. Acessível ao bolso dos canarinhos, o jovem colombiano tem um potencial desportivo e financeiro que não pode ser descurado.

1497637911740398.jpg?fit=1024%2C605
Ricardo LestreJunho 19, 201712min0

Num continente onde persiste o reinado de Omar Abdulrahman, surgem outros jogadores que, temporada após temporada, continuam a demonstrar rendimentos excepcionais. O Fair Play dá-te a conhecer alguns dos nomes mais interessantes em todo o futebol asiático.

Kosuke Nakamura | Guarda-redes

Nacionalidade: Japonesa

Idade: 22 anos

Clube: Kashiwa Reysol

Internacionalizações AA: 0 (2 pela Selecção Olímpica 2016)

Valor de mercado: 800.000€*

Por detrás da excelente e surpreendente temporada do Kashiwa Reysol até ao momento, está Nakamura, guarda-redes japonês de 22 anos. Formado na academia dos Sun Kings, Nakamura estreou-se como sénior ao serviço do Avispa Fukuoka – equipa que disputara a J-League 2 e para o qual seguiu a título de empréstimo em 2015 – e o seu rendimento surpreendeu totalmente os responsáveis do Kashiwa: em 23 jogos somou cerca de 15 (!) clean sheets. Assim, em 2016, Nakamura foi a aposta número 1 do clube para a baliza e os resultados voltaram a confirmar todo o seu potencial. Em 32 encontros divididos pelas diferentes competições, o jovem keeper manteve as redes intactas por 13 ocasiões. Na actual temporada, com um total de 15 disputados, Kosu não sofreu qualquer golo em 7. Algo simplesmente fantástico.

O Outside of the Boot destacou, no mês de Janeiro, alguns dos nomes mais interessantes da J-League 2016 pelo que Kosuke Nakamura foi um dos visados. Ágil, dono de óptimos reflexos, boa elasticidade e de uma grande voz de comando de área. Por outro lado, revela algumas deficiências a nível do jogo de pés assim como de posicionamento, algo típico de um jogador tão jovem. A qualidade não engana. O sucessor de Eiji Kawashima já tem o seu destino traçado.

Abdelkarim Hassan | Defesa

Nacionalidade: Qatarí

Idade: 23 anos

Clube: Al-Sadd

Internacionalizações AA: 54/8 golos

Valor de mercado: 650.000€*

Produto da famosa Aspire Academy, Abdelkarim Hassan é hoje um dos grandes valores qatarís da actualidade e do futuro. Desenvolveu um percurso interessante pelas selecções jovens do país (sub-20 e sub-23) até figurar na convocatória do escalão sénior para a Asian Cup 2011, com somente 17 anos. Antes disso, assumiu um papel de destaque e destacou-se como o jogador mais jovem, inclusive, da Liga dos Campeões Asiáticos 2011, a única vencida até ao momento pelo Al-Sadd. Hoje, é um dos pilares da selecção nacional e de um dos maiores clubes do Qatar, treinado por Jesualdo Ferreira.

Hassan é um lateral esquerdo possante, de grande envergadura física (1,86 m, semelhante a Benjamin Mendy) que se sobressai imenso pela passada larga e pelo forte remate. É extremamente difícil de travar nas transições ofensivas e de ultrapassar nas transições defensivas. Disputa lances nos diferentes momentos da partida com uma intensidade brutal, o que muitas vezes prejudica as suas acções individuais e, consequentemente, as colectivas. Tem vantagem clara no jogo aéreo tal como nos duelos físicos e abarca uma capacidade técnica razoável para a sua posição. No entanto, a sua acentuada propensão ofensiva faz com que seja um pouco permeável a nível defensivo provocando, de forma algo frequente, situações de perigo aos restantes companheiros. Posto isto, caso se projecte uma selecção qatarí de qualidade para os próximos anos, Abdelkarim Hassan terá, certamente, um lugar reservado como um dos maiores esteios do plantel.

Nam Taehee | Médio

Nacionalidade: Sul-coreana

Idade: 25 anos

Clube: Lekhwiya SC

Internacionalizações AA: 30/3 golos

Valor de mercado: 4.000.000€*

Num continente onde subsiste o reinado de Omar Abdulrahman, já previamente analisado no Fair Play, surge um outro jogador de tremenda classe e cujas habilidades se destacam perante os demais. Nam Taehee, playmaker de elevado calibre e figura de proa do histórico Lekhwiya, é um dos jogadores sul-coreanos mais jovens de sempre a estrear-se nos maiores palcos europeus, aquando da sua passagem pouco proveitosa, diga-se, pelo Valenciennes FC em 2009/2010. Na verdade, Taehee desde muito novo que interagiu com o futebol europeu. Abandonou a formação do Ulsan Hyundai em 2007 para se juntar à academia do Reading FC onde se manteve por uma temporada e meia. O clube inglês reconheceu, de facto, as suas qualidades mas decidiu não avançar para um contrato profissional, o que levou o Valenciennes aproveitar-se da situação. Embora tenha alcançado uma proeza interessante, o tempo de jogo registado em França foi bastante escasso. Eis que, na época 2011/2012, o Lekhwiya SC, clube de topo da Qatar Stars League, assegurou a sua contratação. Nam Taehee viu, finalmente, todo o seu talento ser potenciado.

Nam Taehee é um médio-ofensivo de raiz que pode desempenhar a função de extremo. Contudo, as suas caraterísticas físicas/tácticas fazem com que a posição 10 seja a mais adequada. Drible curto, técnica e inteligência acima da média. Delicado na forma como trata o esférico. Capacidade de criação/decisão fenomenal. Remate certeiro. Qualidade de passe soberba. Excelente na execução de bolas paradas. Em suma, tem um talento gigante.

Completada a 5ª temporada com a camisola dos actuais campeões, o somatório total não engana: 169 jogos, nas várias competições, 66 golos e 55 assistências. Mesmo com a recente revelação da fusão entre o Lekhwiya e o El Jaish para a próxima temporada desportiva, sob o nome de Al Duhail SC, o sul-coreano continuará a ser o homem de destaque da equipa. Resta saber, portanto, se num eventual regresso à Europa, este tem condições para se impor definitivamente.

Wu Lei | Extremo

Nacionalidade: Chinesa

Idade: 25 anos

Clube: Shanghai SIPG

Internacionalizações AA: 43/7 golos

Valor de mercado: 1.500.000€*

No mercado onde abundam as transferências milionárias, o investimento e o desenvolvimento nas academias de futebol também tem sido em largas proporções. Wu Lei é, a par de Zhang Linpeng, a maior conquista do futebol chinês. Produto da academia de Xu Genbao, afiliada ao Shanghai SIPG, seu mentor, realizou um percurso notável pelos escalões jovens e chegou ao topo da sua carreira ainda muito jovem.

Wu Lei destaca-se pela capacidade atlética. É extremamente leve, rápido, forte nas transições e em situações de 1×1, muito ágil e astuto nas movimentações interiores/exteriores e, por fim, eficaz no momento da finalização. Ainda que a sua posição natural seja a de extremo direito/esquerdo, já cimentou uma posição privilegiada no topo da lista dos melhores marcadores da Super Liga e é dos jogadores chineses que mais contribuem para esse capítulo. No entanto, conta com uma certa dose exagerada de individualismo e com algumas deficiências na definição dos lances.

O ‘Maradona chinês’, alcunha que lhe fora atribuída por Genbao, representa o presente e o futuro. É um dos símbolos do Shanghai SIPG, clube liderado por André Villas-Boas que ambiciona afirmar-se em pleno no contingente asiático, e da própria selecção. Sobra a esperança de, num futuro próspero, surgirem mais Golden Boys como Wu Lei provenientes das escolas de formação do país.

Ali Mabkhout | Avançado

Nacionalidade: Emiradense

Idade: 26 anos

Clube: Al-Jazira SC

Internacionalizações AA: 17/12 golos

Valor de mercado: 800.000€*

Os Emirados Árabes Unidos têm em Omar Abdulrahman o seu maior símbolo, juntamente com Ahmad Khalil, portentoso avançado que desde muito cedo ganhou reconhecimento um pouco por todo o mundo. Ali Mabkhout saiu das escolas do Al-Jazira e conseguiu a sua debut na equipa principal aos 18 anos de idade.

Desde muito cedo que Mabkhout demonstrou aptidões para um ponta-de-lança. Forte fisicamente, rápido, solta-se muito bem da marcação e, claro, possui uma grande veia goleadora. Para uma pequena noção, desde a sua estreia disputou 104 jogos e marcou cerca de 76 golos e contribuiu com 16 assistências. É uma das pedras fundamentais dos actuais campeões da AG League e, na presente temporada, em 29 jogos balançou as redes por 32 ocasiões.

No contexto internacional, tem vindo a cimentar a sua posição como uma das maiores referências. Completa um trio fenomenal com Omar e Ahmad na frente de ataque, e tem vindo a apontar golos de belo efeito e, ao mesmo tempo, cruciais para os Leões de Zayed em diversas competições. Muito móvel, bom tecnicamente e na procura da profundidade – articula muito bem as suas movimentações com o limite do fora-de-jogo. Ao invés, revela algumas dificuldades no jogo aéreo e está longe da potência do seu compatriota Ahmad Khalil.

Omar Al-Somah | Avançado

Nacionalidade: Síria

Idade: 28 anos

Clube: Al-Ahli Jeddah

Internacionalizações AA: 2

Valor de mercado: 4.500.000€*

Um pouco mais experiente que os restantes, surge Omar Al-Somah, ponta-de-lança sírio, conhecido sobretudo no futebol asiático como The Arabic Zlatan Ibrahimovic. E a comparação é bastante pertinente. Iniciou o seu percurso futebolístico no Al-Futawa da Síria, deu nas vistas no Qadsia SC do Kuwait – um pouco tarde, diga-se- até que o Al Ahli Jeddah, uma das melhores equipas do futebol saudita, assegurou, na temporada de 2014, a sua aquisição por 2 milhões de euros. Al-Somah viria, então, a tornar-se a melhor contratação da história do clube. E é fácil explicar o porquê.

As similitudes com o astro sueco são evidentes. É um avançado alto (1,92 m), forte, excelente no cabeceamento, muito forte a proteger o esférico de costas para a baliza, e, acima de tudo, é uma autêntica máquina goleadora. Por muito que as suas características físicas apontem para tal, os seus golos não são de dificuldade reduzida. Bem longe disso. Al-Somah remata muito bem com os dois pés – daí que seja um óptimo executante de bolas paradas -, tem uma técnica bem apurada e é capaz de finalizar de várias formas e feitios. Basta olharmos para as suas estatísticas globais com a camisola do Al Ahli: 102 jogos, 105 golos e 11 assistências. Quebrou vários recordes de golos na Saudi Premier League, onde constam distinções como o Melhor Marcador Estrangeiro da história e/ou o jogador estrangeiro que mais hat-tricks regista até hoje.

Relativamente ao seu desempenho internacional, as divergências políticas com Bashar Al-Assad levaram a que se afastasse em definitivo da selecção, mesmo tendo cumprido poucos jogos. É livre, assim, de representar outro país da esfera ocidental desde que lhe seja garantida a cidadania – a Arábia Saudita continua à espreita. Esteve perto, no passado, de rumar ao Nottingham Forest, mas não conseguiu obter um visto de trabalho. Não fosse este o eterno dilema dos jogadores do médio oriente e Al-Somah tinha todas as condições para brilhar em qualquer uma das ligas europeias de topo.

Omar Kharbin | Extremo

Nacionalidade: Síria

Idade: 23 anos

Clube: Al-Hilal

Internacionalizações AA: 32/13 golos

Valor de mercado: 850.000€*

Omar Kharbin, aos 23 anos, tem vindo a despertar muita atenção na Saudi Premier League e, ao mesmo tempo, ao serviço da selecção síria de futebol, onde se assumiu como um dos – ou, talvez, o mais – jogadores bem cotados do plantel. Iniciou o trajecto no Al Wahda, do seu país natal, e, após consequentes empréstimos, avançou para o Al-Dhafra dos Emirados Árabes Unidos, cujo desafio lhe garantiu maior visibilidade. Criou impacto imediato ao apontar 17 golos e 5 assistências em 26 jogos, e o Al-Hilal não hesitou em garantir o seu empréstimo.

Kharbin tanto pode actuar a extremo como a segundo-avançado dentro de campo. Tem uma envergadura física de respeito (1,84 m), mas, por outro lado, é um jogador extremamente móvel. Movimenta-se muito bem no interior das áreas adversárias e aparece com frequência em zonas de finalização. Combina muito bem com os seus colegas e foge à marcação com facilidade, para além trabalhar imenso em prol da equipa. Na presente época, leva 15 golos em 20 jogos pelo clube saudita que parece decidido a apostar na sua aquisição definitiva.

*Valores segundo o site Transfermarkt.

5733613845992__1000.jpg?fit=1024%2C576
Diogo AlvesJunho 17, 20175min0

Entre o mês de fim de campeonato e de reinício de treinos, Junho é a altura de “todos os sonhos” para os adeptos: quem será a nova estrela, um “diamante” por lapidar ou uma lenda que pode assinar por um dos ditos Grandes portugueses. Três jogadores da Primera Divisón Argentina que podem ingressar no FC Porto, SL Benfica ou Sporting CP.

Argentina continua a ser um viveiro de futebolistas, lá nascem os ‘pibes’ que mais tarde poderão triunfar no continente europeu. Todos têm ambição de seguir as pisadas de ídolos como Mário Kempes, Maradona, Lionel Messi ou Juan Román Riquelme. O campeonato português continua a ser uma porta aberta para a entrada de jogadores vindos da Primera Divisón, e os exemplos de sucesso multiplicaram-se na última década. Por Portugal já passaram os espampanantes Caniggia e Osvaldo, os goleadores Acosta e Lisandro, e, os mágicos Aimar, Lucho e Gaitán.

JOSÉ LUIS GÓMEZ

Posição: Lateral-Direito

Idade: 23

Nacionalidade: Argentino

Clube: Lanús

Valor de Mercado: 5,00M€

Natural do norte da cidade de Santiago del Estero, José Luis Gomez é um produto da famosíssima escola do Racing de Avellaneda, “La Academia”, uma das formações mais prestigiadas da Argentina. O Cafú santigueño mudou-se para o Lanús e tem crescido imenso com esta experiência no clube de Buenos Aires. A boa época ao serviço do campeão argentino já valeu a chamada por Jorge Sampaoli à selecção.

Jogador bastante energético e com uma velocidade estonteante. É um lateral moderno com uma enorme propensão ofensiva e pensa como um extremo. A resistência é um dos seus pontos fortes, farta-se de correr para cima e para baixo ao longo do corredor direito, e, utiliza a sua boa capacidade física tanto para atacar como para defender.

Garante sempre bastante amplitude e profundidade ao longo da faixa e oferece bastante ao processo ofensivo, tem chegada a zonas de finalização e evidencia uma boa capacidade de passe ou cruzamento. Na fase defensiva utiliza bastante a antecipação para roubar a bola ao adversário ainda em zonas adiantadas do terreno. Concentrado e contundente a defender, ainda assim é um dos pontos débeis e vindo para a Europa poderia melhorar esse aspecto.

Os três grandes, ao que tudo indicia, poderão estar à procura de mais um lateral direito para os seus plantéis, por diferentes razões. José Luis Gómez seria uma boa contratação.

EMILIANO RIGONI

Posição: Extremo-Direito / Extremo-Esquerdo

Idade: 24

Nacionalidade: Argentina

Clube: Independiente

Valor de Mercado: 4,50M€

Emiliano Rigoni é um dos valores mais emergentes do campeonato argentino e que já desperta cobiça na Europa. Recentemente foi apontado ao Sport Lisboa e Benfica. Natural de Colonia Caroya, província de Córdoba. Um viveiro de grandes jogadores. Foi no clube local, o Belgrano que deu nas vistas e mereceu atenção especial do Independiente que o contratou em 2015 numa transferência a rondar o 1,55M€.

Tem sido um dos grandes destaques do Independiente, predominantemente joga como extremo-direito, onde se sente como peixe na água, mas, também deriva bastantes vezes para o corredor central e pontualmente actua como extremo-esquerdo. As diagonais a invadir zonas interiores (vindo de zonas exteriores) são uma das imagens de marca.

É ambidestro, mas utiliza mais o pé-esquerdo. Capacidade de drible bastante acima da média, rápido e um bom batedor de bolas paradas. Jogador muito criativo que utiliza as diagonais para muitas vezes arriscar com passes em ruptura entre central e lateral adversário. Esta época já apontou 10 golos, para um extremo é um número bastante bom.

Certamente que caberia em qualquer plantel dos grandes.

LAUTARO MARTÍNEZ

Posição: Avançado

Idade: 19

Nacionalidade: Argentina

Clube: Racing

Valor de Mercado: 2,50M€

Mais uma pérola que sai de “La Academia” e já ingressou na equipa principal do Racing. Companheiro de Lisandro López e Gustavo Bou, o avançado de somente 19 anos é apontado como o próximo Gabriel Batistuta, mas, quem ele admira mesmo é o ex-FC Porto, Radamel Falcao.

Apontado aos “Dragões” no decorrer do Mundial de Sub-20, o artilheiro do Racing bem pode dizer que, foi o primeiro jogador a ser expulso pelo vídeo-árbitro numa grande competição. Essa medalha já ninguém lhe tira. Apesar do desempenho pouco efectivo da Argentina no Mundial – não passaram a fase de grupos – o goleador ainda conseguiu fazer o gosto ao pé por duas ocasiões.

Grande capacidade de trabalho e uma grande entrega ao jogo, é um ponta de lança que vive dentro da área e procura enganar os defesas com movimentações rápidas aparecendo vindo do “nada”. A sua boa antecipação e leitura do jogo são um ponto a ter em conta, além da qualidade técnica q.b e uma capacidade de remate muito bom, seja de primeira (já marcou belos golos) ou de forma mais trabalhada. No jogo aéreo também mostra qualidades.

Certamente que seria uma contratação a ter em conta pelo FC Porto que viu André Silva ser vendido há dias, mas para Sporting e Benfica seria um óptimo backup aos seus goleadores.

Roman-Zobnin-1.jpg?fit=1024%2C576
Joel AmorimMaio 30, 20175min0

Roman Zobnin foi um dos nomes em destaque na temporada da Primeira Liga Russa que agora terminou. Nascido em Irkutsk, uma das maiores cidades da Sibéria, Zobnin despertou para o futebol num clube local, tendo-se depois mudado para a Academia de Futebol Konoplyov, uma das mais conceituadas da Rússia. Estreou-se no FC Akademiya Tolyatti, clube dos escalões inferiores russos que geralmente se “alimenta” de jogadores provenientes da academia que formou, entre outros, Alan Dzagoev, Igor Gorbatenko e Ilya Kutepov. Conheça o perfil de Roman Zobnin através do “FP Scouting”, rubrica desenvolvida em colaboração com a Talent Spy.

Zobnin sempre se destacou entre os demais e foi com alguma naturalidade que em 2013 rumou à capital da Federação Russa para ingressar no FC Dynamo Moscovo. Com apenas 19 anos, Zobnin foi enviado para a equipa de reservas do antigo gigante moscovita, mas a sua enorme qualidade fez com que logo na sua primeira temporada em Moscovo lhe fossem dadas várias oportunidades na equipa principal. O crescimento de Zobnin como jogador foi quase imediato e a temporada seguinte (2014-15) foi aquela em que começou a afirmar-se como um jogador de enorme importância nas manobras ofensivas e defensivas do FC Dynamo Moscovo. O facto de ter participado em 15 encontros da Primeira Liga Russa e num da Liga Europa demonstra bem a rápida ascensão de Zobnin no plantel do emblema moscovita. A temporada 2015-16 foi ainda melhor para Roman. Os problemas financeiros e estruturais que o Dynamo enfrentava obrigaram o treinador Andrei Kobolev a lançar na equipa principal vários jovens provenientes da formação, e toda essa situação acabou por ainda beneficiar um pouco mais o crescimento de Zobnin.

Fonte: http://uk.soccerway.com/

O jovem médio assume-se então como figura de extrema importância na equipa, uma vez que a sua fantástica versatilidade permitia a Kobelev utilizá-lo em várias posições distintas na linha média. Zobnin participou em 32 jogos nessa temporada, totalizando uns impressionantes 2509 minutos repartidos entre encontros da Primeira Liga Russa e da Taça da Rússia. Zobnin desempenha com elevado grau de eficácia as várias posições centrais do meio-campo. Durante a temporada de 2015-16 foi muito comum vê-lo a actuar no papel de médio defensivo ou de organizador de jogo a partir de trás, ou então, um pouco mais à frente como médio mais ofensivo, marcando o ritmo das jogadas de ataque da sua equipa.

A qualidade demonstrada na sua última temporada ao serviço dos Musora serviu de montra para Zobnin e a descida do emblema moscovita ao segundo escalão do futebol russo, pela primeira vez na sua história, precipitou a saída do jovem médio.

Dmitri Alenichev e Sergei Rodionov do Spartak Moscovo seguiam a carreira de Zobnin há já algum tempo e o seu nome figurava na lista de possíveis reforços para a nova temporada. Sem surpresa, em Julho de 2016, Roman ruma a Tarasovka por uma cifra a rondar os 3 milhões de Euros, mas poucos era aqueles que esperavam que o jovem médio conseguisse lugar na primeira equipa do histórico emblema moscovita. Alenichev, no entanto, tinha outras ideias, e no pouco tempo em que liderou os destinos do Spartak esta temporada depositou toda a sua confiança em Zobnin.

Uma derrota caseira inesperada diante do AEK Larnaca na fase de apuramento para a Liga Europa ditou a saída de Dmitri Alenichev do comando do Spartak. A saída do antigo campeão europeu pelo FC Porto não comprometeu, contudo, a posição de Zobnin na equipa, uma vez que o novo treinador do conjunto moscovita, o italiano Massimo Carrera, continuou a depositar toda a confiança no jovem médio.

Zobnin realizou uma temporada fantástica e ajudou a sua equipa a vencer a Primeira Liga Russa. Roman participou em 29 jogos onde apontou dois golos e contribuiu com três assistências, sendo o segundo jogador mais utilizado da equipa logo a seguir ao guarda-redes internacional russo Artem Rebrov. Com Carrera, Zobnin actuou muitas vezes em posições que não lhe eram muito familiares, tais como médio esquerdo ou direito num esquema táctico de 4-2-3-1, mas nem por isso desiludiu. A versatilidade é porventura a maior arma de Zobnin, uma vez que sem comprometer o seu rendimento global, Roman consegue desempenhar quase na perfeição todas as funções que lhe são atribuídas na equipa.

Aos 23 anos de idade, Zobnin é um dos nomes mais fortes de uma nova geração de futebolistas russos e, embora não esteja nos seus planos abandonar o seu país a breve prazo, conforme esclareceu numa entrevista recente, o futuro de Roman pode muito bem passar por um grande clube do velho continente.

BOA OPÇÃO PARA…

Manchester United – Quando ainda se encontrava ao serviço do FC Dynamo Moscovo, Zobnin esteve, de acordo com a imprensa desportiva, na mira do Manchester United e, apesar de nada em concreto ter acontecido, fica a ideia que o jovem médio russo encaixaria na perfeição na equipa de José Mourinho. A sua versatilidade seria certamente do agrado do técnico português e, caso não falhasse a adaptação ao futebol inglês, Zobnin seria bastante útil aos Red Devils.

FC Schalke 04 – Na passada semana, Zobnin foi colocado na rota de várias equipas europeias, entre as quais se destacava o FC Schalke 04. A forma prática e assertiva como joga e como encara todos os momentos do jogo seriam certamente uma mais-valia para o jovem médio num cenário extremamente competitivo como a Bundesliga.

espanha.jpg?fit=656%2C369
Tomás da CunhaMaio 20, 20177min0

O Fair Play elegeu alguns destaques do Euro Sub-17 que teve como vencedor a selecção nacional espanhola.

Denia e a identidade espanhola – Nos últimos anos, todas as selecções espanholas têm mantido uma identidade que privilegia o controlo do jogo através da posse de bola. Contrariando o que seria de esperar, a equipa orientada por Santi Denia nem sempre procurou dominar dessa forma, abdicando muitas vezes da iniciativa. Essa postura mais expectante colocou os espanhóis perante maiores dificuldades, dependendo daquilo que os adversários eram capazes de fazer. Se no perfil dos jogadores continuam a sobressair as boas decisões, é certo que foram as opções do seleccionador que diminuíram as probabilidades de sucesso e obrigaram a dois desempates por grandes penalidades.

O talento explosivo de Sancho – Há 2 anos, quando cativou a atenção do Manchester City enquanto jogador do Watford, Jadon Sancho motivou desde logo as maiores expectativas quanto ao seu futuro. A relação com a bola denunciava um jogador com um talento distinto, num patamar de desenvolvimento bem acima do que a sua idade poderia fazer prever. O nível que apresentou nesta competição confirma todo o potencial e prova que o jovem inglês é uma das maiores promessas da sua geração. Sancho estabeleceu as diferenças em todos os encontros, criando desequilíbrios atrás de desequilíbrios com uma enorme facilidade. Partindo do corredor esquerdo, embora tenha tido liberdade de movimentos, impressionou pela qualidade técnica e pelo repentismo na mudança de velocidade. Procura muitas vezes as situações de 1×1, em que é praticamente impossível de travar, mas não é um jogador exageradamente individualista, apesar de ter forçado demasiado no jogo contra Espanha. Na fase a eliminar (exceptuando a final) surgiu mais vezes em zonas interiores, recebendo em espaços potencialmente mais perigosos para o adversário. Foi um dos jogadores em destaque na prova, com 5 golos e 5 assistências.

Um lateral para o futuro – Tendo em conta a posição que ocupa, Mateu Morey, do Barcelona, é uma das figuras deste torneio com maiores probabilidades de vir a ser uma referência a nível mundial. Foi um dos jogadores mais influentes da sua selecção, destacando-se pelo que conseguiu oferecer a nível atacante. O seleccionador Santi Denia aproveitou o trabalho feito em La Masia e colocou muitas vezes o lateral em terrenos interiores nos momentos de organização ofensiva, posicionamento que lhe valeu uma preponderância tremenda na manobra espanhola. Criativo e muito inteligente na tomada de decisão, Morey assumiu-se como um dos principais desequilibradores da equipa, sobretudo pela capacidade de progredir em condução. A facilidade de jogar com os dois pés permite que tenha mais soluções quando flecte para o espaço central, como se viu nos 3 golos que marcou no torneio.

Morey em disputa com Sancho
[Foto: UEFA]
 

Dois ‘9’ para seguir – Depois de ter dado nas vistas no Europeu do ano passado e também na UEFA Youth League ao serviço do Barcelona, Abel Ruiz fez disparar a sua cotação com as exibições de luxo que realizou na Croácia. Não estivéssemos numa competição de sub-17 e provavelmente ninguém diria que o espanhol ainda é juvenil, tal a maturidade e a inteligência nos movimentos que exibe. O jovem que vai evoluindo em La Masia apresenta um leque de soluções assinalável – soberbo na forma como oferece apoios frontais constantes – e é claramente um projecto com potencial para vingar em Camp Nou. Só Amine Gouiri, avançado francês, conseguiu ter um peso semelhante na equipa, deixando a sua marca em todos os encontros. Não se sente tão confortável como referência, beneficiando quando tem espaço para encarar o adversário e desequilibrar no 1×1. Nesta altura é uma das principais promessas das escolas do Olympique Lyonnais e possui excelentes características (mobilidade, agressividade e qualidade técnica) para fazer um percurso interessante.  

O poder dos criativos – Pé esquerdo temível, agilidade, criatividade e facilidade de remate. A descrição encaixa na perfeição em Sergio Gómez e Phil Foden, dois jogadores que tiveram um contributo decisivo nas respectivas selecções. O espanhol, apesar de ter sido prejudicado pela estratégia conservadora de Santi Denia, que o fez desaparecer do jogo em muitos momentos, foi um dos elementos em evidência nos campeões. Descaído sobre a esquerda, ganhou influência quando apareceu no espaço central e se associou com Abel Ruiz, seu colega em Barcelona. Outro dos motivos de interesse deste torneio foi o baixinho inglês, que espalhou classe pelos relvados croatas. Foi uma ameaça constante para os adversários, mostrando muita imaginação e uma habilidade fantástica. Fazendo lembrar Patrick Roberts, criou inúmeros desequilíbrios através de diagonais em condução acelerada.

Foden tenta ultrapassar Moha [Foto: UEFA]
 

Os mais talentosos da máquina alemã – Não chegou à final, mas a selecção germânica foi indiscutivelmente uma das mais fortes da competição. Mesmo não tendo uma geração brilhante do ponto de vista individual, a turma de Christian Wück impôs-se e passou grande parte dos jogos em ataque posicional. Mas, se na fase de grupos se assistiu a um autêntico passeio dos alemães, na fase a eliminar surgiram outras dificuldades, que permitiram que se separasse aqueles que de facto têm um talento acima da média. Elias Abouchabaka, médio ofensivo esquerdino, foi um dos que suscitou mais curiosidade para o futuro. Sem ser especialmente criativo, o jogador do RB Leipzig (clube cada vez mais presente nas selecções jovens) tem uma boa visão de jogo e muito critério nas decisões. Com características bem diferentes, John Yeboah, talentoso médio/extremo do Wolfsburgo, foi o responsável por oferecer algum rasgo à máquina alemã. Um jogador difícil de travar, pela velocidade e imprevisibilidade que tem no seu futebol.

Babacan e uma interessante geração turca – Entre o lote de melhores jogadores da competição tem de estar obrigatoriamente Atalay Babacan, a figura mais entusiasmante da Turquia. O jovem talento do Galatasaray apresentou-se como um médio ofensivo de elevado requinte técnico – bola sempre colada ao pé esquerdo – e bastante criativo na procura de soluções. Quando está enquadrado com a última linha do adversário é letal e preciso no passe à procura do colega. Babacan não esteve desacompanhado no meio campo turco, contando com o bom nível de jogadores como Kerem Kesgin, muito racional, ou Hasan Adigüzel, criterioso e resistente à pressão. Estranhamente, tendo em conta a sua qualidade, Umut Günes, médio canhoto com uma facilidade incrível de romper com passes verticais, não foi das primeiras opções mas saltou do banco para deixar sensações muito positivas.

Destaques de outras selecções: Moses Kean (Itália/Juventus, avançado), Dominik Kotarski (Croácia/Dinamo Zagreb, guarda-redes), Ivan Ilic (Sérvia/Estrela Vermelha, médio), Dominik Szoboszlai (Hungria/RB Salzburgo, médio), Kris Szereto (Hungria/Stoke City, médio ofensivo), Zakaria Aboukhlal (Holanda/Willem II, avançado), Glenn Middleton (Escócia/Norwich, extremo) e Aaron Bolger (Irlanda/Shamrock Rovers, médio)


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS